Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

NOTÍCIAS DE ARQUEOLOGIA

O Património é um bem comum... Preservá-lo só depende de cada um de nós...



Sexta-feira, 26.08.11

Arqueólogos descobrem nova mesquita, 21 sepulturas e uma lápide no Algarve

Uma nova mesquita, 21 sepulturas e uma lápide funerária com uma epígrafe em árabe foram descobertas este verão durante uma campanha no Ribãt da Arrifana (Algarve), chefiada por dois arqueólogos portugueses da Universidade Nova de Lisboa.
“Descobrimos no Ribãt uma nova mesquita, 21 novas sepulturas e uma segunda lápide sepulcral in situ com uma epígrafe em sete linhas de texto em árabe”, revelou à Agência Lusa a historiadora Rosa Varela Gomes.
O Ribãt (convento) da Arrifana, localizado na Península da Ponta da Atalaia, a cinco quilómetros de Aljezur, foi identificado há 10 anos pelos arqueólogos Rosa e Mário Varela Gomes, da Universidade Nova de Lisboa, que puseram a descoberto as ruínas de oito mesquitas, um minarete, um muro de orações, uma necrópole e objetos em cerâmica, panelas, armas metálicas e uma lápide funerária in situ (no local).
Na presente campanha estão a trabalhar mais de 20 estudantes de Arqueologia da Universidade Nova de Lisboa, que entre as 09:00 e as 18:00 escavam nas ruínas do Ribãt. Os trabalhos arqueológicos estão decorrer até final de agosto e foi possível realizá-los, porque este ano houve financiamento via programa "Polis Litoral do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina".
O Ribãt da Arrifana é um convento islâmico único em Portugal, fundado em 1130 por monges guerreiros para espalhar a Jihad (guerra santa).
“O Polis servirá para consolidar as estruturas encontradas e musealizar o espaço identificado para divulgar ao público, devolvendo o património à comunidade, algo que deve acontecer em 2013”, estima a historiadora, referindo que o Ribãt da Arrifana é o maior da Península Ibérica.
Existe um outro Ribãt perto de Alicante (Espanha), mas mais pequeno de dimensão.
O Ribãt da Arrifana foi fundado no século XII pelo mestre e monge guerreiro Sufi Ibn Qasi, que chegou a fazer um pacto de não agressão com o rei D. Afonso Henriques, para que este pudesse conquistar os territórios entre Mondego e Tejo.
As ruínas do convento-fortaleza do século XII revelam algumas celas onde os monges guerreiros rezavam e dormiam.
Uma escola corânica, uma grande necrópole e uma zona de lavagem para os mortos são outras das descobertas arqueológicas feitas no Algarve, conta Rosa Varela Gomes, referindo que todas as sepulturas estão viradas para Meca, cidade mais sagrada para a religião islâmica.
O Rabãt da Arrifana deve estar visitável até 2013, mas entretanto já foi palco fotográfico para um casamento islâmico e é visitado por centenas de turistas.
Os mariscadores são também presença assídua na Ponte da Atalaia e quando passam junto das ruínas do Ribãt, com os seus baldes negros, em busca de bivalves e outros mariscos, revelam um interesse genuíno pelos achados históricos, questionando os arqueólogos.


Fonte: (05 Ago 2011). Diário On line:http://www.regiao-sul.pt/noticia.php?refnoticia=118670

Autoria e outros dados (tags, etc)

por noticiasdearqueologia às 12:41



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Agosto 2011

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031





Arqueo logos