Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

NOTÍCIAS DE ARQUEOLOGIA

O Património é um bem comum... Preservá-lo só depende de cada um de nós...


Quarta-feira, 29.01.14

Complexo de banhos islâmicos único em Portugal descoberto em Loulé

A professora Susana Martinez, ligada ao campo arqueológico de Mértola, não tem dúvidas sobre a importância dos mais recentes achados, trazidos à luz do dia quando a câmara procedia à remodelação de rede de águas e esgotos. “Pode ter a certeza de que estes banhos islâmicos são únicos em Portugal”, sublinha. Mas, para já, não vão ficar acessíveis ao público, porque se trata de estruturas que estão muito frágeis e necessitam de ser consolidadas.

Uma parte deste património — constituído por banhos quentes, tépidos e frios — já era conhecida desde há meia dúzia de anos. O que agora aconteceu foi o alargamento das descobertas desses vestígios para o exterior da habitação que continha esses banhos.

O imprevisto sucedeu, recentemente, quando uma máquina abria uma vala para colocar uma caixa de águas pluviais no largo D. Pedro I. As arqueólogas do município detectaram depois, numa das praças onde se realiza o Festival Med, tanques e vestíbulos (pátios), que se encontram no seguimento do complexo dos banhos islâmicos públicos que tem estado a escavar há alguns anos.

O presidente da Câmara, Vítor Aleixo, manifesta o desejo de prosseguir o projecto arqueológico, colocando enfâse no sector turístico. “Vamos musealizar a área e dessa forma pretendemos valorizar a oferta cultural da região”. Para já, destaca, foi dado “mais um passo” no sentido de conhecer a cidade, fundada no final do período da ocupação islâmica.

A cultura, diz o autarca, é "um domínio em que Loulé se pretende afirmar”. Por seu lado, Susana Martinez, professora das Universidades de Coimbra e do Algarve, salienta a importância da descoberta, lembrando que “há outros banhos islâmicos, conhecidos na Península [Ibérica], mas estes em Portugal são únicos”, sublinha. Razão pela qual manifestou empenho em apoiar, através do centro de investigação de que faz parte, o projecto que está ser levado a cabo pela secção de arqueologia do município algarvio. “Não se trata de fazer investigação, por investigação. A arqueologia tem de servir as populações, é esta visão que partilhamos com a equipa de Loulé”, sublinha.

A chefe de divisão de Cultura do município, a arqueóloga Dália Paulo, diz por seu lado que há  vontade de dar continuidade às prospecções, mas admite algumas dificuldades. “Não queremos que a arqueologia impeça a vivência da praça [largo D. Pedro I]”, lembrando, ao mesmo tempo,  que daqui por alguns meses  se realiza mais uma edição do Festival Med.

Por isso mesmo, explica, após registo e estudo, estes vestígios do passado islâmico  voltarão  a ficar longe da vista. “Não nos choca que seja reenterrado [o complexo balnear], porque está muito frágil e precisa de ser consolidado”.  Entretanto, a  caixa de águas pluviais que foi metida dentro da estrutura vai ser desviada para outro local, por forma a não comprometer os vestígios arqueológicos.

Futuramente, a Câmara de Loulé pretende integrar os banhos islâmicos na lista de estruturas do mesmo género existentes na Península Ibérica, nomeadamente em Granada. Nesse sentido, diz a chefe de divisão de Cultura, está em estudo um plano para “envolver e repensar toda a zona histórica”. O próximo Quadro Comunitário de Apoio é visto como um instrumento que pode apoiar a concretização de um programa integrado de reabilitação e valorização do centro histórico que, como sucede em outras  cidades, perdeu habitantes e caminha para a degradação.

Fonte: Idálio Revez. 23.01.2014. Público: http://www.publico.pt/local/noticia/complexo-de-banhos-islamicos-unico-em-portugal-descoberto-em-loule-1620751

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por noticiasdearqueologia às 13:09

Terça-feira, 13.09.11

Arqueólogas desvendam segredos do Convento Espírito Santo em Loulé



O trabalho arqueológico realizado no Claustro do Convento Espírito Santo, em Loulé, vai estar em foco no próximo sábado durante a conferência que vai decorrer no Arquivo Municipal da cidade. A conferência tem início às 15h00 e vai ser proferida por Gabriela Baron, Vanda Benisse, Isabel Luzia e Alexandra Pires.
A oradora Gabriela Baron é licenciada em Arqueologia e mestranda em Arqueologia e Território, Vanda Benisse tem licenciatura em Antropologia e é mestre em Evolução Humana, enquanto as oradoras Isabel Luzia e Alexandra Pires são licenciadas em História com especialização em Arqueologia e são técnicas da autarquia louletana.
Os responsáveis por esta conferência enquadram o tema recordando que em 1684 as Freiras Franciscanas de Nossa Senhora da Conceição foram alojadas numa casa junto da Igreja de Nossa Senhora dos Pobres. Por volta de 1693 ocupavam já um conjunto de casas anexas à Igreja do Espírito Santo, obtendo reconhecimento Papal em 1711. Nos finais do século XVIII conseguiram realizar melhoramentos no edifício, construindo-se então o claustro. Depois da extinção das ordens religiosas instalaram-se no antigo convento diversas repartições públicas. Em 2010, a remodelação da rede de esgotos que atravessa o claustro pôs a descoberto uma série de vestígios das anteriores ocupações do sítio. Destacam-se os enterramentos de duas freiras, cujos resultados do estudo da antropologia biológica serão apresentados durante a conferência.


Fonte: (9 Set 2011). Jornal do Algarve: http://www.jornaldoalgarve.pt/2011/09/arqueologas-desvendam-segredos-do-convento-espirito-santo-em-loule/



Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

por noticiasdearqueologia às 12:36

Sexta-feira, 11.04.08

Loulé: Mercado municipal revela achados arqueológicos

Uma mostra com cerca de duas dezenas de peças encontradas aquando dois momentos importantes da história do Mercado Municipal de Loulé - em 1905, na altura dos trabalhos da sua construção, e em 2005, durante as obras de requalificação - vai estar patente ao público até dia 14 de Setembro, no âmbito da exposição "Antes do mercado".
São peças que pertenciam aos habitantes das casas que existiam neste espaço antes do edifício ter sido erguido e que retratam o quotidiano de então. Candeias, lamparinas, jarros, púcaros, pratos e muitos outros objectos datados de um período que vai desde a época islâmica (século XII/XIII) até à época moderna (século XVII/XVIII) e que nos dão a conhecer o modo de vida das gentes que habitaram a região algarvia.


Fonte: 8 Abr 2008. Jornal de Notícias.


Notícia continua em: http://jn.sapo.pt/2008/04/08/pais/mercado_municipal_revela_achados_arq.html

Autoria e outros dados (tags, etc)

por noticiasdearqueologia às 12:50

Quinta-feira, 17.01.08

Loulé: Descobertos banhos islâmicos

A população e a autarquia de Loulé juntaram forças e descobriram os primeiros banhos públicos islâmicos (século XIII) que podem ser vistos a olho nu em Portugal. A descoberta deve-se a escavações arqueológicas recentes, fruto do trabalho voluntário coordenado por profissionais de arqueologia. Com o objectivo de juntar profissionais da arqueologia e população em geral à roda de artefactos e construções islâmicas, a escavação arrancou no Verão passado com o Festival do Mediterrâneo (MED) e a sorte bateu nas muralhas da cidade de Loulé onde, pela primeira vez em Portugal, se pode ver de perto os banhos públicos islâmicos. Além das paredes islâmicas, com 1, 80 metros de altura, que se encontraram dentro da muralha que contorna a cidade, foram também encontradas "instalações dos banhos públicos islâmicos que são os únicos em Portugal que se podem ver", contou à agência Lusa a arqueóloga municipal Isabel Luzia.
A egiptóloga Rose Oliveira, 48 anos, britânica a morar há mais de 20 anos no Algarve, e Olívia, 10 anos, também inglesa e voluntária nos trabalhos, estiveram ontem de manhã com picaretes, pás, colherins e baldes à volta dos banhos islâmicos. A pequena Olívia, que assegura sonhar ser arqueóloga, foi aluna de Rose Oliveira e pertence ao Clube de Egiptologia em Loulé. Foi através do clube que soube como participar nas escavações. O objectivo da iniciativa dos serviços de Arqueologia e Restauro da Divisão de Cultura da Câmara de Loulé, é fazer do espaço da descoberta daqueles preciosos vestígios islâmicos "um espaço museológico", assegurou o responsável pela Divisão da Cultura, Luís Guerreiro.


Fonte: (13 Jan 2008). Jornal de Notícias: http://jn.sapo.pt/2008/01/13/pais/descobertos_banhos_islamicos.html

Autoria e outros dados (tags, etc)

por noticiasdearqueologia às 15:29


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Setembro 2016

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
252627282930





Arqueo logos