Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

NOTÍCIAS DE ARQUEOLOGIA

O Património é um bem comum... Preservá-lo só depende de cada um de nós...


Quarta-feira, 20.06.12

Sepultura de cão mais antiga do Sul da Europa foi encontrada em Portugal e tinha 7600 anos

Esqueleto encontrado nas margens do Sado




O cão foi sepultado nos amontoados de conchas deixados pelos caçadores-recolectores   O cão foi sepultado nos amontoados de conchas deixados pelos caçadores-recolectores (José Paulo Ruas).

 

Agora não só as datações feitas com amostras das costelas, na Universidade de Oxford, no Reino Unido, determinaram a idade do esqueleto do cão, como as análises realizadas permitiram concluir que a dieta do animal incluía 25% de proteínas de origem marinha — o que provavelmente reflecte a alimentação dos seus donos, refere um comunicado da Universidade de Lisboa.
Dirigida por Mariana Diniz, do Centro de Arqueologia da Universidade de Lisboa, e Pablo Arias, da Universidade de Cantábria, a escavação resulta do projecto Sado-Meso, que se centra nos concheiros naquele estuário. Estes amontoados de conchas, deixados pelos últimos caçadores-recolectores, no Mesolítico, são restos da alimentação que retiravam do Sado.
Ora foi precisamente num desses concheiros, o de Poças de São Bento, que a equipa descobriu a sepultura do cão. Existe um cão mais antigo do que este: encontrado nos concheiros de Muge, no concelho de Salvaterra de Magos, e exposto no Museu Geológico em Lisboa, a datação por radiocarbono conclui que tinha 8000 anos. A diferença é que o cão do Sado foi descoberto claramente numa sepultura, que foi documentada numa escavação, enquanto para o cão de Muge, encontrado no século XIX, já não pode dizer-se o mesmo, pois não existe esse registo.
“A datação confirma que os caçadores-recolectores mesolíticos da Península Ibérica praticavam a inumação de cães em necrópoles, uma prática conhecida no Norte da Europa, mas que até agora não estava documentada, durante trabalhos de escavação, no Sul do continente”, refere o comunicado sobre o cão do Sado. “O caso de Poças de São Bento é também interessante porque está cronologicamente próximo da chegada da agricultura a esta zona da Península Ibérica.”
Levado num bloco parcialmente por escavar para o Museu Nacional de Arqueologia, em Lisboa, o cão do Sado está agora dentro de uma caixa. Até ao final do ano, deverá ser organizada uma conferência científica e uma exposição sobre este companheiro dos humanos.



Autoria e outros dados (tags, etc)

por noticiasdearqueologia às 22:05

Quarta-feira, 13.07.11

Descoberta primeira sepultura antiga de cão


O arqueólogo mostra a descoberta





Sepultura com oito mil anos foi encontrada numa escavação perto de Alcácer do Sal.





Grupo coordenado por Mariana Diniz, do Centro de Arqueologia da Universidade de Lisboa (UL), e Pablo Arias, da Universidade da Cantabria, está a escavar nesta zona do Alentejo um concheiro (com acumulações de conchas) que há cerca de oito mil anos foi acampamento, e também necrópole, de grupos de caçadores-recolectores. Esta descoberta reforça as marcas de proto-sedentarização destas comunidades, que foram das últimas resistentes à adopção da agricultura na Península.


Fonte. (2 Jul 2011). Diário de Notícias: http://www.dn.pt/inicio/ciencia/interior.aspx?content_id=1895259






Autoria e outros dados (tags, etc)

por noticiasdearqueologia às 13:23


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Setembro 2016

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
252627282930





Arqueo logos