Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

NOTÍCIAS DE ARQUEOLOGIA

O Património é um bem comum... Preservá-lo só depende de cada um de nós...


Segunda-feira, 20.05.13

Namíbia e Portugal cooperam na conservação de destroços do navio naufragado no século XVI

Os governos de Portugal e da Namíbia assinaram, esta quarta-feira, um memorando de entendimento para a conservação e gestão do património cultural do navio português do século XVI naufragado ao largo de Oranjemund.
O protocolo foi assinado pelo secretário de Estado da Cultura de Portugal, Jorge Barreto Xavier, e a ministra da Juventude da Namíbia, Juliet Kavetuna, e estabelece a relevância do sítio arqueológico, os objetos materiais e o «conhecimento local».
O documento prevê, assim, a «investigação, documentação e publicação de informação, [a] partilha de informação, formação e educação, bem como a organização de exposições e de outras formas de promoção e valorização».
O memorando estabelece, ainda, a possibilidade de «acordos adequados com potenciais doadores» para a conservação do navio naufragado, bem como a «formação de três namibianos em Portugal, em áreas acordadas» pelas partes e a «criação e gestão de um museu para o navio naufragado».
O navio português foi descoberto em abril de 2008, ao largo da Namíbia, por geólogos que procuravam diamantes, e ter-se-á afundado quando regressava a Portugal.
As investigações permitiram encontrar moedas de ouro e prata, colocadas à guarda do Banco da Namíbia, peças de canhão, presas de marfim, ouro, prata, cobre e estanho, bolas de chumbo da marca da Coroa Portuguesa fugger e um terço.
A embarcação tinha 300 toneladas e, segundo o arqueólogo Bruno Werz, teria três mastros e cerca de 30 metros de comprimento. O naufrágio terá ocorrido após a colisão com uma rocha.
Segundo o relatório de duas missões arqueológicas portuguesas, assinado por Francisco Alves, do então Instituto de Gestão do Património Arqueológico e Arquitetónico (IGESPAR), entre os achados estaria uma moeda de dez cruzados, «de ouro, de inexcedível pureza, prestígio e raridade».

Fonte: (15-05-2013). A Bola: http://www.abola.pt/mundos/ver.aspx?id=402145

Autoria e outros dados (tags, etc)

por noticiasdearqueologia às 22:54

Domingo, 19.10.08

Estudo de moedas poderá dizer qual era a nau portuguesa naufragada na Namíbia

Entre os destroços escavados em Oranjemud foram encontrados ossos

humanos cujo ADN vai ser analisado. Canhões, moedas, espadas, pratos e até chinelos

constam do tesouro.

"Estamos à espera de que as moedas falem." A frase do arqueólogo

Francisco Alves significa que só depois de se saber a datação da mais

nova das moedas encontradas nos destroços da nau quinhentista

portuguesa naufragada próximo de Oranjemud, no Sul da Namíbia, se

poderá ter ideia de que navio se tratava, quem era a sua tripulação e

quais os objectivos da sua viagem.

Após um mês "sem ver o mar", apesar de estar separado dele apenas por

uma parede de areia com seis metros de altura, Francisco Alves,

arqueólogo do Instituto de Gestão do Património Arquitectónico e

Arqueológico (Igespar), deu ontem a conhecer em Lisboa alguns dos

passos que conduziram a um dos maiores achados arqueológicos

subaquáticos.

Com a certeza de que se trata de uma embarcação portuguesa (os

posteriores estudos dirão se é uma nau ou um galeão), este é apenas o

segundo navio português escavado por portugueses à escala mundial (o

primeiro caso foi o da nau Nossa Senhora dos Mártires, há uma década,

em S. Julião da Barra, no Tejo).

O valor do espólio rondará os 70 milhões de euros. Mas essa é apenas

uma estimativa pecuniária, que para os intervenientes portugueses na

escavação de Oranjemud e também para os secretários de Estado da

Cooperação e da Cultura não é a mais relevante. "Mais importante do

que poder reclamar parte do achado ou saber quem fica com ele é salvar

o património", disse a secretária de Estado da Cultura, Paula

Fernandes dos Santos.

Esta posição foi assumida pelo Governo português mesmo depois de saber

que a Namíbia, por não ter ratificado uma convenção internacional, não

será obrigada a devolver qualquer percentagem do espólio ao país a que

pertencia a embarcação.

A questão de uma eventual partilha dos bens escavados não é, no

entanto, um assunto encerrado. É que entre os destroços também foram

encontrados ossos humanos. Após testes para identificação do ADN e de

consultados os livros marítimos da época, é bem possível que se

identifiquem alguns dos tripulantes de então e os seus actuais

familiares. Estes poderão então tentar ficar com algo.

Esta é apenas uma suposição da comunidade científica, que, conforme

disse ao PÚBLICO fonte conhecedora do processo, se viu recentemente

confrontada com um pedido do género (parte da descendência que reside

no Brasil), quando se especulou que os destroços da embarcação até

poderiam de uma nau comandada por Bartolomeu Dias.

Francisco Alves descartou por completo essa hipótese. É que no local

das escavações foram já encontradas moedas que só terão sido cunhadas

anos depois do naufrágio de Bartolomeu Dias, em Maio de 1500.

O que o arqueólogo português garante é que o navio agora

intervencionado fazia a Rota das Índias, para onde supostamente se

deslocava quando naufragou. Essa certeza é fundamentada com a carga

que entretanto tem sido recuperada. Lingotes de cobre (20 toneladas)

recuperados mostram a marca de um conhecido comerciante alemão da

época, a quem o reino português comprara o metal para depois levar

para a Índia. Também a consulta da literatura de cordel publicada em

Portugal no século XVII, rica sobre naufrágios, poderá ajudar a

perceber de que embarcação se trata.

O espólio da por enquanto misteriosa embarcação é ainda composto por

diversas peças pesadas de artilharia, por lingotes de estanho, peças e

moedas de prata e por cerca de 2300 moedas de ouro. Um terço destas

são cruzados portugueses, as restantes são espanholas.

As moedas portuguesas, explicou Francisco Alves, são bem mais

valiosas, uma vez que o ouro que as compõe tem um grau de pureza de

999,2 por mil. Estas moedas terão começado a circular em 1499, e a sua

cunhagem findou 49 anos depois.


Fonte: José Bento Amaro (18 Out 2008). Público.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por noticiasdearqueologia às 10:09

Terça-feira, 07.10.08

Vestígios da nau portuguesa estão a ser removidos em segurança

Campanha na Namíbia concluída até dia 10

A remoção dos vestígios da embarcação portuguesa do século XVI encontrada em Abril na costa da Namíbia - já identificada com segurança como uma nau da Carreira da Índia - terá de ser integral e impreterivelmente concluída até dia 10 por razões de segurança, confirmou ontem ao DN fonte do Instituto de Gestão do Património Arquitectónico e Arqueológico (IGESPAR).

Em causa, o cordão dunar artificial que protege o local dos achados, já no limite da sua vida útil perante as alterações atmosféricas, normais para a época, que se avizinham no Atlântico Sul. O grosso da carga, já descrito como um dos mais ricos e relevantes alguma vez encontrados no campo da arqueologia subaquática, esse, havia sido já removido na fase inicial da campanha arqueológica, entre os meses de Abril e Maio.

Os trabalhos, que desde o início de Setembro estão a ser acompanhados por uma equipa portuguesa constituída pelos arqueólogos Francisco Alves e Miguel Aleluia - entre vários outros técnicos provenientes da Namíbia, África do Sul, Zimbabwe, Reino Unido e Estados Unidos -, prosseguirão depois também com envolvimento português, nomeadamente ao nível da inventariação, estudo e divulgação dos materiais encontrados na interface costeira de Oranjemund.

Os destroços e carga da nau portuguesa, recorde-se, foram encontrados durante trabalhos de prospecção levados a cabo pela Namdeb, consórcio formado pelo gigante mundial da produção de diamantes - o grupo sul-africano De Beers - e pelo governo namibiano. Segundo a mesma fonte, os custos da operação no local estão a ser suportados pelo consórcio, tendo Portugal assegurado a estadia da sua equipa mediante verbas do Instituto Camões e do Instituto Português para o Desenvolvimento.


Fonte: Maria João Pinto (2 Out 2008). Diário de Notícias.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por noticiasdearqueologia às 21:22

Sábado, 04.10.08

Nau portuguesa do século XVI em risco de ser submersa na Namíbia

Equipa luso-namibiana trabalha em contra-relógio até 10 de Outubro

para salvar segundo navio deste tipo recuperado à escala mundial por

especialistas

A nau quinhentista portuguesa descoberta em Abril ao largo de

Oranjemud, no Sul da Namíbia, corre o risco de voltar a ficar submersa

a partir de 10 de Outubro, último dia para manter a céu aberto o local

da escavação garantido pelo consórcio Namdeb, formado pelo Governo

namibiano e pelo grupo diamantífero sul-africano De Beers. Uma

informação de que o Ministério da Cultura português não dispunha até

ontem, reconheceu ao PÚBLICO o assessor de imprensa Rui Peças. "Vamos

tentar perceber o que se passa", afirmou.

Segundo uma notícia avançada ontem pela agência francesa AFP, o

governo namibiano e a De Beers, um dos maiores produtores mundiais de

diamantes - que ao longo dos últimos seis meses têm custeado juntos a

preservação do achado -, não pretendem continuar a gastar os 1700

euros diários que a operação implica. Ao PÚBLICO, o arqueólogo

Francisco Alves, da equipa que está a proceder à escavação e estudo da

"mais importante descoberta de sempre da arqueologia náutica

subsariana", confirmou o deadline, mas mostrou--se optimista quanto à

possibilidade de se conseguir concluir o trabalho de recuperação nas

próximas duas semanas.

"Estamos a trabalhar diariamente para limpar e dar continuidade à

extracção de todo o material dentro do prazo e hoje mesmo conseguimos

retirar a única parte da estrutura do navio que ainda está conexa",

anunciou Francisco Alves, director da divisão de Arqueologia Náutica e

Subaquática do Instituto de Gestão do Património Arquitectónico e

Arqueológico (Igespar). "Todos os dias estamos a encontrar coisas

novas - moedas, âncoras de ferro, pedaços de canhão, espadas,

astrolábios e instrumentos de navegação da época -, até já perdemos a

conta" ao tesouro já recuperado do navio, afirma (ver caixa). Mas é um

trabalho difícil, já que o navio está "ensanduichado" entre a

rocha-mãe e uma "camada extremamente dura" resultante de produtos de

corrosão e oxidação misturados com pedras e algas, explica o

arqueólogo. Por outro lado, há pedaços da nau dispersas numa grande

área em redor.



Vitória sobre os piratas

Ao PÚBLICO, o arqueólogo sublinha que, após a escavação que dirigiu da

Nau da Pimenta, em S. Julião da Barra, em 1998, este é apenas "o

segundo navio do mesmo tipo à escala mundial" que está a ser

recuperado por uma equipa de especialistas de várias nacionalidades.

Uma vitória para os arqueólogos na muito acesa lutra contra os

caçadores de tesouros, de cujas mãos o tesouro do navio está agora

praticamente a salvo. "A Namíbia tem dado provas de boas práticas" a

nível da preservação de achados arqueológicos, sublinha Francisco

Alves, um dos dois especialistas portugueses nesta missão (o outro é

Miguel Aleluia).

Apesar de a Namíbia ainda não ter ratificado a convenção da UNESCO que

protege o património arqueológico e estipula a partilha do achado,

Francisco Alves considera que "estão reunidas condições de

cordialidade" de forma a assegurar o interesse comum dos dois países

no património, tendo em conta a cooperação rara que tem havido entre o

país do achado e o país de bandeira do navio. No entanto, a verdade é

que, à luz da lei da Namíbia (idêntica à portuguesa), todo o

património encontrado nas suas águas territoriais é sua propriedade.

O levantamento de objectos, até agora, tem sido feito por

especialistas portugueses, namibianos e zimbabueanos graças a um

financiamento da Namdeb. Mas, segundo Peingeondjabi Shipoh,

responsável pelo projecto no Ministério da Cultura namibiano, citado

pela AFP, "manter o muro artificial de areia, que sustém as correntes

fortes do Atlântico e permite aos especialistas fazer o seu trabalho

custa 100 mil dólares namibianos por dia [1700 euros]", e essa despesa

apenas está assegurada por mais 12 dias.

As escavações estão a decorrer numa espécie de ilha ao contrário: uma

área de 60 por 30 metros situada a seis ou sete metros abaixo do nível

do mar, mas que se encontra a céu aberto graças aos muros. "A partir

de 10 de Outubro não vamos manter mais estes muros e os restos do

navio vão voltar a ser entregues aos elementos, ainda que eu tenha a

certeza que há ainda coisas por descobrir", diz Shipoh.



Um tesouro de 70 milhões em peças de valor inestimável

Uma autêntica arca do tesouro. Logo em Abril, quando foi anunciada a

descoberta na exploração diamantífera de Oranjemund, Namíbia, se soube

que a nau quinhentista transportava uma quantidade incalculável de

ouro, prata, cobre e marfim, além de objectos de valor histórico e

cultural inestimável como astrolábios e instrumentos de navegação da

época.

A caravela, que inicialmente se pensou poder ser a do explorador

Bartolomeu Dias, o primeiro a dobrar o Cabo da Boa Esperança, foi

encontrada por trabalhadores da De Beers. Estes estranharam a presença

de estruturas em madeira e grandes pedras redondas que posteriormente

se concluiu tratar-se de canhões de bronze. Entretanto foram

encontradas mais de 2300 moedas em ouro do século XVI, muitas em

prata, 13 toneladas de lingotes de cobre, dezenas de presas de

elefante e cerca de 600 quilos de objectos como instrumentos de

navegação e espadas. Uma descoberta cujo valor de mercado poderá

ascender aos 70 milhões de euros mas cujo valor cultural é

"inestimável", segundo Francisco Alves, que viajou para a Namíbia a

convite do consulado português na África do Sul e numa missão

coordenada entre o Igespar e o Ministério dos Negócios Estrangeiros.

Francisco Alves traça o perfil de uma descoberta que define como

verdadeiramente extraordinária: "Este navio é o mais bem preservado da

sua época fora de Portugal e há tantas moedas em ouro que talvez seja

mesmo a mais importante descoberta africana à excepção do Egipto".

Em termos históricos, os arqueólogos ainda não têm a certeza sobre o

tipo de navio em causa, pois "parece ser de uma tonelagem bem maior do

que uma caravela". "Nos próximos tempos este achado vai tornar mais

legíveis outros anteriores", frisa Francisco Alves ao PÚBLICO.

Fonte: Leonete Botelho (29 Set 2008). Público.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por noticiasdearqueologia às 21:57

Quinta-feira, 01.05.08

15th-century shipwreck laden with treasure found

The ship was laden with tons of copper ingots, elephant tusks, gold coins -- and cannons to fend off pirates lurking off Africa some five centuries ago.



art.shipwreck.ap.jpg





An archaeologist displays shipwreck loot: a Spanish gold coin, three Portuguese silver coins and brass dividers.










It had nothing to protect it from the fierce weather off a particularly bleak stretch of inhospitable coast. It sank, only to be found last month by men seeking other treasure.


"If you're mining on the coast, sooner or later you'll find a wreck," archaeologist Dieter Noli, who is researching the ship's origins, said in an interview Thursday, describing De Beers geologists stumbling on the wreck April 1 as they prospected for diamonds off Namibia's southwest coast.






art.namibia.ap.jpg


Top archaeologist Dieter Noli uses his hat to count the daily take of gold coins from the shipwreck.







 


Namdeb Diamond Corp., a joint venture of the government of Namibia and De Beers, had cleared and drained a stretch of seabed, building an earthen wall to keep the water out so geologists could work.


Noli said one of the geologists first saw a few ingots, but had no idea what they were. Then they found what looked like cannon barrels, but weren't sure.


The geologists stopped the brutal earth-moving work of searching for diamonds and sent photos to Noli, who had done research in the Namibian desert since his university days in Cape Town in the mid-1980s and since 1996 has advised De Beers on the archaeological impact of its operations in Namibia.


The find "was what I'd been waiting for for 20 years," Noli said. "Understandably, I was pretty excited. I still am."



art.sextant.ap.jpg




Bruno Werz, of the Southern Africa Institute of Maritime Archaeological Rresearch, poses with two astrolabes.





Noli's original specialty was the desert, but because of Namdeb's offshore explorations, he had been preparing for the possibility of a wreck, even learning to dive.


He had also studied maritime artifacts with an expert from his university days, Bruno Werz, whom he has brought in to help research the Namdeb wreck.


Judging from the notables depicted on the hoard of Spanish and Portuguese coins and the type of cannons and crude navigational equipment, the ship went down in the late 1400s or early 1500s, around the time Vasco de Gama and Columbus were plying the waters of the New World, "a period when Africa was just being opened up, when the whole world was being opened up," Noli said.


Noli compared the remnants found -- the ingots, ivory, coins, coffin-sized timber fragments -- to evidence at a crime scene.


"The surf would have pounded that wreck to smithereens," he said. "It's not like `Pirates of the Caribbean,' with a ship more or less intact."


He and Werz are trying to fit the pieces into a story. They divide their time between inventorying the find in Namibia and researching in museums and libraries in Cape Town in neighboring South Africa, from where Noli spoke by phone Thursday.


Eventually, they will go to Portugal, whose ships were particularly active in the area 500 years ago, or Spain to search for records of a vessel with similar cargo that went missing.


"You don't turn a skipper loose with a cargo of that value and have no record of it," Noli said.


The wealth aboard is intriguing. Noli said the large amount of copper could mean the ship had been sent by a government looking for material to build cannons. Trade in ivory was usually controlled by royal families, another indication the ship was on official business.


On the other hand, why was the captain still holding so many coins? Shouldn't they have been traded for the ivory and copper?


"Either he did a very, very good deal. Or he was a pirate," Noli said. "I'm convinced we'll find out what the ship was and who the captain was."


What sent her down may remain a mystery. But Noli has theories, noting the stretch of coast where it met its fate was notorious for fierce storms and disorienting fogs. In later years, sailors with sophisticated navigational tools avoided it. The only tools found aboard Noli's wrecks were astrolabes, which can be used to determine only how far north or south you have sailed.


"Sending a ship toward Africa in that period, that was venture capital in the extreme," Noli said. "These chaps were very much on the edge as far as navigation. It was still very difficult for them to know where they were."


Noli has found signs worms were at work on his ship's timber, and sheets of lead used to patch holes, indications the ship was old when it set out on its last voyage.


Imagine a leaky, overladen ship caught in a storm. The copper ingots, shaped like sections of a sphere, would have sat snug. But the tusks -- some 50 have been found -- could have shifted, tipping the ship.


"And down you go," Noli said, "weighed down by your treasure."


Spanish gold coins, Portuguese silver coins minted in the late 1400s or early 1500s were found, as well as dividers used for measuring distance on a map during navigation.


Fonte: (30 Abr 2008) CNN.com: http://edition.cnn.com/2008/WORLD/africa/05/01/Namibia.shipwreck.ap/index.html


Autoria e outros dados (tags, etc)

por noticiasdearqueologia às 22:49


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Setembro 2016

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
252627282930

Posts mais comentados





Arqueo logos