Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

NOTÍCIAS DE ARQUEOLOGIA

O Património é um bem comum... Preservá-lo só depende de cada um de nós...



Sábado, 21.03.09

Arqueólogo Cláudio Torres diz que é preciso "apagar" visão errada sobre civilização islâmica

O arqueólogo Cláudio Torres defendeu hoje a necessidade de "apagar" a visão errada sobre a civilização islâmica e lembrou que, durante cinco séculos, "a língua de cultura" no sul da Península Ibérica foi o árabe.



"Toda a história portuguesa e os nossos heróis fundadores são fundadores contra alguém e esses são os vencidos, que foram espadeirados, esmagados e chacinados pelas gentes do norte", afirmou à agência Lusa, defendendo que é preciso mudar a forma como se encara esse "mundo dos vencidos".



O arqueólogo e director do Campo Arqueológico de Mértola (CAM) falava à Lusa na Universidade de Évora, à margem de um colóquio internacional, que arrancou hoje, dedicado ao rei-poeta árabe Almutâmide, natural de Beja, e à poesia luso-árabe.



A iniciativa, que termina sábado, é organizada pelo Centro de Estudos Documentais do Alentejo (CEDA), Centro Interdisciplinar de História, Cultura e Sociedades (CIDEHUS) da Universidade de Évora e pelo município local.



Segundo Cláudio Torres, especialista nas matérias relacionadas com a civilização islâmica, a visão actual sobre esta cultura ainda é errada.



"Esse tipo de visão obviamente não está resolvida. Ainda estamos a tentar apagar e retirar toda uma 'ganga' pesadíssima de hábitos culturais, universitários e escolares que continuam a repetir os mouros, os bandidos, os bárbaros e os invasores, quando nada disso existiu", argumentou.



Pelo contrário, continuou, tratou-se de uma civilização "pacífica, ligada à terra e à agricultura, que tinha aqui [no sul da Península Ibérica] uma vida cultural e de cidades que foi destruída pela invasão ocidental".



O "velho" al-Andalus (nome pelo qual era conhecido o território árabe peninsular do século VIII ao século XV), esse sim, frisou o arqueólogo, é que foi "conquistado violentamente pelas gentes do norte, pelos senhores feudais".



A investigação sobre a riqueza cultural e civilizacional do Islão ainda hoje está "no princípio", mas não pode ser dissociada do espaço do Mediterrâneo.



"Hoje estamos a compreender a civilização islâmica como integrada em todo o Mediterrâneo e todos estamos a perceber, depois da guerra do Iraque, que o Mediterrâneo é fundamental para sobrevivermos como civilização, como cultura e como identidade", defendeu.



Sobre o papel dos poetas do Garb al-Andalus (zona ocidental do território árabe peninsular, correspondente a Portugal), Cláudio Torres lembrou que o árabe, nessa altura, "era a língua de cultura", pelo que era no sul, onde existiam as grandes cidades, "que os saberes literário e científico estavam a nascer".



"Não podemos nunca entender a civilização ibérica em toda a sua plenitude sem perceber a contribuição decisiva da língua árabe como língua de cultura, durante cinco séculos", sustentou o arqueólogo, que é "doutor honoris causa" pela UE.



O colóquio internacional em Évora, com a presença de arabistas e investigadores, não apenas nacionais, mas também espanhóis e marroquinos, vai ainda homenagear António Borges Coelho, o "pioneiro contemporâneo do arabismo português" e autor do livro "Portugal na Espanha Árabe".



Para Cláudio Torres, o historiador, antigo docente da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa e um dos fundadores do CAM, foi "decisivo na investigação islâmica" em Portugal e, através do ensino universitário, "meteu nesta aventura milhares de jovens".



"Borges Coelho abriu uma página decisiva na investigação histórica e literária, até como fantástico tradutor da poesia árabe. Ele é o nosso 'papa' e iniciador, é a nossa referência mais importante, para este período", disse.



Fonte: RRL/MLM (13 Mar 2009). Lusa/Fim / Visão: http://aeiou.visao.pt/cultura-arqueologo-claudio-torres-diz-que-e-preciso-apagar-visao-errada-sobre-civilizacao-islamica=f499561


Autoria e outros dados (tags, etc)

por noticiasdearqueologia às 23:38

Sábado, 21.03.09

Escavações revelam ossadas humanas no Largo das Freiras (Guarda)

Um ossário e dois enterramentos, um de criança e outro de adulto, foram encontrados nas sondagens arqueológicas.

Fonte: Jornal A Guarda

 




Um ossário e dois enterramentos, um de criança e outro de adulto, foram encontrados nas sondagens arqueológicas que estão a ser desenvolvidas num local conhecido por Terreiro das Freiras ou Largo das Freiras, nas proximidades do antigo Convento de Santa Clara, na cidade da Guarda. A intervenção está a ser realizada por uma equipa de três arqueólogos e uma antropóloga física da Câmara da Guarda, no âmbito do projecto de recuperação de várias ruas do Centro Histórico. «São sondagens de diagnóstico para verificar se existem vestígios ou não nas áreas que são afectadas pela obra», contou ao Jornal A Guarda o arqueólogo Vítor Pereira. Segundo o responsável, naquele local já foi realizada uma sondagem e está em curso uma segunda onde foram encontrados os ossos humanos e vestígios de edifícios. «Na primeira sondagem não encontrámos nada», contou. Acrescentou que quando foi iniciada a segunda «sabíamos que em 1997 tinham surgido diversos ossários e havia a necessidade de fazer sondagens de diagnóstico para tentar perceber se existiam outros vestígios no local». «Até ao momento, confirmámos que existiam vários ossos dispersos pela sondagem e começaram a surgir os enterramentos, já estando dois confirmados. Temos material cerâmico associado e, nas proximidades, dois muros, duas estruturas arqueológicas. Entretanto, como a escavação está a decorrer, ainda não permitiu concluir se corresponderia a um edifício ou a uma igreja», disse o arqueólogo, salientando que, até aos séculos XVIII/XIX existem referências que a antiga igreja de S. Tiago devia localizar-se naquele local ou nas proximidades. Vítor Pereira indicou que após a realização das sondagens «iremos tirar as conclusões possíveis», sendo ainda cedo para o fazer. «Estamos muito no início, temos uma estrutura arqueológica que ainda não conseguimos perceber a que estrutura pertence e, possivelmente, existirão ainda mais enterramentos e é muito cedo para tirar conclusões. De qualquer das formas, é sempre interessante conhecermos melhor o passado do Centro Histórico da Guarda».

                 

Fonte: (16 Mar 2009). Guarda digital: 

http://www.guarda.pt/noticias/sociedade/Paginas/EscavacoesrevelamossadashumanasnoLargodasFreiras(Guarda).aspx

Autoria e outros dados (tags, etc)

por noticiasdearqueologia às 23:32

Sábado, 21.03.09

A 'Capela Sistina do Antigo Egipto'

Novos achados em Luxor




Descoberta raridade: um túmulo totalmente pintado e decorado


Chamam-lhe já a "Capela Sistina do Antigo Egipto". Uma equipa hispano-egípcia, liderada por José Manuel Galán, encontrou em Luxor, na margem do Nilo, uma câmara funerária pintada há 3500 anos, anunciou o Conselho Superior de Investigações Científicas de Espanha.


O túmulo, que faz parte da necrópole de Dra Abu el-Naga, tem as paredes e o tecto completamente pintados com desenhos e hieróglifos do Livro dos Mortos e seria de Djehuty, que foi um escriba real, supervisor do tesouro e dos trabalhos dos artesãos do rei sob as ordens de Hatshepsut, uma das poucas mulheres que foram faraós, filha de Tutmosis I (18.ª dinastia), cujo reinado durou de 1479 a 1457 antes de Cristo.


"Este é o sonho de qualquer egiptólogo", disse José Manuel Galán, citado pelo El Mundo. "Para além do indubitável valor estético, é importante porque nesta época não se decoravam as câmara funerárias. Só se conhecem outras quatro câmaras assim", explicou durante a apresentação da descoberta à imprensa. "O facto de Djehuty ter decidido pintar o seu túmulo coloca-o entre as figuras mais importantes e influentes da época", explica Galán, o director da equipa que, desde 2004, está a trabalhar em Luxor (antiga Tebas).


O túmulo, uma sala quadrada de 3,5 metros de largura e 1,5 metros de altura, terá sido uma dos primeiros a ser completamente decorado com pinturas, dizem os inves-tigadores. A equi- pa encontrou ainda uma entrada para uma outra divisão onde se encontrava um par de brincos de ouro que, provavelmente, pertencia a Djehuty ou a algum dos seus familiares. "Nesta época, os homens importantes da corte adoptaram o costume de se adornar com brincos, moda que pouco depois seria também adoptada pelos próprios faraós", explicou o egiptólogo.


Galán esclareceu ainda que as duas paredes que restam do túmulo estão cobertas com passagens do Livro dos Mortos, enquanto no tecto está pintada uma imagem da deusa do céu, Nut, que aparece com os braços abertos para abraçar o corpo do defunto, protegendo-o nesta sua nova existência.


A equipa de arqueólogos vai continuar a trabalhar nesta área e espera fazer mais descobertas valiosas. "Mas de nada serve encontrar vestígios desta importância se depois os abandonamos à sua sorte", disse José Manuel Galán. Por isso, a próxima campanha de escavações desta mesma equipa internacional dedicar-se-á, fundamentalmente, à preservação dos vestígios arqueológicos de Luxor.


Fonte: M. J. C. (18 Mar 2009). Diário de Notícias: http://dn.sapo.pt/inicio/interior.aspx?content_id=1174389



Autoria e outros dados (tags, etc)

por noticiasdearqueologia às 23:26

Sábado, 21.03.09

Achados arqueológicos expostos no museu de Silves

O Museu Municipal de Arqueologia de Silves tem patente a mostra “Reservas em Exposição”, até ao próximo dia 30 de Maio.


O objectivo desta exposição é mostrar espólio arqueológico proveniente de três escavações realizadas na área urbana da cidade de Silves: castelo, rua da Arrochela e residência paroquial.


 


“Este legado é apenas uma amostra dos inúmeros achados encontrados nestas zonas”, frisa a organização, acrescentando que entre as diferentes matérias encontradas estão peças de metal (cobre, bronze e ferro), osso e pedra.


 


Ainda assim, a maioria dos bens apresentados na exposição correspondem a produções cerâmicas, sendo que “este é o tipo de material mais comum encontrado nas escavações até hoje efectuadas nas zonas mencionadas”, adiantam os responsáveis.


 


As peças que agora são exibidas no museu foram conservadas e restauradas e que têm permanecido em reserva neste museu.


 


Fonte: (20 Mar 2009). Jornal do Algarve: http://www.jornaldoalgarve.pt/artigos.aspx?id=9817

Autoria e outros dados (tags, etc)

por noticiasdearqueologia às 23:19


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Março 2009

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031





Arqueo logos