Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

NOTÍCIAS DE ARQUEOLOGIA

O Património é um bem comum... Preservá-lo só depende de cada um de nós...



Terça-feira, 01.12.09

Tese de Mestrado de Alcina Cameijo: Arqueóloga propõe Centro de Interpretação para o Mileu

A arqueóloga Alcina Cameijo defendeu, recentemente, uma tese de Mestrado, na Faculdade de Letras de Coimbra, onde propõe a musealização da estação arqueológica do Mileu, na Guarda, e a criação de um Centro de Interpretação alusivo ao Mundo Romano.

“Dar Voz às Pedras: a Musealização do Conjunto Patrimonial do Mileu” foi o tema defendido, com êxito, pela arqueóloga, natural de Rapoula do Côa, Sabugal, no âmbito do Mestrado em Museologia e Património Cultural.


foto Alcina Cameijo explicou ao Jornal A Guarda que no trabalho apresentado “quis delinear uma estratégia concertada que visasse não só a preservação no tempo das ruínas, mas também a sua valorização e musealização”. “Neste sentido, o meu objectivo foi fazer a conjugação entre a conservação e o respeito pelo sítio arqueológico, por um lado, e a sua apresentação de forma atractiva, mas rigorosa e fundamentada para o seu uso social, por outro”, disse.

Recordou que a estação arqueológica do Mileu é conhecida desde os anos 50 do século XX e tem sido alvo de discussão desde a sua identificação a três níveis: no campo da conservação, do debate científico e da valorização.

Com o objectivo de valorizar o sítio, a arqueóloga apontou a criação de um Centro de Interpretação “que abarcasse não apenas o sítio arqueológico, mas antes uma temática mais abrangente, da qual a estação arqueológica era representativa, o Mundo Romano”. “Assim, e com base nas estruturas e materiais arqueológicos, propusemo-nos criar um discurso museológico novo e didáctico que, para além de ajudar a compreender o passado e a história do sitio arqueológico, servisse para sensibilizar sobre a necessidade de preservar e proteger os frágeis e não renováveis vestígios arqueológicos, mas também um local atractivo que permitisse o divertimento e a fruição do público”, explicou.

O projecto de valorização e interpretação que propõe para o local contempla dois aspectos: a musealização ao ar livre de parte das estruturas e a construção de um Centro de Interpretação que “será instalado num edifício novo criado de raiz e será designado de Centro de Interpretação do Mundo Romano (CIMR)”.

Notícia completa in: (26 Nov 2009). Jornal A Guarda:  http://www.jornalaguarda.com/index.asp?idEdicao=327&id=17656&idSeccao=4346&Action=noticia

Autoria e outros dados (tags, etc)

por noticiasdearqueologia às 16:54

Terça-feira, 01.12.09

Falsas obras de arte do BPN alvo de peritagem








 

"O que está em causa é verificar se usou dinheiro do banco para comprar arte. Se há locupletamento [enriquecimento] ilegítimo de bens e a autenticidade de peças de arte do Antigo Egipto", revelou ao Económico Cândida Almeida, directora do Departamento de Investigação e Acção Penal (DCIAP), adiantando que está a ser feita uma "peritagem" às peças de arte. A revelação surge depois da conclusão do primeiro inquérito do caso BPN com a acusação a Oliveira Costa e mais 23 arguidos.


A colecção comprada pelo BPN, durante a presidência de Oliveira Costa entre 2004 e 2006, tem sido descrita na imprensa como "egípcia" e integra os activos classificados como "extravagantes" pelo actual presidente da SLN, Miguel Cadilhe. É composta por várias dezenas de peças trabalhadas em ouro (também alvo de análise para garantir se são de ouro) que alegadamente remontam à Idade do Cobre (calcolítico) e por estatuetas em pedra que representam a deusa da fertilidade.


São muitas as dúvidas lançadas pela procuradora-adjunta: "De onde vieram as peças de arte? Esta colecção é autêntica ou não? Comprou como verdadeiras? ".


É precisamente as respostas a estas questões que Oliveira Costa se furtou a esclarecer, nos últimos meses, no âmbito do primeiro inquérito ao caso BPN, concluído a 21 de Novembro. Os esclarecimentos do ex-banqueiro poderiam ter, admite Cândida Almeida, acelerado os dois inquéritos autónomos em curso que investigam obras de arte (um à autenticidade desta colecção e outro ao desaparecimento de quadros avaliados em 2,5 milhões de euros). A peritagem sobre as colecção de arte surge depois do director do Museu Nacional de Arqueologia ter confirmado junto da PJ as conclusões do relatório da conservadora do Museu que dá conta que são peças na sua maior parte falsas. "Após os esclarecimentos à PJ, sugeri o recurso a três arqueólogos/peritos de arte para o tipo de peças da colecção", adiantou ao Económico Luís Raposo.



Realça como um dos pontos que sustenta a conclusão do relatório do Museu o facto de ter sido dito que foram encontradas em território nacional. "É totalmente impossível. Seria o mesmo que dizer tratarem-se de peças incas descobertas em território nacional", sustentou Luís Raposo, que é arqueólogo especializado no período pré-histórico. Os investigadores pretendem ver explicado se tratam de cópias e se quem vendeu (um coleccionador nacional) e quem comprou (o BPN) sabiam, ou não, se era "gato por lebre".







O Ministério Público desencadeou uma peritagem à colecção de arte pré-histórica que o BPN comprou por cinco milhões de euros e que integra peças falsas e outras de autenticidade muito duvidosa. Para o efeito, o director do Museu Nacional de Arqueologia sugeriu três especialistas, depois de ter confirmado junto da Polícia Judiciária as conclusões de um relatório que conclui que o negócio protagonizado por Oliveira Costa inclui dezenas de peças falsas. Muitas dúvidas permanecem nos dois inquéritos autónomos às obras de arte, em curso, tendo, nos últimos meses, o ex-banqueiro recusado esclarecer. Oliveira Costa terá ainda de explicar em Tribunal se usava, preferencialmente, o dinheiro do BPN para comprar arte.Fonte:  Lígia Simões (29 Nov 2009). Diário Económico: http://economico.sapo.pt/noticias/falsas-obras-de-arte-do-bpn-alvo-de-peritagem_75606.html



Autoria e outros dados (tags, etc)

por noticiasdearqueologia às 16:41


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Dezembro 2009

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031





Arqueo logos