Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

NOTÍCIAS DE ARQUEOLOGIA

O Património é um bem comum... Preservá-lo só depende de cada um de nós...



Quarta-feira, 25.05.11

Arqueólogos encontram três tumbas com 2.500 anos de idade no Peru


Cerâmicas também foram achadas na região de Lambayeque.
Informação foi passada pelo pesquisador Francisco Valle Riestra.




 


Arqueólogos peruanos descobriram três tumbas de quase 2.500 anos da cultura pré-hispânica Cupisnique e cerâmicas de alto nível estilístico na região de Lambayeque (norte do país), informou neste sábado (14) o pesquisador Francisco Valle Riestra.






"As tumbas se encontravam a dois metros de profundidade no complexo arqueológico Ventarrón, lugar que tem sido saqueado por vândalos entre os anos 80 e 90", disse Riestra.


Segundo ele, os esqueletos estão em um estado ruim de conservação devido a umidade local. Para o arqueólogo Walter Alvam, diretor do Museu das Tumbas Reais de Sipán, a descoberta dará novas luzes sobre a origem e a forma com foi consolidada a civilização ao norte do Peru.


Fonte: (14 Mai 2011). France Presse / Globo: http://g1.globo.com/ciencia-e-saude/noticia/2011/05/arqueologos-encontram-tres-tumbas-com-2500-anos-de-idade-no-peru.html




Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

por noticiasdearqueologia às 19:55

Quarta-feira, 25.05.11

Ruínas de povoado com 2.500 anos de idade são descobertas na China


Arqueólogos chineses encontraram os vestígios na província de Yunnan.
Local foi achado em 2009, mas primeiras escavações ocorreram em 2010.






Um grupo de arqueólogos chineses encontrou as ruínas de um antigo povoado de ao menos 2.500 anos de antiguidade na província de Yunnan, no sul do país, informou nesta quarta-feira (25) a agência oficial "Xinhua".


Os pesquisadores do Instituto de Patrimônio e Arqueologia de Yunnan acharam as ruínas de 20 casas agrupadas em fileiras de quatro imóveis, que medem de 15 a 25 metros quadrados cada, e ainda 20 túmulos localizados em suas proximidades.


Peças de barro, bronze e pedra, além de ossos de animais, foram encontrados no interior das construções, segundo informou um membro da equipe de escavação, Jiang Zhilong.


O especialista explicou ainda que a maioria dos imóveis era usada como moradia, embora fosse possível que alguns tenham servido como escritórios.


Descoberto em 2009, o local tem ao menos 10 mil metros quadrados de extensão, e a primeira fase de escavação do terreno começou no ano passado.


Fonte: (25 Mai 2011). Globo: http://g1.globo.com/ciencia-e-saude/noticia/2011/05/ruinas-de-povoado-com-2500-anos-de-idade-sao-descobertas-na-china.html




Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

por noticiasdearqueologia às 19:33

Quarta-feira, 25.05.11

"O mercado das peças de arte arqueológicas é um regabofe"

"O mercado das peças de arte arqueológicas é um regabofe"



Joaquim Pessoa garante, em entrevista ao DN, que em Portugal há tráfico de arte arqueológica. Há peças achadas em solo nacional que vão directamente para Espanha, sendo depois comercializadas no nosso país no mercado negro. Os ataques de que tem sido alvo, diz o poeta, resultam das guerras entre arqueólogos institucionais e coleccionadores particulares.





Para o director do Museu Nacional de Arqueologia (MNA), a colecção que vendeu ao BPN tem um valor arqueológico nulo...


As afirmações infelizes que o dr. Luís Raposo fez em relação à colecção demonstram que ele não é um arqueólogo, mas um funcionário público da arqueologia. E daí o MNA estar no marasmo em que está há vários anos, sobretudo desde que é director.


Desvaloriza a apreciação do director do MNA?


Ele nunca se interessou por ver as peças, ao contrário de outros directores de museus. Só Luís Raposo achou que não valia a pena, que não tinha tempo.


Mas viu imagens da colecção... A única coisa que viu foram fotografias que lhe mostrei. Quando as viu ficou tão entusiasmado que me convidou para fazer uma palestra no MNA. Convidar-me-ia se considerasse as peças falsas? O director diz que baseia a sua opinião no relatório de uma conservadora do MNA...





A conservadora é outra funcionária pública da arqueologia. Tem medo até da própria sombra. Se querem dizer coisas nos jornais, que digam, por exemplo, como aconteceu com essa conservadora, que o MNA comprou peças de ouro a uma senhora, pretensamente achadas numa herdade do Alentejo, e depois veio a saber-se que foram roubadas em Espanha.


Mas porque não confia no parecer de uma conservadora?


Quis oferecer ao MNA seis peças de ourivesaria, das quais não constam paralelo na sala do tesouro. Essas peças representavam quase três quilos de ouro. Falei com a conservadora dizendo que queria fazer a doação. Não obtive resposta até hoje. Resolveu, por ela, não aceitar... e não acontece nada a esta funcionária pública que prejudicou o MNA em pelo menos 10 milhões de euros?





Fonte: Licínio Lima (15.Mai.2011). Diário de Notícias.


Notícia desenvolvida em: http://www.dn.pt/bolsa/interior.aspx?content_id=1851042






Autoria e outros dados (tags, etc)

por noticiasdearqueologia às 14:02

Quarta-feira, 25.05.11

Arqueólogos resgatam urna indígena na área da Usina Mauá


Divulgação / Copel

Divulgação / Copel


Pesquisadores retiraram da área do reservatório da Usina Hidrelétrica Mauá uma urna cerâmica de origem indígena praticamente intacta. A urna foi encontrada durante os trabalhos de escavação para salvamento do patrimônio arqueológico existente na área de abrangência do empreendimento. É a primeira peça dessa natureza encontrada inteira desde 2008, quando teve início o programa de resgate, previsto no Projeto Básico Ambiental do empreendimento.
A urna recém-resgatada tem cerca de 50 centímetros de diâmetro e, segundo os pesquisadores, costumava ser usada por grupos indígenas para armazenamento de água ou para sepultamento de ossadas. No mesmo local foram encontradas panelas menores usadas para preparar e armazenar alimentos. A retirada com segurança de artefatos como esses chega a demorar até quatro dias, como conta o técnico em arqueologia Maurício Hepp. "É um trabalho minucioso e que exige muita paciência. A peça é retirada ainda com solo dentro para evitar que se quebre. Depois, todo o bloco é enviado ao laboratório para análise e as amostras retiradas vão servir, inclusive, para datação da peça, ou seja, para identificar a idade aproximada dela", explica.
Hepp explica ainda que a acidez característica do solo da região torna pouco provável a descoberta de restos de alimentos ou ossadas: "A matéria orgânica ali se decompõe muito rápido, mas iremos estudar tudo com bastante cuidado para ver o que descobrimos. Em outros sítios, encontramos restos de fogueiras e amostras de carvão".
A descoberta das peças foi um grande feito, especialmente naquele local. "Estamos fazendo o resgate em uma região tomada por atividades de agricultura e pecuária que degradam muito os sítios arqueológicos que não são muito profundos. Essa urna maior, por exemplo, apareceu com cerca de 20 centímetros de profundidade e o fundo dela alcançou em torno de 70 centímetros", conta Maurício Hepp.
Além da composição das peças, o estudo feito no âmbito desse projeto busca identificar o estilo e, assim, a origem do material dentro da tradição indígena. Até agora, já houve registro de vestígios deixados por índios Guarani desde há 2 mil anos até o período de contato com os brancos, nos séculos XVI e XVII. Há também indícios de passagem de grupos de tradição Kaingang e Taquara.

HISTÓRICO – A demarcação e salvamento de sítios arqueológicos teve início no canteiro de obras da Usina Mauá em abril de 2008 e durou sete meses – período em que foram escavados 14 sítios e retiradas mais de 23 mil peças como fragmentos cerâmicos originados de vasilhames, estruturas de fogueiras, fragmentos de carvão, pontas de lanças e outros artefatos de origem indígena.
Numa segunda etapa de trabalho, o Consórcio Energético Cruzeiro do Sul, responsável pela instalação da hidrelétrica, estendeu o projeto de salvamento do patrimônio arqueológico à área que futuramente será alagada para formação do reservatório da usina, que compreende terras dos municípios paranaenses de Telêmaco Borba e Ortigueira, às margens do rio Tibagi. Essa fase teve início em janeiro de 2010 e deve durar até julho deste ano. Ela inclui o resgate de mais de cinquenta sítios, de onde já foram retirados mais de 10 mil artefatos e fragmentos cerâmicos.
Esse minucioso trabalho de salvamento, que começa com a limpeza da superfície dos sítios, inclui ainda as etapas de levantamento topográfico, decapagem do solo, escavações e coleta de material. Os vestígios encontrados são levados para um laboratório de pesquisas, onde são inventariados, fotografados e acondicionados corretamente.
Ao final das atividades, o destino das peças será definido de acordo com orientação do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), órgão vinculado ao Ministério da Cultura, como explica o superintendente geral do Consórcio Cruzeiro do Sul, Sergio Luiz Lamy: "Antes, todo esse valioso material recolhido na área da usina estava sujeito à degradação, mas agora as peças serão enviadas para museus e instituições de pesquisa que atendam às exigências do Iphan para ajudar a contar a história da ocupação do nosso território".
Os profissionais contratados pelo Consórcio Energético Cruzeiro do Sul (da empresa Habitus Assessoria e Consultoria) promoveram também ações de educação e conscientização entre os trabalhadores nas obras de instalação da usina e nos municípios abrangidos, em atividades que atingiram desde crianças até universitários.

Fonte: (18.Mai.2011). Bonde.com: http://www.bonde.com.br/?id_bonde=1-3--708-20110518&tit=arqueologos+resgatam+urna+indigena+na+area+da+usina+maua

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

por noticiasdearqueologia às 13:57

Quarta-feira, 25.05.11

Lagos: Protocolo entre autarquia e UALG permite acesso ao espólio arqueológico do concelho

A Câmara Municipal de Lagos vai celebrar um protocolo de cooperação científica com a Faculdade de Ciências Humanas e Sociais (FCHS) da Universidade do Algarve (UAlg), documento que visa permitir acesso ao espólio arqueológico do concelho.
O acordo, aprovado na última reunião de câmara, permitirá o acesso ao depósito dos espólios arqueológicos de Lagos (atualmente armazenados na reserva do IGESPAR, em Silves), através da transferência dos materiais para o laboratório de arqueologia da FCHS.
A autarquia lacobrigense reconhece em comunicado que “não dispõe, no momento, de um local com condições de segurança, humidade e temperatura convenientes ao depósito dos espólios arqueológicos”.
Além disso, “a decisão da transferência da sede do IGESPAR de Silves para Faro veio dificultar a consulta desse espólio (uma vez que esta só pode ser efectuada na presença de um técnico do IGESPAR)” e, por outro lado, “houve, nos últimos meses, interesse de diversos doutorandos e mestrandos de arqueologia em aceder a alguns dos materiais armazenados na referida reserva (e cujo estudo pretendem incluir nas respectivas dissertações de tese)”, explica o executivo sobre a proposta para que esses espólios sejam transferidos, em depósito provisório de um ano para o laboratório de arqueologia da faculdade algarvia.
Os materiais objeto de estudo são os procedentes do Monte de Januário, Cruz de Pedra, Meia Praia, Praia da Luz e Silva Lopes.
O protocolo vigorará durante um ano, tempo que permitirá à câmara municipal “preparar um espaço para o armazenamento destes importantes materiais da sua história”.


Fonte: (24.Mai.2011). Diário onLine: http://www.regiao-sul.pt/noticia.php?refnoticia=116320

Autoria e outros dados (tags, etc)

por noticiasdearqueologia às 13:53

Quarta-feira, 25.05.11

Imagens de satélite permitiram encontrar pirâmides no Egipto

A arqueologia espacial “substituiu” Indiana Jones. Imagens de satélite sobre o Egipto permitiram descobrir 17 pirâmides que estavam desaparecidas e três mil infra-estruturas escondidas debaixo do solo, num trabalho pioneiro de arqueologia espacial de um laboratório em Alabama, apoiado pela NASA.




As autoridades egípcias pretendem utilizar esta tecnologia para proteger o seu património As autoridades egípcias pretendem utilizar esta tecnologia para proteger o seu património (Foto: Asmaa Waguih/Reuters/arquivo)





"Indiana Jones é o método antigo. Ultrapassámos Indy, desculpa Harrison Ford”, disse à BBC Sarah Parcak, do laboratório de Birmingham, Alabama, especializada em arqueologia espacial.
A equipa de Parcak analisou as imagens obtidas por satélites a 700 quilómetros da Terra, equipados com câmaras de infra-vermelhos capazes de detectar objectos com menos de um metro de diâmetro na superfície terrestre. “Escavar uma pirâmide é o sonho de qualquer arqueólogo”, comentou Parcak, dizendo-se surpreendida com o que ela e a sua equipa encontraram.
“Trabalhámos intensamente durante mais de um ano. Mas o momento alto foi quando pude, finalmente, ver o conjunto de tudo o que encontrámos. Nem queria acreditar que localizámos tantos sítios em todo o Egipto”.
Depois de localizar os locais, a equipa começou as escavações. Já está confirmada a descoberta de duas pirâmides na região de Saqqara.
Segundo a BBC, as autoridades egípcias pretendem utilizar esta tecnologia para ajudar a proteger o seu património. Parcak acredita que este método pode encorajar os jovens cientistas e ajudar os arqueólogos em todo o mundo. “Permite-nos ser mais rigorosos no trabalho que fazemos. Perante um sítio enorme, muitas vezes não sabemos por onde começar”.
Fonte: (25.Mai.2011). Público: http://www.publico.pt/Cultura/imagens-de-satelite-permitiram-encontrar-piramides-no-egipto_1495833



Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

por noticiasdearqueologia às 13:43


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Maio 2011

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031