Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

NOTÍCIAS DE ARQUEOLOGIA

O Património é um bem comum... Preservá-lo só depende de cada um de nós...


Quinta-feira, 14.02.08

Halladas en Maragatería (León) piedras decoradas con petroglifos


Esta roca tiene forma de uve y en ella se aprecia con toda claridad una espiral o laberinto. Foto por gentileza de Juan Carlos Campos. Más información en su blog: La tierra de los Amacos


Petroglifos son grabados sobre roca al aire libre realizados a base de piqueteado o abrasión; los motivos tallados sobre la piedra pueden ser muy variados, desde cazoletas (que son hendiduras pequeñas y poco profundas de forma generalmente circular), hasta antropomorfos y zoomorfos, espirales o laberintos, y pueden ser naturalistas, esquemáticos o abstractos. No representan narración propiamente dicha, aunque la sucesión de figuras y símbolos podría tener ese carácter. Hay datados alrededor de 450 lugares con petroglifos en la península, la mayoría en Galicia y el norte de Portugal, aunque también son comunes en el Valle del Tajo.


Pero de ningún modo se tenía noticia de la aparición de petroglifos en la provincia de León. Por eso no dejan de sorprender las imágenes de unas rocas, halladas en Maragatería, que muestran una superficie tallada en la que se ven cazoletas y grabados, símbolos, laberintos y espirales, aunque es posible que un examen más detallado aporte otras representaciones. Una de las rocas está llena de cazoletas (y otros motivos), mientras que otra no tiene ni una...



Foto por gentileza de Juan Carlos Campos. Más información en su blog: La tierra de los Amacos.


Se trata de dos grandes piedras que un vecino de Astorga ha encontrado y cuya ubicación exacta se niega a facilitar con el fin de preservar el hallazgo hasta que sea examinado por expertos; de hecho, el improvisado arqueólogo ya ha dado aviso a las autoridades de la Junta de Castilla y León para que las estudien. Al parecer, en unos días estarán en dicha zona y se podrá conocer el alcance del hallazgo.



Foto por gentileza de Juan Carlos Campos. Más información en su blog: La tierra de los Amacos.


Cuenta Juan Carlos, el vecino de Astorga, que se trata de dos grandes piedras situadas en el campo, lejos de caminos o senderos, probablemente sedimentarias y cubiertas de líquenes. Las rocas podrían haber estado hincadas en el suelo, tal vez formando parte de un dolmen, y también podían ser de épocas distintas... Juan Carlos señala que primero se acercó al observar un afloramiento rocoso e incluso que algunas piedras parecían colocadas o amontonadas, hasta que dio con una enorme roca tumbada y en forma de mesa, al lado de la cual había otra en forma de uve, ambas talladas.


Según parece, no hay documentados petroglifos en la provincia de León, por lo que sería éste un hallazgo extraordinario. Y según se desprende observando los grabados, parecen estar relacionados con los petroglifos gallegos, en los que los motivos más abundantes son precisamente los laberintos, espirales, cazoletas y coviñas.



Foto por gentileza de Juan Carlos Campos. Más información en su blog: La tierra de los Amacos.


En cuanto a la datación, los petroglifos se sitúan entre el Eneolítico y la Edad del Hierro, por tanto, entre el tercer milenio y mediados del primer milenio antes de Cristo (aunque también existen petroglifos más tardíos, tardorromanos o altomedievales, con motivos diferentes). Su significado sería, probablemente, de tipo simbólico, religioso y ritual.


Sólo falta que todo se confirme para que se desvele otra página de la Historia de León.


Fonte: (13 Fev 2008). El Mundo.com / Terrae Antiquae: http://terraeantiqvae.blogia.com/2008/021301-halladas-en-maragateria-leon-piedras-decoradas-con-petroglifos.php


Autoria e outros dados (tags, etc)

por noticiasdearqueologia às 22:03

Quinta-feira, 06.12.07

Famalicão: Câmara quer reforçarescavações no Castro das Eiras

O município de Famalicão pretende adquirir mais terrenos no Castro das Eiras, para reforçar a


foto


exploração naquele achado arqueológico, onde foi encontrada a Pedra Formosa, cuja réplica
está a cativar as atenções na exposição do Mosteiro dos Jerónimos.
A Câmara de Famalicão pretende acentuar as escavações no Castro das Eiras, em Pousada de Saramagos. Segundo Leonel Rocha a autarquia vai avançar para outras frentes com o objectivo de adquirir mais terrenos para a exploração arqueológica. Aquele responsável salienta que o potencial daquele núcleo arrqueológico é elevado e, nesse sentido, adiantou que no orçamento do próximo ano, a autarquia pretende reforças as verbas disponíveis para a arqueologia.
Essa aposta sugre no seguimento do elevado sucesso que a mostra sobre a arqueologia famalicense no Museu Nacional de Arqueologia, no Mosteiro dos Jerónimos, em Lisboa, está a ter. Leonel Rocha revela que até Outubro último mais de 100 mil pessoas ficaram a conhecer o património arqueológico de Famalicão, onde a Pedra Formosa ocupa lugar de destaque.
O vereador afirma que o êxito levou, inclusive, um museu espanhol a manifestar o interesse em receber a exposição, depois de encerrada a do Museu Nacional de Arqueologia. Esse interesse “reflecte a dimensão e a originalidade que esta exposição está a ter e também aquilo que possibilita em termos de estudo para os especialistas dos Castros”, declara.
Leonel Rocha falava à margem da apresentação do portal de arqueologia que foi lançado pela autarquia famalicense. Trata-se de uma ferramenta inovadora, onde podem ser apreciados os vestígios arqueológicos do povoado da Idade do Ferro que foi descoberto não apenas no Castro das Eiras, mas também na Villa Romana, achada na Estação Arqueológica de Perrelos, em Delães.
A partir do endereço arqueologia.vilanovadefamalicao.org qualquer pessoa pode ficar a conhecer melhor as civilizações que passaram pelo concelho de Famalicão há vários milhares de anos, e que por lá deixaram os seus vestígios, e se transformaram em achados arqueológicos.
Segundo Leonel Rocha, o novo portal resultou da aprovação de uma candidatura apresentada pela Câmara ao Programa Operacional da Cultura, contando com um investimento total de cerca de 175 mil euros, cuja comparticipação rondou os 95 mil.
“É, sem dúvida, um avanço significativo e uma grande oportunidade que as escolas têm para explorar a temática ligada ao desenvolvimento da disciplina de História”, frisou o responsável político na apresentação desta nova ferramenta.
De fácil acesso e utilização, o portal pretende ser um instrumento de grande utilidade não só para alunos e professores, mas também para a comunidade. Os conteúdos serão actualizados constantemente, com a introdução de novas informações e imagens sobre o trabalho efectuado no âmbito da arqueologia no concelho. Além do Castro das Eiras, em Pousada, e da Estação Arqueológica de Perrelos, em Delães, o portal dá ainda a conhecer o Castro das Ermidas, em Jesufrei , e o Castro de S. Miguel-o-Anjo, em Calendário, locais classificados como imóveis de interesse público pelo IPPAR.
Leonel Rocha enaltece as potencialidades desta ferramenta, adiantando que o portal está preparado para incluir a informação sobre todo o tipo de património que Famalicão possui.

In: Paulo Cortinhas (6 Dez 2007). Jornal Entre Vilas: http://www.entrevilas.com/noticia.asp?idEdicao=138&id=3683&idSeccao=1019&Action=noticia



Autoria e outros dados (tags, etc)

por noticiasdearqueologia às 22:38

Sábado, 01.12.07

Hallan restos romanos durante los trabajos de excavación del Centro Acuático de Londres 2012

Una pieza de cerámica romana y una moneda de la Edad de Hierro fueron encontradas en la sede del Centro Acuático en el que se disputarán las pruebas náuticas pertenecientes a los Juegos Olímpicos de Londres en 2012.
Las excavaciones en el Parque Olímpico han descubierto evidencias de un asentamiento de la Edad de Hierro, incluyendo cerámica del siglo cuarto y una moneda romana de la época del emperador Constantino II.
El Museo de Londres ha estado trabajando con la organización de Londres 2012 que está preparando la zona donde se comenzará a construir el Parque Olímpico en la zona este de la ciudad el próximo año.
"Tenemos una extraordinaria oportunidad para hablar de la fascinante historia de la zona baja de Lea Valley antes de que se le dé una nueva vida para los Juegos y las próximas generaciones", afirmó David Higgins, director ejecutivo de la Autoridad de Desarrollo Olímpico.
Durante la Edad de Hierro, el área estuvo rodeada por lagos, ríos y pantanos y los arqueólogos han encontrado partes de utensilios para cocinar empleados por los antiguos habitantes.
Tanto la cerámica como la moneda romana, datadas entre el 330 y 335 d.C, fueron encontradas enterradas en un bosque junto al río. Una cara de la monea muestra dos soldados y dos valores y la otra tiene inscripciones que representa a Constantino II.


In: (28 Nov 2007). atb notícias: http://www.atbnoticias.es/noticia.php?id_seccion=12&id=90780

Autoria e outros dados (tags, etc)

por noticiasdearqueologia às 00:18

Sexta-feira, 12.10.07

Tomar: ESCAVAÇÕES ARQUEOLÓGICAS REVELAM VESTÍGIOS DA IDADE DO FERRO -



tn_escavações DSCF3818.JPG



As escavações arqueológicas realizadas na rua Carlos Campeão em Tomar (ao lado do quartel dos bombeiros), da responsabilidade da empresa do arqueólogo Carlos Batata, Ozecarus, puseram a descoberto esqueletos da idade média e objectos da Idade do Ferro. A proximidade com o Fórum Romano atribui a estes achados um "valor enorme" como revela o arqueólogo Carloa Batata na entrevista que nos concedeu.


In: (11 Out 2007). O Templário: http://www.otemplario.pt/por/conteudosdetalhe.asp?idConteudo=7549

Autoria e outros dados (tags, etc)

por noticiasdearqueologia às 19:09

Terça-feira, 09.10.07

El primer Cádiz

Poblado fenicio de Dña Blanca


Foto: Poblado fenicio de Dña. Blanca, Cádiz


Los arqueólogos creen haber encontrado vestigios de la ciudad más antigua de la Península. Arqueólogos de tres yacimientos gaditanos rastrean entre las piedras la que creen que es la ciudad más antigua de Península, la Gadir fenicia. Pero, dónde, exactamente? La respuesta definitiva todavía sigue oculta bajo el subsuelo. Una gran mayoría de investigadores sostiene que ese asentamiento está bajo el casco antiguo de la capital gaditana.


Los sondeos mostraron en 2002 muros de lo que podría ser una ciudad del siglo VIII antes de Cristo.


Algún experto lo ha situado en El Puerto de Santa María y recientes hallazgos apuntan hacia Chiclana. Los trabajos arqueológicos afrontan estos días una etapa decisiva. Cada golpe de pico en la piedra es un reto desafiante a la Historia.


Hace 12 años que José María Gener y otros colegas arqueólogos presentaron un proyecto para excavar en el solar que dejaba el Teatro Cómico de Cádiz. "Era un lugar estratégico porque se encuentra en la zona más alta de la ciudad, sobre un promontorio y cerca de la costa". Hasta entonces habían aparecido piezas de diversa importancia, las más valiosas de corte funerario, pero ninguna podía demostrar la existencia de un asentamiento urbano consolidado. En 2002 se dio el primer paso, un paso de siete metros de profundidad en ese solar. Los sondeos descubrieron muros, tapias de lo que podría ser una ciudad levantada en el siglo VIII antes de Cristo. "Fue una puerta a la esperanza que se abría", recuerda Gener.


Sólo fue el principio de una investigación que estos días continúa, con hallazgos de gran relevancia. Acaba de salir a la luz otro muro datado en el mismo siglo. "Necesitamos hacer una excavación más extensa para saber hacia dónde van a esos muros. No sabemos si son viviendas de un asentamiento o almacenes de una industria", explica el actual director de los trabajos, Juan Miguel Pajuelo. La aparición de objetos cotidianos, como vasijas, platos y cuencos, les animan a pensar que son casas pero, de momento, no pueden certificarlo.


En El Puerto de Santa María sí que ha aparecido claramente una ciudad. Desde los años setenta, las investigaciones encabezadas por Diego Ruiz Mata permitieron saber mucho más sobre la civilización fenicia, entonces apenas conocida. En el poblado de Doña Blanca aparecieron restos de casas, murallas de fortificaciones, un puerto y ánforas, que demostraban las relaciones comerciales establecidas. Piezas también del siglo VIII antes de Cristo. Durante mucho tiempo, Ruiz Mata defendió este yacimiento como prueba fundamental para situar Gadir. Ahora aboga por restar importancia al topónimo. "Los griegos hablaron de las islas de Gadir. Es mejor hablar de un concepto plural, donde Cádiz podía tener su importancia y el Puerto también".


A este debate se ha unido Chiclana, un municipio que festejó en 2003 los 700 años de su fundación. El hallazgo de un yacimiento fenicio en el Cerro del Castillo con estructuras murales ha puesto en evidencia aquella celebración porque el origen de la ciudad podría remontarse a casi 3.000 años. El modelo fenicio también se cumple. Cerca de la costa, sobre un promontorio y, además, a la vera del río Iro. Uno de los arqueólogos responsables, Juan Cerpa, se aferra a los libros históricos para mantener la teoría de que Chiclana puede acoger el asentamiento más antiguo. La civilización recaló en Sancti Petri, un islote próximo a Chiclana, donde se cree que los fenicios pudieron levantar el templo de Melkart. "Si algo de verdad tienen los textos, nos encontramos con el primer poblamiento fenicio en cuanto a la fundación de Gadir. Es absurdo que, si tienes un santuario y has fundado un templo, te lleves la ciudad a 40 o 50 kilómetros", que es la distancia a la que se encuentran Cádiz y El Puerto de Santa María.


Los arqueólogos José María Gener y Juan Miguel Pajuelo no creen en esta teoría. "En Chiclana todavía hay mucho trabajo que hacer. Todavía tienen que diferenciar si es una ciudad fenicia o un poblado indígena previo", sostiene Gener. El actual responsable del yacimiento de Doña Blanca, Francisco Alarcón, cree que los hallazgos de Chiclana son sólo "complementarios" a la labor desarrollada en Cádiz y El Puerto. Su antecesor en este cargo, Diego Ruiz Mata, califica de "temeridad" identificar los restos chiclaneros con Gadir. "Es una contienda innecesaria. Es mejor hablar de estado fenicio que tuvo en la bahía de Cádiz una importancia mayúscula. Es historia universal, porque estamos hablando del que puede ser el asentamiento más antiguo de Occidente", dice.


Un broche con muchas pistas


En el solar del antiguo Teatro Cómico de Cádiz un pequeño objeto se ha convertido en gran protagonista. Entre vasijas, cuencos y platos ha llamado la atención una fíbula. Es un broche de bronce que solía usarse de ornamento para los vestidos en época fenicia. Su estupenda conservación ha movido a los arqueólogos responsables de estos trabajos a solicitar información a una de las mayores expertas en orfebrería antigua del país, Alicia Perea, que trabaja como investigadora en el Consejo Superior de Investigaciones Científicas (CSIC).


De momento, Perea ha visto la fíbula sólo por una fotografía. Esta imagen le ha permitido realizar una primera aproximación a la pieza. "Por la tipología podemos situarla en el siglo VII antes de Cristo, en un contexto de ambiente fenicio", detalla. El broche puede dar muchas más pistas. "Tiene un significado social. Es un elemento del vestido que no usa todo el mundo porque es un objeto de lujo y caro. No todos tienen acceso a él y menos a este tipo concreto por su decoración y por su calidad", sostiene la experta. Esa alta calidad se demuestra, según mantiene, en el perfecto estado de conservación en el que ha aparecido.


Los arqueólogos del Cómico creen que la investigación de este objeto puede ofrecer datos interesantes, aunque no determinantes, para demostrar que en ese solar se levantó una ciudad fenicia. "Siempre se le pudo caer a alguien", sostiene José María Gener. Para Alicia Perea, por encima de todo, el broche de bronce es un paso firme para el yacimiento. "Encontrar una pieza que te feche este periodo concreto es complicado". Los responsables deberán ahora decidir si la fíbula se queda en Cádiz, donde se le podría hacer un análisis químico elemental, o se envía a Madrid o Sevilla, ciudades que cuentan con aceleradores de partículas para examinar los elementos traza que permitirán concretar su origen más a fondo.


In: Pedro Espinosa (8 Out 2007).


El País.com: http://www.elpais.com/articulo/cultura/primer/Cadiz/elpepucul/20071007elpepicul_1/Tes


Terrae Antiqvae: http://terraeantiqvae.blogia.com/2007/100802-el-primer-cadiz.php

Autoria e outros dados (tags, etc)

por noticiasdearqueologia às 01:14

Quarta-feira, 03.10.07

LENDAS DA TURFA...

Tales from the Bog - National Geographic Magazine


O homem, ou melhor, os seus restos mortais, emergiram do solo áspero da Irlanda num dia de Inverno, em 2003. O cabelo mantinha-se arranjado tal como nos seus últimos momentos de vida: a parte de trás cortada curta e a parte de cima, com 20cm de comprimento, erguida numa poupa e fixada com resina de pinheiro. E isto era apenas o início do mistério. Texto de Karen E. Lange; Fotografias de Robert Clark


Descoberto na peneira de uma central de processamento de turfa, o corpo estava desnudado e a cabeça fora brutalmente torcida para a esquerda, faltando-lhe as pernas e a secção inferior dos braços – decepadas pela máquina que o arrancara do solo nos arredores de Clonycavan. A cabeça e o tronco apresentavam marcas de violência intencional, infligida antes de o corpo ser deitado no atoleiro: o nariz fora quebrado, o crânio despedaçado e o abdómen rasgado. Enquanto jazia na turfeira, o peso do musgo esfagno encharcado comprimiu-lhe a cabeça, as águas escuras curtiram-lhe a pele, enrijando-a como couro, e tingiram-lhe o cabelo de vermelho-alaranjado. Pediu-se ajuda aos arqueólogos, porque não se tratava de uma qualquer vítima de homicídio: o Homem de Clonycavan era um cadáver mumificado das turfeiras, testemunho naturalmente embalsamado de misteriosos rituais praticados na Europa Setentrional durante a Idade do Ferro – correspondente aos séculos imediatamente anteriores e posteriores ao nascimento de Cristo. Centenas destas múmias inusitadas têm sido descobertas nas zonas húmidas da Irlanda, Reino Unido, Alemanha, Holanda e, em especial, da Dinamarca, preservadas pela inexistência de oxigénio e pelos compostos antibacterianos do esfagno. As culturas locais têm inventado lendas sobre as múmias dos pântanos desde o momento em que a sua antiguidade foi reconhecida, no final do século XIX. Os cadáveres inspiram fascínio e desejo de compreensão de um passado remoto, quando estes pântanos lamacentos – hoje drenados e escavados, por motivos económicos – eram portais para o outro mundo. Actualmente, os investigadores possuem novas ferramentas – equipamento de tomografia axial computorizada (TAC), imagiologia tridimensional e datação por radiocarbono – para interpretar os cadáveres e os escassos artefactos encontrados junto a deles. Além disto, pouco mais existe como base de estudo: os europeus da Idade do Ferro não deixaram registos escritos das suas crenças e costumes. Alguns destes cadáveres são fantasmas: no ano passado, aliás, dois cientistas publicaram um artigo intitulado “Gente Imaginária” numa revista alemã de arqueologia, concluindo com relutância que o falecido arqueólogo Alfred Dieck, que dedicou a sua vida à catalogação de múmias dos pântanos, inventou muitos dos 1.800 casos por si documentados.


In: (Outubro 2007). National Geographic. p. 42: (resumo) http://www.nationalgeographic.pt/articulo.jsp?id=1422585


 


 



Autoria e outros dados (tags, etc)

por noticiasdearqueologia às 22:56

Quarta-feira, 19.09.07

ALMODÔVAR reclama apoio do governo para estudo e valorização de Mesas do Castelinho


O município de Almodôvar (Beja) reclamou hoje o apoio do governo, suspenso por falta de verbas, para o estudo e valorização do sítio arqueológico das Mesas do Castelinho, um povoado fortificado da II Idade do Ferro do Sul.



"Seria importante que o Estado respeitasse o compromisso assumido de financiar o programa de intervenção nas Mesas do Castelinho, que é indispensável para a continuação do estudo e da valorização do sítio", disse à agência Lusa o presidente do município, António Sebastião.



De acordo com o autarca, em 2006, o então Instituto Português do Património Arquitectónico (IPPAR) "cancelou" o programa de intervenção no Povoado das Mesas do Castelinho e "suspendeu todos os financiamentos previstos".



"Isto, depois de o próprio IPPAR ter aprovado o programa e apresentado uma candidatura, também aprovada, para financiamento através do Programa Operacional da Cultura", co-financiado pelo terceiro Quadro Comunitário de Apoio para Portugal, no período 2000-2006, lembrou.



Para justificar a decisão, segundo António Sebastião, o IPPAR "alegou falta de verbas para garantir a comparticipação nacional no financiamento".



"É fácil abrir a boca para defender a valorização do património histórico, mas quando é preciso abrir os cordões à bolsa para jogar as mãos à obra, não há dinheiro", ironizou o autarca.



A decisão do IPPAR, lamentou António Sebastião, "bloqueou" o programa de intervenção, que contempla campanhas de escavações e a construção de um núcleo de interpretação do povoado, localizado na herdade do Monte Novo do Castelinho, na freguesia de Santa Clara-a-Nova, concelho de Almodôvar.



Desde então, a construção do núcleo, que "chegou a ser adjudicada", foi "suspensa", precisou o autarca.



As duas escavações realizadas em 2006 e a primeira deste ano, em Julho, "foram possíveis com reminiscências de financiamentos de campanhas anteriores", explicou hoje à Lusa o arqueólogo Amílcar Guerra, um dos responsáveis científicos das escavações.



Salientando a "relevância histórica" e "importância patrimonial" do povoado, classificado em 1990 como Imóvel de Interesse Público, António Sebastião reclamou o "apoio do Estado" para "garantir a aplicação efectiva do programa".



Neste sentido, o autarca apelou ao Instituto de Gestão do Património Arquitectónico e Arqueológico (IGESPAR), que resultou da fusão do IPPAR e do Instituto Português de Arqueologia, para "contemplar o financiamento do programa de intervenção no próximo Quadro de Referência Estratégico Nacional (QREN)", a vigorar a partir deste ano e até 2013.



A Lusa contactou hoje a Direcção Regional de Cultura do Alentejo, mas os serviços informaram que o director regional, José Nascimento, estava ausente.



A segunda campanha de escavações deste ano e a 17/a no povoado, disse António Sebastião, "está a decorrer com o apoio da autarquia, que comparticipou os trabalhos de campo através de uma verba de cinco mil euros".



No terreno estão dois arqueólogos e seis estudantes de arqueologia da Universidade de Lisboa, apoiados por 10 trabalhadores locais e coordenados por Amílcar Guerra e Carlos Fabião, os responsáveis científicos das escavações.



"Até dia 29 deste mês, a equipa vai continuar a escavar a zona das estruturas e a estudar o espólio recolhido", explicou Amílcar Guerra, adiantando que, após a actual campanha, as escavações "deverão continuar em Julho de 2008, se houver condições financeiras".



Apesar de conhecido como local de "interesse arqueológico" desde o século XIX, o Povoado das Mesas do Castelinho só foi alvo dos primeiros estudos com carácter sistemático em 1987, após uma "violenta destruição" por parte do seu antigo proprietário.



Desde então, por iniciativa da Câmara Municipal de Almodôvar e da Junta de Freguesia de Santa Clara-a-Nova, em parceria com o IPPAR, a equipa da Universidade de Lisboa, através de duas campanhas de escavações por ano, uma em Julho e outra em Setembro, tem vindo a coordenar os estudos no sítio, bem como a sua recuperação e valorização.



Os estudos efectuados até ao momento, frisou Amílcar Guerra, permitem afirmar que o povoado terá sido fundado por volta dos séculos IV ou V A.C, época a que remontam os mais antigos vestígios recolhidos até à data, sendo que os mais abundantes são de origem romana e os mais recentes de origem árabe.



As diversas campanhas arqueológicas realizadas colocaram a descoberto várias fortificações, construídas entre a Idade do Ferro e o período omíada.



A idade do ferro "é identificada pela presença de um conjunto de grandes recipientes cerâmicos de fabrico manual, decorações estampilhadas, ânforas de tipologia ibero-púnica e cerâmicas pintadas com bandas".



Já o período omíada é identificado pelo "grande número de exemplares de cerâmica fina, sobretudo de cariz utilitário".



As peças de maior interesse arqueológico encontram-se sob a guarda dos responsáveis científicos das escavações e, segundo Amílcar Guerra, o espólio até agora recolhido "é apenas uma pequeníssima parcela do muito que o Povoado das Mesas do Castelinho tem para oferecer aos investigadores".


In: LL. (19 Set 2007). Lusa / Expresso: http://expresso.clix.pt/gen.pl?p=stories&op=view&fokey=ex.stories/120409


Autoria e outros dados (tags, etc)

por noticiasdearqueologia às 23:36

Quarta-feira, 19.09.07

POVOADOS CASTREJOS candidatos à UNESCO



Os mais importantes povoados castrejos do Noroeste Peninsular vão ser integrados numa rede que será candidata a Património Europeu, classificação recentemente criada pela UNESCO, revelou hoje Armando Coelho, um dos promotores da iniciativa.


«Na área abrangida pelo norte de Portugal, Galiza e Astúrias existem mais de seis mil castros, mas apenas vão ser propostos para integrar esta rede os mais importantes, que são cerca de quatro dezenas», afirmou o especialista em cultura castreja, em declarações à Lusa.


Segundo Armando Coelho, a rede que será proposta para classificação deverá incluir cerca de duas dezenas de castros no norte de Portugal, uma dezena e meia na Galiza e uma dezena na zona ocidental das Astúrias.


O especialista admitiu que o processo de candidatura dos castros do Noroeste Peninsular possa ser entregue «até final de 2008».


A ideia de avançar com a candidatura surgiu em 2004, na sequência de um colóquio realizado pelo Centro de Estudos de Arqueologia Castreja, instalado na Citânia de Sanfins, em Paços de Ferreira.


Na altura, foi formado um grupo de trabalho, envolvendo também a Sociedade Martins Sarmento, de Guimarães, que procedeu a um levantamento dos castros existentes e contactou com as autoridades envolvidas.


«Nesta altura, temos quase concluído o processo de criação desta rede à classificação de Património Europeu», revelou Armando Coelho, numa referência a uma classificação criada em 2006 pela UNESCO.


«Optamos pela classificação de Património Europeu por considerarmos que é mais adequada aos objectivos que pretendemos, o que não invalida que alguns dos locais que constam da rede não possam mais tarde a ser candidatos a Património Mundial», salientou.


Segundo o especialista, a iniciativa pretende «mostrar que o norte de Portugal, a Galiza e as Astúrias têm uma história comum, que começou no primeiro milénio antes de Cristo».


Nessa perspectiva, os cerca de 40 povoados castrejos que serão candidatos à classificação pela UNESCO «são os que apresentam maior potencial científico e cultural, que é necessário defender e estudar».


Armando Coelho defendeu também que a valorização dos povoados castrejos pode funcionar como «alavanca de desenvolvimento», já que permitirá criar postos de trabalho, prestigiar a região e rentabilizar o património cultural através do aproveitamento turístico.


«A classificação dos castros numa rede integrada permitirá criar uma espécie de rota castreja», salientou. A candidatura dos castros do noroeste peninsular será apresentada numa cerimónia que se realiza sexta-feira à noite na Casa de Cultura da Trofa.


A escolha deste município resulta no facto de ter no seu território o Castro de Alvarelhos, considerado por Armando Coelho como de «excepcional importância patrimonial».


«O Castro de Alvarelhos era a capital da antiga Terra da Maia, que ia do mar até à Serra da Agrela», frisou.


In: (19 Set 2007). Lusa/SOL: http://sol.sapo.pt/PaginaInicial/Cultura/Interior.aspx?content_id=56176


Autoria e outros dados (tags, etc)

por noticiasdearqueologia às 23:35

Terça-feira, 11.09.07

Centro Interpretativo no Castro São Lourenço

A Câmara Municipal de Esposende vai iniciar a construção do Centro Interpretativo do Castro de S. Lourenço, em Vila Chã, num investimento estimado em 800 mil euros, anunciou hoje o município.
O gabinete da presidência da autarquia adiantou que o equipamento contempla um espaço de apoio aos turistas e visitantes e uma área de exposição de achados arqueológicos.


O equipamento será composto por dois edifícios, com dois pisos cada, sendo que o Centro Interpretativo disporá de recepção, sala de exposições, auditório com capacidade para 30 lugares, sala de investigação e espaço para arrumos.
O edifício de apoio turístico terá cafetaria, esplanada, instalações sanitárias públicas e áreas de serviço, nomeadamente bar, copa, cozinha, armazém e vestiário e instalações sanitárias para funcionários.



(11 Set 2007) Lusa:  http://noticias.sapo.pt/lusa/artigo/AeYJwSqbzlFQ7PWTARNdkg.html

Autoria e outros dados (tags, etc)

por noticiasdearqueologia às 22:23

Sábado, 08.09.07

Povoado pré-histórico descoberto em Vila Franca

Povoado com 3.000 anos descoberto em Vila Franca de Xira pode ser muito importante para estudar a presença fenícia no Vale do Tejo.
A descoberta de peças cerâmicas de origem fenícia num povoado pré-histórico que está a ser alvo de escavações arqueológicas nos arredores de Vila Franca de Xira poderá ser determinante para conhecer melhor os primeiros contactos que os mercadores fenícios estabeleceram, há cerca de 2800 anos, com as populações indígenas do Vale do Tejo.
Os materiais ali encontrados nos últimos meses serão agora estudados e datados com recurso à técnica de carbono 14, admitindo-se que os primeiros contactos estabelecidos com a aldeia dos finais da Idade do Bronze descoberta no Vale de Santa Sofia tenham ocorrido antes da fixação de entrepostos comerciais fenícios (feitorias) em aglomerados mais populosos que então existiam nas zonas das actuais cidades de Lisboa (Olisipo), Almada (Almaraz) e Santarém.
Os resultados das escavações arqueológicas efectuadas em Vila Franca desde o Verão de 2006, no âmbito da preparação da obra de construção do parque urbano de Santa Sofia, poderão ter grande importância para o conhecimento das relações iniciais dos fenícios com as populações ibéricas.
"A ocupação fenícia na zona do Tejo tem sido estudada na óptica dos grandes entrepostos comerciais. Na óptica do colonizador e não do colonizado. Daí serem estas descobertas muito importantes e interessantes para a comunidade científica, porque neste sítio os fenícios inter-
agiram com o mundo indígena", sublinha João Pimenta, um dos dois arqueólogos que têm trabalhado com o museu municipal local neste projecto.
O especialista salienta que foi descoberta uma ânfora fenícia e outros materiais que atestam a presença dos mercadores originários do extremo oriental do Mediterrâneo (actual Líbano) nesta zona do Tejo.
Os fenícios trouxeram para as comunidades locais um conjunto de técnicas e de produtos até então desconhecidos, designadamente a escrita, a produção de vinho e de azeite, as técnicas de redução do ferro, j. Este metal existia enquanto minério, mas as populações da Europa ocidental não sabiam trabalhá-lo, a roda de oleiro e novas soluções arquitectónicas.
Na Península Ibérica procuravam sobretudo minérios, mas trocavam também produtos alimentares com as populações indígenas. A zona de Vila Franca já seria, na altura, rica em gado e alguns animais selvagens.
O povoado pré-histórico descoberto em 2006 numa encosta do Vale de Santa Sofia, junto à parte baixa do chamado bairro do Bom Retiro, terá cerca de 3000 anos. Os arqueólogos João Pimenta e Henrique Mendes julgam que os habitantes aproveitaram o vale abrigado, abundante em águas e os terrenos férteis para fixarem esta aldeia, situada junto à ribeira de Santa Sofia,
que desagua no Tejo a cerca de 400 metros - há 3000 anos poderia estar mais próxima do grande rio ibérico.
Na segunda fase de escavações, iniciada em Junho, foram postas a descoberto as bases em pedra calcária de duas cabanas ovais, assim como estruturas de combustão e áreas de lixeira.
Nestas, João Pimenta salienta que foram descobertas grandes quantidades de conchas de amêijoa, berbigão e ostras, que demonstram que os habitantes também faziam a apanha de marisco.
Embora as escavações e os estudos ainda não estejam concluídos, Henrique Mendes e João Pimenta julgam que os materiais detectados se podem situar nos séculos VIII ou VII antes de Cristo.
"O Bronze Final é muito pouco conhecido no Vale do Tejo, tem pouca informação e é pouco investigado. É a primeira vez que surgem cabanas com esta dimensão no Vale do Tejo. Tínhamos alguma coisa na zona de Alpiarça, mas não com esta dimensão", frisou.
Os arqueólogos escavaram uma área com cerca de 100 metros quadrados, mas o povoado estendia-se certamente para o topo da encosta. O arqueólogo Henrique Mendes realça, também, a técnica utilizada na construção das cabanas, que, para além da base em pedra onde assentariam os troncos de suporte da estrutura, eram constituídas por coberturas de canas entrelaçadas e palha, mas tinham um reforço em barro prensado.
Os pedaços da ânfora fenícia descoberta permitem concluir que teria cerca de um metro de altura. "Ter uma ânfora cheia de vinho tinha um valor extraordinário.Seriam oferecidas pelos mercadores em troca de alguma coisa, talvez de minérios ou de sal", sustentou João Pimenta, referindo que no povoado de Santa Sofia também foram descobertas pequenas peças decorativas em bronze, outro tipo de cerâmicas que incluem grandes vasilhas para armazenar cereais e mós para os moer.


N: Jorge Talixa (06 Set 2007). O Público.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por noticiasdearqueologia às 23:59


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Setembro 2016

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
252627282930

Posts mais comentados