Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

NOTÍCIAS DE ARQUEOLOGIA

O Património é um bem comum... Preservá-lo só depende de cada um de nós...



Quarta-feira, 23.07.08

Pirogas milenares aguardam há anos por recuperação

Há vários anos que cinco pirogas milenares, consideradas como um dos mais importantes achados arqueológicos em Viana do Castelo, aguardam, em água, por um delicado tratamento que permita a recuperação e consequente exposição pública. Um processo cada vez mais moroso e que a própria autarquia admite que não se concretize a curto prazo. “O tratamento será feito num País nórdico, o problema é que surgiram outros achados de outras partes que precisam de tratamento e as pirogas vão ter que aguardar uns anos na fila”, afirmou Defensor Moura, presidente da autarquia. Tratam-se de pirogas monóxilas – construídas a partir de um único tronco de madeira -, que variam entre 3,85 e 6,61 metros de comprimentos, encontradas em vários pontos do leito do rio Lima nos últimos vinte anos. A mais antiga destas, segundo a datação feita por técnicos e a conhecer em breve com a publicação do estudo, terá mais de 2000 anos e as restantes cerca de metade desse tempo. As duas mais recentes “apareceram” entre 2002 e 2003. A maioria das pirogas foram achadas na envolvente das freguesias de Lanheses e Moreira de Geraz do Lima, exactamente no ainda hoje conhecido como Lugar da Passagem, inserido no roteiro medieval dos caminhos de Santiago (de Compostela, Galiza). Há vários anos que a conservação destas pirogas está a cargo do Instituto Português de Arqueologia Subaquática envolvendo ainda o Ministério da Cultura. “Estão protegidas, em água com um produtos próprios, para assegurar que não se deterioram. Mas o processo para conservação definitiva não tem sido fácil”, admite a autarquia, uma das entidades impulsionadoras da reabilitação destas pirogas. O objectivo da Câmara de Viana do Castelo é que, depois de reabilitadas, as pirogas fiquem em exposição no município num novo espaço museológico. “Quando forem tratadas virão para Viana do Castelo para serem expostas. É uma garantia”, sustentou Defensor Moura, presidente da autarquia. As canoas ou pirogas talhadas num só tronco de árvore constituem, segundo os especialistas, o tipo de embarcação mais antigo de vários continentes.


Fonte: (24 Jul 2008). Falcão do Minho http://www.falcaodominho.pt/jornal/index.php?=fm_news.php?nid=4328 


 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por noticiasdearqueologia às 23:12


2 comentários

De scaliburis a 26.07.2008 às 01:00

Quantos vestígios destes existirão nos nossos rios?
Talvez se consiga enriquecer a nossa História de milénios com o estudo destes achados.
Um bem haja a todos os que se dedicam à protecção do nosso património histórico.
Fico à espera de notícias.
Um abraço.

De Marujo Perana a 20.08.2011 às 05:04

Fila??? E quem está na frente??? Qual achado é mais importante que as pirogas??? Não acho justo estarem assim escondidas. Que contratem alguém pra construir uma maquete delas enquanto não se faz a restauração, ou ao menos um fotógrafo competente que saque fotos mais decentes que as que existem! Ou metam a piroga de volta ao leito do rio Lima!!!

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Julho 2008

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031





Arqueo logos