Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

NOTÍCIAS DE ARQUEOLOGIA

O Património é um bem comum... Preservá-lo só depende de cada um de nós...


Sábado, 15.08.09

Brasil: Geoglifos no Acre estão ameaçados se não forem preservados



Os geoglifos no Acre, grandes estruturas geométricas no solo erguidas antes da chegada dos colonizadores europeus, estão ameaçados, afirmou o arqueólogo Ondemar Dias, presidente do Instituto de Arqueologia Brasileira. 


Os geoglifos do Estado Acre têm grande potencial turístico e, caso a UNESCO aprove a candidatura em curso a património da humanidade, poderão atrair visitantes e investimentos para a região, disse à Lusa Ondemar Dias.

Foi Dias quem descobriu os primeiros vestígios destes desenhos na terra, no final da década de 1970 quando esteve na Amazónia, na primeira investigação científica realizada no Acre.

"A vantagem de ser reconhecido como património é que poderá atrair visitantes e recursos. Faltam recursos para todas as pesquisas arqueológicas académicas no Brasil", disse à Lusa ao alertar que os sítios arqueológicos brasileiros estão todos ameaçados.

Segundo o especialista em cerâmica, não há um mistério que envolve os geoglifos, "há um desconhecimento", pois considera que os estudos ainda são muito incipientes.

Para Denise Schaan, presidente da Sociedade de Arqueologia Brasileira, estes desenhos feitos na terra podem ser "o grande atractivo da região se souberem ser explorados".

"Precisamos agora dar continuidade às pesquisas e trabalhar para a preservação", destacou para quem os geoglifos do Acre se comparam em grau e em importância aos famosos do Peru.

"Apesar das estruturas do Acre serem diferentes das de Nazca, tanto na constituição, quanto provavelmente na função, ambos são comparáveis por oferecerem um belíssimo espectáculo para quem os sobrevoa".

Schaan ainda ressalta que as agências de viagem poderiam fazer um roteiro no Acre, com visitas a partir de torres de observação, museu e sobrevoo.

Estas estruturas foram feitas provavelmente por índios falantes de língua Aruaque, explica Schaan, que colonizaram territórios das Antilhas até ao norte do Matogrosso passando pela Amazónia.

Além do Acre, há geoglifos no estado do Amazonas, oeste de Rondónia e no norte da Bolívia. Até agora já foram identificados 255 geoglifos acreanos, mas há outros 30 que precisam ser estudados.

As estruturas tinham funções distintas: alguns eram aldeias fortificadas, outros eram locais de festas e rituais.

"A simbologia por trás das figuras geométricas pode estar relacionada a algum culto e fertilidade da terra", explicou.

A grande importância dessa descoberta, disse ainda, é o facto de que "essas populações eram todas relacionadas, tinham as mesmas técnicas de engenharia, e talvez construíssem os geoglifos como modo de defesa e marcação do território". 



Autoria e outros dados (tags, etc)

por noticiasdearqueologia às 23:46

Domingo, 26.07.09

Grupo de Pesquisa Geoglifos da Amazônia Ocidental anuncia novas descobertas

Cerca de 250 geoglifos já foram identificados no Acre, principalmente na parte leste do Estado 


gur_1501.jpg
Geoglifos no Acre ultrapassam o número de 250. A maioria está localizada na parte leste do Estado (Foto: Diego Gurgel/Divulgação)


Segundo informações divulgadas pelos arqueólogos, cerca de 250 geoglifos já foram identificados, principalmente na parte leste do estado do Acre. O grupo acredita que a continuidade das pesquisas levará a novas descobertas. 


Geoglifos são vestígios arqueológicos representados por desenhos geométricos (linhas, quadrados, círculos, octógonos, hexágonos etc...), zoomorfos (animais) ou antropomorfos (formas humanas), de grandes dimensões e elaborados sobre o solo, que podem ser totalmente e melhor observados se vistos do alto, em especial, através de sobrevoo.


 


Com informações da Assessoria do grupo de pesquisa Geoglifos da Amazônia Ocidental.


O grupo de pesquisa Geoglifos da Amazônia Ocidental anuncia nesta sexta-feira, 24, às 9 horas, no auditório da Biblioteca da Floresta, as novas descobertas das pesquisas iniciadas em 2007. O grupo é coordenado pela pesquisadora Denise Schaan, atual presidente da Sociedade de Arqueologia Brasileira. Os estudos têm financiamento do CNPq e apoio do Governo do Estado, fazem levantamento regional dos sítios arqueológicos do tipo geoglifo e têm objetivo de levantar dados científicos sobre estas estruturas.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por noticiasdearqueologia às 23:07


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Setembro 2016

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
252627282930





Arqueo logos