Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

NOTÍCIAS DE ARQUEOLOGIA

O Património é um bem comum... Preservá-lo só depende de cada um de nós...



Quarta-feira, 21.11.07

BESTIÁRIO PALEOLÍTICO VOLTA À LUZ


O elegante cavalo de duas cabeças, o auroque, os veados, cabras, e outras espécies do bestiário paleolítico, gravados há mais de 15 mil anos na rocha nº 1 do sítio do Fariseu, submersos nas águas da barragem Pocinho, vão entrar no futuro museu do Côa. Sabem nadar, afinal, estas gravuras. Mas não voam: é uma réplica da rocha que seguirá viagem, à procura do novo abrigo.
Em 1999 quando foi descoberta a rocha nº1 do sítio do Fariseu, após a descida das águas da barragem, os arqueólogos anunciavam um dos mais importantes achados do Vale do Côa. No painel de xisto, submerso durante anos, irrompiam dezenas de gravuras de grande beleza. Mas o mais surpreendente surgia durante as escavações: junto à rocha aparecem vestígios de habitat humano.
Pela primeira vez, no imenso Vale do Côa, Património da Humanidade, o homem pré-histórico e o seu imaginário artístico (as gravuras e placas de arte móvel) são encontrados no mesmo local. Fica a saber-se, a partir dessa altura, que a história do Côa é ainda mais remota.
Breve a alegria da descoberta. Quinze dias depois, a equipa de arqueólogos dirigida por António Martinho Baptista envolvia a rocha com uma tela a branca, para a proteger, e volta a aterrar as valas de prospecção em redor. Pouco depois, as águas da barragem do Pocinho subiam e sepultavam as gravuras.
Há dois anos, lembra António Marinho Baptista, a barragem voltou a descer e foi possível continuar por alguns dias as escavações no sítio do Fariseu. Agora, porque se trata de uma das quatros painéis que vão aparecer no Museu de Arte e Arqueologia do Côa, em construção na foz deste rio, a EDP baixou o nível da barragem para ser feita a réplica da rocha.
Desde a semana passada, e até ao final do mês, a equipa do Parque Arqueológico do Côa, composta por onze elementos, continua as escavações no local e volta retirar a terra em redor da rocha de xisto, que tem cerca de cinco metros quadrados. "Para além da beleza artística das gravuras", diz António Marinho Baptista, a rocha do Fariseu "é a única" em todo o Vale do Côa "onde existe um relação directa entre as gravuras e camadas arqueológicas que que a selavam". Por essa razão, em forma de réplica, integrará o espólio artístico do Museu do Côa, que deverá ficar concluído durante o verão do próximo ano.
Além da réplica de rocha, que contém cerca de uma centena de gravuras sobrepostas, com mais de 15 mil anos, o sítio de Fariseu - que ficará de novo submerso a partir do final do mês - terá ainda em exposição algumas das placas de arte móvel: pequenas pedras gravadas, que apresentam mesma marca artística encontrada nas rochas do vale.

 In: Francisco Mangas (21 Nov 2007). Diário de Notícias: http://dn.sapo.pt/2007/11/21/tema/bestiario_paleolitico_volta_a_luz.html

Autoria e outros dados (tags, etc)

por noticiasdearqueologia às 22:41



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Novembro 2007

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
252627282930





Arqueo logos