Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

NOTÍCIAS DE ARQUEOLOGIA

O Património é um bem comum... Preservá-lo só depende de cada um de nós...


Sexta-feira, 25.11.11

“Arqueologia no Castelo de Moura: nove anos de escavações” em análise esta tarde

O município de Moura vai promover uma sessão sobre “Arqueologia no Castelo de Moura: nove anos de escavações”. Santiago Macias, responsável pelas escavações, explicou à Rádio Pax que nesta iniciativa vai ser feito um balanço do que tem vindo a ser escavado e das descobertas que têm sido feitas e a contribuição que estas têm tido para um melhor conhecimento da história da cidade e do concelho. O arqueólogo referiu ainda que nesta sessão vão ser perspectivadas futuras de investigações. Para Santiago Macias “é altura de dizer o que ficou para trás, o que já foi identificado e pensar no trabalho a desenvolver futuramente”.
A palestra “Arqueologia no Castelo de Moura: nove anos de escavações” está aberta ao público e decorre na Biblioteca Municipal de Moura pelas 18h30.
Fonte: (1
5 Nov 2011). Rádio Pax:http://www.radiopax.com/noticias.php?go=noticias&id=13676&d=noticias

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

por noticiasdearqueologia às 13:44

Quinta-feira, 08.05.08

Descoberta arqueológica em Moura




Fonte: (8 Mai 2008). Rádio Planície:


No decorrer das escavações das obras da remodelação da rede de águas e esgotos foram ontem encontrados vestígios arqueológicos. Os vestígios agora descobertos são dois silos que, segundo Santiago Macias, arqueólogo e vereador da Câmara Municipal de Moura, pertencem provavelmente ao período entre o século XVI e XVIII “…no decorrer das obras de remodelação da rede de águas e esgotos foram descobertos dois silos (…). São estruturas que estão escavadas na rocha da zona (…) não têm data ainda atribuída (…), aparentemente devem ser coisas do séc. XVI, XVII ou XVIII…”. Santiago Macias garantiu ainda que estes achados não terão qualquer interferência com o trabalho de remodelação da rede de águas e esgotos “…esta intervenção arqueológica que está a ser feita não tem qualquer interferência com o trabalho da rede de águas…”.


Autoria e outros dados (tags, etc)

por noticiasdearqueologia às 13:46

Quinta-feira, 17.01.08

Moura: Achados arqueológicos na Alcáçova do Castelo


As obras de requalificação paisagística da Alcaçova do Castelo revelaram a presença de vestígios arqueológicos importantes.


Foi descoberta uma estrutura do século XVI  que serviu como instalações militares até ao século XVIII . Obras posteriores no século XIX destruiram parte, nomeadamente as casas quinhentistas do século XVI, sendo visíveis as estruturas islâmicas.


As escavações foram comparticipadas pelo Instituto Português de Arqueologia e pela Câmara Municipal. Estes achados poderão ser visitados em breve na Alcáçova do Castelo de Moura


Fonte: (13 Jan 2008). Rádio Planície: http://www.radioplanicie.com/gestao/noticias/index_noticias.php?noticia=753&titulo=Achados%20arqueol%F3gicos%20na%20Alc%E1cova%20do%20Castelo

Autoria e outros dados (tags, etc)

por noticiasdearqueologia às 23:06

Quarta-feira, 18.07.07

Escavações no Castelo de Moura desvendam vestígios antigos.

Fragmentos de cancelas de edifícios religiosos são alguns dos vestígios de peças de arquitectura da antiguidade tardia encontradas em escavações no castelo de Moura, que os arqueólogos acreditam ter sido ocupado em permanência durante milhares de anos.

«Surpreendentemente, temos achado muitos fragmentos que fizeram parte de edifícios que existiram no castelo entre os séculos V e VII d.C.», revelou hoje à agência Lusa o coordenador científico das escavações, Santiago Macias.


Segundo o arqueólogo, além dos fragmentos das cancelas, foram também descobertos vestígios de pilastras e capitéis, que, «apesar de serem de pequenas dimensões, possuem uma grande importância científica para a história da arquitectura».


Por outro lado, continuou, trata-se de vestígios que, juntamente com outros achados, permitem concluir que o castelo de Moura, sobretudo a zona da alcáçova, «terá tido uma importante ocupação humana durante milhares de anos e em vários períodos da sua história».


Esta é uma das conclusões preliminares das seis campanhas de escavações arqueológicas feitas nos últimos cinco anos no castelo e que vão ser apresentadas terça-feira, às 18:30, na Adega da Mantana, em Moura.


À primeira campanha, realizada como acompanhamento das obras de reabilitação do recinto do castelo promovidas pela autarquia local em 2002, seguiram-se, a partir de 2003, as restantes cinco, integradas num projecto autónomo de investigação científica centrado na alcáçova do castelo.


«Tem sido um trabalho extremamente lento», frisou Santiago Macias, explicando que, «ao contrário de outros locais, onde os níveis da Idade Média estão a 20 ou 30 centímetros do solo, no castelo de Moura os níveis chegam a estar a três e quatro metros de profundidade».


No entanto, salientou, «os trabalhos arqueológicos têm progredido a um bom ritmo e já permitiram escavar e pôr a descoberto várias centenas de metros quadrados na zona da alcáçova».


Neste local, o mais alto do castelo, explicou o arqueólogo, «existe uma série de sedimentos, ou seja, deposições de várias construções que terão sido feitas sucessivamente ao longo dos vários períodos da história do castelo».


Entre elas, destacou, foram achadas e estão a descoberto «estruturas militares dos séculos XVII e XVIII, como casernas e quartéis, que terão sido usados durante e após a Guerra da Restauração da independência portuguesa» (1640-1668).


Mais abaixo, continuou, «já são detectáveis os níveis das construções do século XVI, quando o alcaide (presidente da Câmara) da época residia dentro do castelo».


Além de apresentar as conclusões preliminares e mostrar os principais objectos achados nas escavações, o balanço, salientou Santiago Macias, vai também servir para «explicar às pessoas, de forma acessível, como se faz, que conclusões se podem extrair e qual a importância de uma escavação arqueológica para a valorização e preservação de um monumento».


«É precisamente isto que estamos a fazer no castelo», frisou Santiago Macias, adiantando que as escavações na alcáçova, apoiadas pelo Instituto Português de Arqueologia, vão continuar até 2013, para «tanto quanto possível, deixar à vista testemunhos das várias épocas em que o castelo foi ocupado».


«Em termos arqueológicos, mais do identificar a época ou o período de ocupação mais importante, importa compatibilizar o interesse científico dos achados com as obras de recuperação do castelo», salientou.


Graças ao projecto, salientou, «os vestígios dos vários níveis das diferentes épocas de ocupação do castelo não vão ser destruídos».


«Pelo contrário, vão ser identificados, preservados e ficar à vista para serem apreciados pelos visitantes», disse.


In: Diário Digital / Lusa: 16-07-2007 15:27:00


http://diariodigital.sapo.pt/news.asp?section_id=4&id_news=286334

Autoria e outros dados (tags, etc)

por noticiasdearqueologia às 01:47


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Setembro 2016

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
252627282930





Arqueo logos