Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

NOTÍCIAS DE ARQUEOLOGIA

O Património é um bem comum... Preservá-lo só depende de cada um de nós...



Terça-feira, 10.09.13

Acervo arqueológico de Palmela disponível nas galerias do Castelo

 

 

As galerias municipais no Castelo de Palmela têm disponível à consulta pela população o acervo arqueológico do município que estava na posse do Museu de Arqueologia e Etnografia do Distrito de Setúbal e arquivo municipal de Palmela. Ana Teresa Vicente, presidente da Câmara Municipal de Palmela, esclarece que a reabertura das Galerias da Praça de Armas dignifica o “trabalho arqueológico que tem sido feito no concelho e que não era visível ao público”.

“A arqueologia só tem valor quando é tornada pública”, prossegue a edil palmelense. Dentro das galerias municipais pode-se ter a perspetiva do que era o concelho desde a pré-história, possuindo material de escavações efetuadas em todas as freguesias. Artefactos do Povoado Fortificado de Chibanes, das Grutas Artificiais da Quinta do Anjo e a própria Carta Arqueológica de Palmela estão disponíveis ao público, bem como as várias fases de ocupação do castelo e um espaço dedicado à vida neste local.

 

A par da reabertura do espaço arqueológico do museu de Palmela, as obras de consolidação da Casa Capelo estão finalizadas, o que representou um esforço financeiro de cerca de 400 mil euros. “É necessária ainda uma reformulação mais profunda no interior do edifício”. Ana Teresa Vicente afirma que a câmara municipal tem de possuir ajudas exteriores para prosseguir com o plano de recuperação e animação do castelo.

 

“O próximo programa de financiamento comunitário deve ser aproveitado para obras como uma intervenção mais profunda dentro da Casa Capelo”, frisa a presidente da Câmara Municipal de Palmela, acrescentando ser “muito difícil para a autarquia avançar sozinha com as várias intervenções”. Para um futuro próximo está agendada a abertura de um bar nas imediações do castelo, já em fase de atribuição da concessão.

Fonte: Rogério Matos (06.09.2013). Setubal na Rede: http://www.setubalnarede.pt/content/index.php?action=articlesDetailFo&rec=20242

Autoria e outros dados (tags, etc)

por noticiasdearqueologia às 20:22

Terça-feira, 10.09.13

Golegã inaugura núcleo de divulgação de arqueologia

O Centro Português de Geo-História e Pré-História (CPGP) vai inaugurar, este sábado, 7 de Setembro, um Núcleo de Investigação e Divulgação de Arqueologia e Paleontologia (NIDAP), em São Caetano, na Golegã,

O projecto, no âmbito de um protocolo com a câmara municipal, está instalado na antiga escola de São Caetano e contempla um espaço museológico, uma biblioteca e um laboratório de investigação em paleontologia e em arqueologia pré-histórica.

Silvério Figueiredo, presidente do CPGP, disse à agência Lusa que a região do Médio Tejo "é muita rica em arqueologia pré-histórica", o que justifica a instalação do núcleo.

"O lugar de São Caetano conta com cerca de 200 habitantes e permite desenvolver um trabalho em ambiente de natureza, com excelentes acessibilidades e envolvência exploratória, em termos de trabalho arqueológico de campo", acrescentou.

A biblioteca do núcleo conta com cerca de mil títulos.

Fonte: (06.09.2013). O Mirante: http://www.omirante.pt/noticia.asp?idEdicao=&id=64213&idSeccao=422&Action=noticia

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

por noticiasdearqueologia às 20:18

Terça-feira, 10.09.13

Surgem importantes achados arqueológicos no Monte do Templo em Jerusalém

Peças ajudam a resgatar a história dos judeus em local dominado por autoridades islâmicas.

 

Surgem importantes achados arqueológicos no Monte do Templo em Jerusalém Surgem importantes achados arqueológicos no Monte do Templo.
 

Arqueólogos israelenses revelaram em uma entrevista coletiva nesta segunda, a descoberta de 36 peças de ouro na Cidade Velha de Jerusalém. O anúncio foi feito no campus do Monte Scopus da Universidade Hebraica, que colocou em exibição um medalhão em ouro com um candelabro judaico entalhado e várias joias em ouro e prata que datam da época bizantina.

Responsável por liderar as escavações, a renomada arqueóloga dra. Eilat Mazar, comemorou: “É uma descoberta impressionante que só acontece uma vez na vida”.

Um dos aspectos mais importantes é o fato de os objetos estarem a meros 50 metros do muro sul da Esplanada das Mesquitas, que os judeus chamam de “Monte do Templo”, local onde ficava originalmente o templo construído pelo rei Salomão.

Durante anos Mazar dedica-se a fazer escavações no local na chamada “escavação ophel”, que visa resgatar a história dos judeus na área hoje dominada por autoridades islâmicas. O complexo Ophel City Wall, está situado junto às muralhas que ladeiam o Parque Nacional de Jerusalém.

Ela afirma que mais essa descoberta de objetos antigos ajudam os judeus a comprovar arqueologicamente que o templo realmente ficava naquele loca, algo negado pelos muçulmanos.

O templo original foi destruído pelos babilônios no ano 586 antes de Cristo. Posteriormente, Herodes construiu um segundo templo no local, que foi destruído pelo general Tito numa invasão a Jerusalém no ano 70.

De acordo com a doutora, as novas descobertas datam do século VII depois de Cristo, e são “completamente inesperadas”. “A explicação mais provável é que (…) o local onde encontramos esse tesouro teria como objetivo destacar onde devia ser construída uma nova sinagoga, em um local próximo ao Monte do Templo”, destaca Mazar.

medalhao com menora Surgem importantes achados arqueológicos no Monte do Templo em Jerusalém

Com mais de 1.400 anos de idade, as peças são importantes e trazem contribuições para a arqueologia de Jerusalém. Segundo Mazar eles “foram abandonados no contexto da conquista persa de Jerusalém, em 614. Após a conquista de Jerusalém pelos persas, muitos judeus voltaram a esta cidade com a esperança de encontrar liberdade política e religiosa e eram a maioria da população. Mas os persas, com a decadência do seu poder, ao invés de se aliar aos judeus, procuraram o apoio dos cristãos e autorizaram estes a tirar os judeus de Jerusalém”.

O fato de o medalhão maior trazer o desenho de um menorá indica que estava ligado ao judaísmo, evidentemente. Porém, ela acredita que provavelmente era parte da decoração de uma cópia da Torá, livro da Lei lido regularmente nas sinagogas. Parece lógico, uma vez que o outro símbolo gravado no medalhão era um rolo da Torá. As 36 moedas de ouro encontrada no local podem indicar que se tratava dinheiro para, financiar a construção de uma sinagoga no local.

A doutora Mazar explica que “é um tesouro relativamente pequeno, mas contém tanta informação, e nos ensina muito… As moedas nos falam sobre um período específico… E a localização é clara, tão perto do Monte do Templo. Então, temos informações suficientes para fundamentar uma boa teoria, e relacioná-la com o que já sabemos sobre o povo judeu na época: Eles estavam ansiosos para entrar e reedificar Jerusalém.”

É mais um grande feito da doutora Eilat Mazar nos últimos meses. No início de agosto, ela descobriu um fragmento de um jarro de cerâmica com a inscrição em hebraico mais antiga já descoberta. Na mesma época encontrou as ruínas do que seria do primeiro palácio do rei Davi.

Fonte: Jarbas Aragão (10.09.2013). Gospelprime.com: http://noticias.gospelprime.com.br/medalhao-ouro-arqueologia-monte-do-templo/

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

por noticiasdearqueologia às 20:11


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Setembro 2013

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
2930





Arqueo logos