Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

NOTÍCIAS DE ARQUEOLOGIA

O Património é um bem comum... Preservá-lo só depende de cada um de nós...



Terça-feira, 13.07.10

Arqueólogos estudam práticas sexuais de civilizações pré-colombianas

Ensaios revelam que práticas como homossexualidade e masturbação estavam ligadas a ritos de passagem e fertilização da terra.



Um grupo de arqueólogos mexicanos publicou uma série de ensaios sobre os costumes sexuais das civilizações pré-colombianas do México e da América Central, revelando segredos que permaneceram ocultos por quase 500 anos.


Os documentos apontam para práticas que escandalizaram os espanhóis, que chegaram à região no século 16.


O conceito de sexualidade dos habitantes originais das Américas era muito diferente do europeu, que tinha uma visão moral e religiosa sobre o tema. Nas culturas mesoamericanas (como eram conhecidas as civilizações indígenas da região que vai do centro do México à América Central), o sexo era um elemento de ordem social, explica Enrique Vale, editor da revista Arqueologia Mexicana, que publicou os ensaios.


"A sexualidade ia além da função reprodutiva, era vista como uma maneira de assegurar a marcha do mundo", disse Vale à BBC.


 


Salão secreto


Durante centenas de anos, as práticas sexuais das civilizações mesoamericanas foram praticamente ocultadas, e mesmo na época moderna o tema foi abordado sob um ponto de vista moral.


Em 1926, por exemplo, o antropólogo Ramón Mena reuniu uma mostra de esculturas fálicas e outros objetos das civilizações pré-colombianas que faziam referência à sexualidade.


A coleção, no entanto, nunca foi aberta ao público e permaneceu escondida durante várias décadas em um salão secreto do antigo Museu Nacional de Antropologia na Cidade do México.


Muitas peças eram falsas, mas as que tiveram sua legitimidade confirmada foram distribuídas depois em mostras das diferentes culturas pré-colombianas.


 


Rito de passagem


Os ensaios publicados na revista Arqueologia Mexicana revelam, por exemplo, que a homossexualidade era uma prática comum na civilização maia.


Este era um elemento a mais na formação dos jovens, explicam os antropólogos Stephen Houston e Karl Taube no ensaio "A sexualidade entre os antigos maias".


"As relações entre pessoas do mesmo sexo eram próprias do tempo dos ritos de passagem, em que um menino se transformava em um homem", explicam.


A homossexualidade está presente em quase todas as culturas pré-colombianas, mas foi abordada de maneiras diferentes pelas diferentes civilizações.


Por exemplo, entre os astecas, que dominavam a região central do que é hoje o México, as relações entre pessoas do mesmo sexo não eram bem vistas.


Este elemento se refletia também nas divindades pré-colombianas, muitas das quais tinham, em maior ou menor escala, aspectos femininos e masculinos, explica o historiador Guilhem Olivier em seu ensaio "Entre o pecado nefando e a integração. A homossexualidade no México antigo".


 


Masturbação ritual


Em algumas culturas, a masturbação era um tema vinculado à fertilização da terra.


Os maias, como outras civilizações mesoamericanas, praticavam a masturbação como uma maneira de fecundar a terra, que em algumas civilizações era considerada um símbolo feminino.


"Há indícios de que os maias tinham objetos sexuais de madeira, usados como consolos e descritos pudicamente em um relatório arqueológico como uma efígie fálica", afirmam.


A atitude frente à masturbação é uma das práticas que torna mais evidente a diferença entre as culturas pré-colombiana e espanhola, diz Vela.


Há ainda outro elemento: em algumas culturas mesoamericanas, o erotismo não era um elemento central na sexualidade, mas era visto como uma forma de ordenar o planeta, que tem um lado feminino e um lado masculino, assim como existia o em cima e o embaixo, afirma o editor.


 


Fogo e sal contra os adúlteros


Em termos gerais, as transgressões sexuais eram castigadas com severidade nas culturas mesoamericanas.


O adultério, por exemplo, era castigado com a morte em algumas civilizações, e em outras, como a dos astecas, permitia ao marido traído arrancar a mordidas o nariz dos adúlteros.


Os purepechas tinham outro castigo: no caso dos adúlteros terem assassinado o marido, o amante era queimado vivo enquanto água com sal era jogada sobre ele até sua morte.


O adultério era castigado por uma forte razão: em algumas culturas, acreditava-se que a prática causava desequilíbrio para a comunidade e o cosmos, destacam Miriam López e Jaime Echeverría em seu ensaio "Transgressões sexuais no México antigo".


A presença do transgressor provocava desgraças, como a perda de colheitas ou a morte de crianças, e em alguns casos chegava-se a acreditar que ela poderia provocar o fim de uma época.


 Como exemplo, eles citam que o líder asteca Moctezuma destruiu um local de prostituição, porque acreditava que as transgressões públicas das prostitutas teriam feito com que os deuses permitissem que os espanhóis chegassem e impusessem seu domínio. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.



Fonte: (13 Jul 2010). Estradão.com: http://www.estadao.com.br/noticias/geral,arqueologos-estudam-praticas-sexuais-de-civilizacoes-pre-colombianas,580460,0.htm

Autoria e outros dados (tags, etc)

por noticiasdearqueologia às 13:08

Terça-feira, 13.07.10

Escavações arqueológicas: Em Beja e até às instalações da antiga tipografia do DA







As escavações arqueológicas prévias à construção do novo edifício dos serviços técnicos da Câmara Municipal de Beja estendem-se agora aos terrenos onde esteve instalada a tipografia do Diário do Alentejo (DA).





As escavações arqueológicas prévias à construção do novo edifício dos serviços técnicos da Câmara Municipal de Beja estendem-se agora aos terrenos onde esteve instalada a tipografia do Diário do Alentejo. Esta nova fase de prospecção foi antecedida da demolição de uma parte do edifício, nomeadamente, na remoção de chapas de fibrocimento e de asnas metálicas.


Os trabalhos de arqueologia atravessam uma fase de maior ritmo, uma vez que à equipa que se encontra a trabalhar no projecto irão associar-se, durante os próximos meses, mais de duas dezenas de estagiários dos vários ciclos de ensino ministrados pelo Centro de Estudos Arqueológicos das Universidades de Coimbra e Porto.


O estudo arqueológico desta área tem um custo superior a 361 mil euros, financiado em 80% por fundos comunitários, através do InAlentejo – Programa Operacional Regional do Alentejo 2007/2013.


As escavações decorrem desde 2009, nos terrenos do antigo edifício da Rua da Moeda, destruído por um violento incêndio. Trabalhos que de acordo com a arqueóloga Conceição Lopes, coordenadora da intervenção, já permitiram “delimitar o comprimento do templo romano (integrado numa grande praça – fórum romano), identificar o seu lado de entrada bem como o seu estado de conservação”.


O projecto de construção do futuro edifício dos serviços técnicos do Município de Beja é da autoria do arquitecto Eugénio Castro Caldas e deverá ser implementado em perfeito diálogo com as necessidades de preservação e exposição dos achados arqueológicos.



Fonte: Ana Elias de Freitas (6 Jul 2010): Rádio Voz da Planície: http://www.vozdaplanicie.pt/index.php?q=C/NEWSSHOW/38733

Autoria e outros dados (tags, etc)

por noticiasdearqueologia às 13:04

Terça-feira, 13.07.10

Arqueólogos encontram túnel inacabado em tumba de faraó

O chefe de arqueologia do Egito, Zahi Hawass, disse que foram necessários três anos de escavação


Arqueólogos egípcios que completaram as escavações em um antigo túnel inacabado acreditam que ele deveria conectar uma tumba faraônica de 3.300 anos a um túmulo secreto, informa o departamento de antiguidades do país.




Associated Press



O chefe de arqueologia do Egito, Zahi Hawass, disse que foram necessários três anos para escavar o túnel de 174 metros na tumba do faraó Seti I, no Vale dos Reis. O faraó morreu antes do projeto se completar.


Descoberto em 1960, o túnel só agora terminou de ser liberado pelos arqueólogos, que descobriram antigas miniaturas, fragmentos de cerâmica e instruções deixadas pelo arquiteto aos trabalhadores.


"Erga a trave da porta e aumente a passagem", lê-se numa inscrição de uma porta falsa decorativa. Ela estava escrita em hierático, uma versão simplificada dos hieróglifos. 


Em outras partes do túnel foram encontrados rascunhos de decorações que nunca chegaram a ser executadas, disse Hawass.


O faraó Seti foi um dos fundadores da 19ª Dinastia do Novo Reinado, conhecida por suas expedições militares considerada o auge do poder do Antigo Egito. O filho de Seti, Ramsés II, construiu templos e estátuas por todo o Egito.


Fonte: (30 Jun 2010). Estradão.com: http://www.estadao.com.br/noticias/vidae,arqueologos-encontram-tunel-inacabado-em-tumba-de-farao,574257,0.htm

Autoria e outros dados (tags, etc)

por noticiasdearqueologia às 13:01


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Julho 2010

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031





Arqueo logos