Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

NOTÍCIAS DE ARQUEOLOGIA

O Património é um bem comum... Preservá-lo só depende de cada um de nós...


Quinta-feira, 03.04.08

No Árctico: Encontrada peça de marfim de três mil anos com desenhos de caça à baleia






Para uma datação mais correcta do artefacto era necessário retirar uma amostra do próprio marfim

Uma equipa de arqueólogos descobriu no Árctico russo um artefacto de marfim com três mil anos onde estão esculpidas cenas de caça à baleia, avança hoje a revista "Nature".
As escavações decorreram no Verão passado, num local chamado Un’en’en situado na zona russa do Árctico. Os desenhos mostram um conjunto de homens com arpões, possivelmente antigos esquimós, a caçar os mamíferos marinhos. No local também foram descobertas lâminas partidas feitas de pedra e restos de baleias.
Esta parece ser a mais antiga evidência desta prática. Segundo Daniel Odess, investigador do Museu do Norte da Universidade do Alasca, a descoberta “puxa a caça à baleia mil anos para trás”. Odess liderou a expedição juntamente com Sergey Gusey, do Instituto de Investigação da Cultura e Herança Natural de Moscovo.
Durante as escavações, a equipa encontrou uma grande estrutura parecida com uma casa e desenterrou crânios de morsas e ossos e barbas de baleia de, pelo menos, duas espécies diferentes. Num dos últimos dias encontraram o artefacto de marfim que media 50 centímetros de comprimento. Os desenhos esculpidos mostram caçadores em umiags, os barcos tradicionais dos Esquimós, arpões e baleias.
A caça à baleia só existe numa comunidade complexa que trabalha em conjunto. É necessário construir barcos, caçar e partilhar a carne. Até agora as provas mais antigas desta actividade tinham dois mil anos, apesar de existirem desenhos de caçadas esculpidos em rochas no sudeste da Coreia que não estão datados. No caso da peça do marfim, fizeram-se várias datações às camadas de terra que continham o artefacto através de uma técnica de marcação por carbono.
Gusey descobriu Un’en’en em 2005, o local fica na Península de Chukchi, no extremo leste da Rússia que dá para o Estreito de Bering. Nos últimos anos tem havido uma colaboração entre arqueólogos russos e norte-americanos na zona do estreito para se obter uma imagem global de como as sociedades apareceram ali. “É como um livro aberto”, comentou Odess, “metade das páginas estão na Rússia e a outra metade no Alasca”.


Fonte: (01 Abr 2008): Público: http://ultimahora.publico.clix.pt/noticia.aspx?id=1324386



Autoria e outros dados (tags, etc)

por noticiasdearqueologia às 14:02

Quarta-feira, 05.12.07

Fóssil de réptil marinho gigante descoberto no arquipélago norueguês de Svalbard (Árctico)

Um grupo de investigadores noruegueses descobriu, no Árctico, o fóssil de um réptil bastante raro, conhecido como o “tiranossauro dos mares”, anunciou hoje a responsável pela equipa, Joern Hurum.
“Pensamos que o réptil pertence a uma espécie ainda desconhecida já que apresenta diferenças muito significativas em relação às descobertas feitas em França ou na Grã-Bretanha”, explicou Hurum, membro do departamento de Paleontologia da Universidade de Oslo.


A descoberta das ossadas e do crânio foi feita durante as escavações do Verão passado no arquipélago norueguês de Svalbard, a cerca de mil quilómetros do Pólo Norte.
Os paleontólogos esperam ainda encontrar mais partes do esqueleto do animal, que media provavelmente cerca de dez metros e pesava entre dez e 15 toneladas. No entanto, por agora, não encontraram nada mais que a caixa torácica, um ombro e uma pata.
O fóssil tem cerca de 150 milhões de anos, altura em que Svalbard ainda era uma zona submersa, pelo que o réptil marinho se deveria ter quatro barbatanas e uma cabeça semelhante aos crocodilos.
A maxila deste predador, que viveu ao mesmo tempo que o tiranossauro rex, é de tal forma grande que, segundo os especialistas, dava para engolir um homem de uma só vez.
“No próximo Verão esperamos iniciar uma nova campanha, já que é a única época onde é possível fazer escavações nestas latitudes, e encontrar outro esqueleto”, adiantou a coordenadora do projecto.
Por agora, dois estudantes vão recolher os diversos pedaços de fóssil que foram encontrados e tentar fazer este puzzle que conta com milhares de peças e que deverá estar terminado no início do próximo ano.
In. (4 Nov 2007): Público:
http://ultimahora.publico.clix.pt/noticia.aspx?id=1312730

Autoria e outros dados (tags, etc)

por noticiasdearqueologia às 19:45


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Setembro 2016

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
252627282930





Arqueo logos