Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

NOTÍCIAS DE ARQUEOLOGIA

O Património é um bem comum... Preservá-lo só depende de cada um de nós...


Domingo, 04.04.10

Archaeologists: 188 houses from Neolithic era unearthed in Middle Euphrates Region

Archaeologist_unearthed_houses_in_Syria


Tal Bokrous is a sample of the first agricultural village built according to the architectural style of the Stone Age in Deir Ezzor, (432 kms northeast of Damascus, Syria).
The site is the only archaeological discovery at the Middle Euphrates Region which belongs to the booming phase of the Neolithic era.
The Neolithic era (New Stone Age), was a period in the development of human technology, begining about 9500 BC in the Middle East that is traditionally considered the last part of the Stone Age.
The adjacent houses built along the two sides of the village yard show the greatness of the architectural style at that period.
Archaeologist Yarub al-Abdullah said "The number of the unearthed houses has amounted to 188, each house includes three rooms built of dry brick while the floors and walls were painted with mud or plaster."
Some walls were decorated with colorful paintings representing ducks and goose, he added.
The remains of charred plants were found at plaster-made louvers as a farming community used to live there depending on agriculture and keeping livestock.
Studies showed that barley used to grow naturally at the site, after that the local inhabitants developed agriculture and started to sow grain and lentils.
Handicrafts mainly depended on the available raw materials such as alabaster and obsidian stones.
Many stone-made needles, drills, sculptures and utensils were unearthed at the site.
Tow sculptures of naked women and a man's head made of baked mud were the most important discoveries at the site.
The archeological findings fill an important gap in our understanding of the Middle Euphrates Region which mainly depended on agriculture.(SANA)
Fonte: (26 Mar 2010) Ruaa AL-Jazaeri. Global Net Work:  http://www.english.globalarabnetwork.com/201003265291/Related-news-from-Syria/archaeologist-188-houses-from-neolithic-era-unearthed-in-middle-euphrates-region.html

Autoria e outros dados (tags, etc)

por noticiasdearqueologia às 23:12

Domingo, 26.04.09

Arqueólogos portugueses escavam na Síria


Projecto pioneiro estuda período helenístico



Uma equipa de arqueólogos da Universidade de Coimbra (UC) está a realizar escavações na Síria sobre o período helenístico, cujos resultados serão pioneiros a nível mundial, por pouco se saber sobre essa época, refere a Lusa.





 


A actividade da equipa desenvolve-se desde o início de Abril na antiga cidade de Nabada, actual Tell Beydar, na fronteira com o Iraque e a Turquia, e onde pela primeira vez aparece a escrita na Alta Mesopotâmia, no terceiro milénio antes de Cristo (A.C.).

«O interessante desta investigação é que ela é inédita a nível mundial. Não se conhece praticamente nada sobre o período helenístico nestas cidades no terceiro milénio na Alta Mesopotâmia», declarou Conceição Lopes, directora da equipa de arqueólogos e professora na UC.


Trata-se de uma investigação ainda no início, mas «muito promissora», que vai desafiar a equipa «a lançar bases, a definir coisas que serão pioneiras em termos mundiais», designadamente a fazer a tipologia dos edifícios.


Conceição Lopes realça que cidades do terceiro milénio são tão importantes que as equipas internacionais têm-se interessado fundamentalmente pelo terceiro milénio, sobre o início da escrita, da civilização, da revolução urbana, não apostando no período helenístico.


 


Investigam na antiga cidade de Nabada


Os arqueólogos portugueses ocupam-se de escavar um grande edifício, que ainda não se sabe o que é, na antiga cidade de Nabada, sobre a qual se conhecem 30 hectares, e que teve uma ocupação entre 2.900 A.C. até pelo menos à época romana.


Convivem no campo arqueológico com equipas de outros países europeus, de Itália, Bélgica ou Alemanha, que investigam o terceiro milénio, e a escassos quilómetros onde pesquisou, no primeiro quartel do século XX, o arqueólogo Max Mallowan, marido da mestre da literatura do crime Agatha Cristie.


 


Equipa consituída por alunos de mestrado de Coimbra


A equipa é constituída por Ricardo Cabral (responsável no campo), e André Tomé, ambos já doutorandos na universidade holandesa de Leiden, e ainda por Ana Meireles e Tiago Costa, estes alunos de mestrado em Coimbra.


Trata-se de uma equipa que, além escavar, está a produzir ciência, pois do trabalho dela numa região considerada o berço da civilização resultarão teses de doutoramento e de pós-doutoramento. No termo do projecto de cinco anos serão ainda apresentadas publicações sobre os resultados.


O período de campanha arqueológica, que se iniciou este mês desenrola-se até finais de Maio, retornando a equipa em Setembro para estudos dos materiais recolhidos, especialmente de cerâmicas, e para prospecções em outros locais.


A equipa portuguesa é financiada pela Universidade de Coimbra e pela Fundação da Ciência e Tecnologia, mas o desejo é angariar um mecenas que possibilite o seu alargamento e até a ampliação do âmbito dos estudos, revelou Conceição Lopes.




Fonte: (26 Abr 2009). IOL DIário: http://diario.iol.pt/ambiente/siria-arqueologia-coimbra-escavacoes-ambiente-tvi24/1059627-4070.html

Autoria e outros dados (tags, etc)

por noticiasdearqueologia às 21:45

Quinta-feira, 22.01.09

Guerra química foi usada no tempo dos romanos


Fonte: Luís Naves (22 Jan 2009). Diário de Notícias: http://dn.sapo.pt/2009/01/22/ciencia/guerra_quimica_usada_tempo_romanos.html



 


 


Uma pilha de corpos encontrada nas ruínas de Dura-Europos, uma fortaleza romana nas fronteiras orientais do império, sugere que os atacantes persas usaram cristais de enxofre, cuja queima produziu gases tóxicos. A manobra pode ter decidido o destino trágico da cidade



Local foi descoberto por acaso nos anos 30 do século passado

Soldados romanos que morreram num violento combate no terceiro século da era de Cristo podem ter sido vítimas de gases de enxofre, naquele que será o mais antigo exemplo conhecido do uso de armas químicas. O incidente ocorreu na remota cidade de Dura-Europos, por volta do ano 256, na fronteira oriental do Império Romano. Os soldados foram mortos por persas sassânidas, cujo exército tomou e destruiu a fortaleza na margem do Eufrates.

As ruínas de Dura-Europos, na actual Síria, têm sido objecto de cuidadosas escavações. Os arqueólogos descobriram túneis que foram usados durante o cerco da fortaleza e que embora não tenham destruído a muralha, serviram para decidir a fase final do combate. Num dos túneis havia uma barricada, incluindo esqueletos parcialmente queimados de soldados romanos, o que levou uma primeira equipa a sugerir um colapso do túnel, o que não explicava a presença de enxofre no local.

O arqueólogo Simon James, da Universidade de Leicester, avançou entretanto com uma sensacional teoria, apresentada na reunião anual do Instituto Arqueológico Americano. A posição dos corpos e os cristais de enxofre sugeriam que no combate foram produzidos fumos tóxicos.

Segundo Simon James, que estuda Dura há 30 anos, os romanos mortos (ou gravemente feridos) foram deliberadamente amontoados num local onde se encontravam dois túneis escavados por cada um dos exércitos. A certa altura, talvez perante um contra-ataque romano, os persas incendiaram os corpos e deitaram ao fogo cristais de enxofre, o que produziu gases letais. Um dos guerreiros persas não fugiu a tempo.

Embora não haja registos históricos da batalha, que se presume foi travada no ano 256 d.C. (mais ou menos quatro anos) sabe-se que os persas tiveram de combater a guarnição romana rua a rua. Dura-Europos era uma criação grega, na altura com mais de 500 anos. O local não interessou aos persas e foi abandonado. Os habitantes foram chacinados ou deportados.

As ruínas ocupam um espaço vasto e foram encontradas por acaso nos anos 20 do século passado, quando soldados indianos do exército britânico tomaram a posição estratégica e ali escavaram trincheiras.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por noticiasdearqueologia às 22:43

Terça-feira, 16.10.07

O mais antigo do mundo: mural com 11 mil anos

Uma equipa de arqueólogos franceses descobriu, no Norte da Síria, uma parede pintada há 11 mil anos que se julga ser o mais antigo mural do Mundo. Em vermelho, preto e branco, a pintura mede dois metros quadrados e estava subterrada no povoado Neolítico de Djade al-Mugara, junto ao rio Eufrates, a Nordeste da cidade de Aleppo.



“Parece pintura moderna. Quem a viu achou-a semelhante ao trabalho de (Paul) Klee (nome grande do modernismo alemão)”, referiu Eric Coqueugniot, arqueólogo que lidera o grupo, acrescentando que a obra data do ano 9,000 a.C.. Dominada por rectângulos, a pintura foi feita numa parede circular de uma grande casa com telhado de madeira e no próximo ano será transportada para o museu de Aleppo.



Djade al-Mugara é um dos vários povoados Neolíticos existentes na Síria e no Sul da Turquia, onde foram também achados vários tipos de armas e diversos esqueletos humanos.
Junto do mural está uma outra pintura que será escavada no próximo ano.



In: (14 Out 2007). Correio da Manhã: http://www.correiomanha.pt/noticia.asp?id=261638&idCanal=13


      Foto: Foto@EPA/Aleppo Archaeological Direcorate.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por noticiasdearqueologia às 23:25


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Setembro 2016

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
252627282930





Arqueo logos