Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

NOTÍCIAS DE ARQUEOLOGIA

O Património é um bem comum... Preservá-lo só depende de cada um de nós...



Sábado, 04.10.08

Nau portuguesa do século XVI em risco de ser submersa na Namíbia

Equipa luso-namibiana trabalha em contra-relógio até 10 de Outubro

para salvar segundo navio deste tipo recuperado à escala mundial por

especialistas

A nau quinhentista portuguesa descoberta em Abril ao largo de

Oranjemud, no Sul da Namíbia, corre o risco de voltar a ficar submersa

a partir de 10 de Outubro, último dia para manter a céu aberto o local

da escavação garantido pelo consórcio Namdeb, formado pelo Governo

namibiano e pelo grupo diamantífero sul-africano De Beers. Uma

informação de que o Ministério da Cultura português não dispunha até

ontem, reconheceu ao PÚBLICO o assessor de imprensa Rui Peças. "Vamos

tentar perceber o que se passa", afirmou.

Segundo uma notícia avançada ontem pela agência francesa AFP, o

governo namibiano e a De Beers, um dos maiores produtores mundiais de

diamantes - que ao longo dos últimos seis meses têm custeado juntos a

preservação do achado -, não pretendem continuar a gastar os 1700

euros diários que a operação implica. Ao PÚBLICO, o arqueólogo

Francisco Alves, da equipa que está a proceder à escavação e estudo da

"mais importante descoberta de sempre da arqueologia náutica

subsariana", confirmou o deadline, mas mostrou--se optimista quanto à

possibilidade de se conseguir concluir o trabalho de recuperação nas

próximas duas semanas.

"Estamos a trabalhar diariamente para limpar e dar continuidade à

extracção de todo o material dentro do prazo e hoje mesmo conseguimos

retirar a única parte da estrutura do navio que ainda está conexa",

anunciou Francisco Alves, director da divisão de Arqueologia Náutica e

Subaquática do Instituto de Gestão do Património Arquitectónico e

Arqueológico (Igespar). "Todos os dias estamos a encontrar coisas

novas - moedas, âncoras de ferro, pedaços de canhão, espadas,

astrolábios e instrumentos de navegação da época -, até já perdemos a

conta" ao tesouro já recuperado do navio, afirma (ver caixa). Mas é um

trabalho difícil, já que o navio está "ensanduichado" entre a

rocha-mãe e uma "camada extremamente dura" resultante de produtos de

corrosão e oxidação misturados com pedras e algas, explica o

arqueólogo. Por outro lado, há pedaços da nau dispersas numa grande

área em redor.



Vitória sobre os piratas

Ao PÚBLICO, o arqueólogo sublinha que, após a escavação que dirigiu da

Nau da Pimenta, em S. Julião da Barra, em 1998, este é apenas "o

segundo navio do mesmo tipo à escala mundial" que está a ser

recuperado por uma equipa de especialistas de várias nacionalidades.

Uma vitória para os arqueólogos na muito acesa lutra contra os

caçadores de tesouros, de cujas mãos o tesouro do navio está agora

praticamente a salvo. "A Namíbia tem dado provas de boas práticas" a

nível da preservação de achados arqueológicos, sublinha Francisco

Alves, um dos dois especialistas portugueses nesta missão (o outro é

Miguel Aleluia).

Apesar de a Namíbia ainda não ter ratificado a convenção da UNESCO que

protege o património arqueológico e estipula a partilha do achado,

Francisco Alves considera que "estão reunidas condições de

cordialidade" de forma a assegurar o interesse comum dos dois países

no património, tendo em conta a cooperação rara que tem havido entre o

país do achado e o país de bandeira do navio. No entanto, a verdade é

que, à luz da lei da Namíbia (idêntica à portuguesa), todo o

património encontrado nas suas águas territoriais é sua propriedade.

O levantamento de objectos, até agora, tem sido feito por

especialistas portugueses, namibianos e zimbabueanos graças a um

financiamento da Namdeb. Mas, segundo Peingeondjabi Shipoh,

responsável pelo projecto no Ministério da Cultura namibiano, citado

pela AFP, "manter o muro artificial de areia, que sustém as correntes

fortes do Atlântico e permite aos especialistas fazer o seu trabalho

custa 100 mil dólares namibianos por dia [1700 euros]", e essa despesa

apenas está assegurada por mais 12 dias.

As escavações estão a decorrer numa espécie de ilha ao contrário: uma

área de 60 por 30 metros situada a seis ou sete metros abaixo do nível

do mar, mas que se encontra a céu aberto graças aos muros. "A partir

de 10 de Outubro não vamos manter mais estes muros e os restos do

navio vão voltar a ser entregues aos elementos, ainda que eu tenha a

certeza que há ainda coisas por descobrir", diz Shipoh.



Um tesouro de 70 milhões em peças de valor inestimável

Uma autêntica arca do tesouro. Logo em Abril, quando foi anunciada a

descoberta na exploração diamantífera de Oranjemund, Namíbia, se soube

que a nau quinhentista transportava uma quantidade incalculável de

ouro, prata, cobre e marfim, além de objectos de valor histórico e

cultural inestimável como astrolábios e instrumentos de navegação da

época.

A caravela, que inicialmente se pensou poder ser a do explorador

Bartolomeu Dias, o primeiro a dobrar o Cabo da Boa Esperança, foi

encontrada por trabalhadores da De Beers. Estes estranharam a presença

de estruturas em madeira e grandes pedras redondas que posteriormente

se concluiu tratar-se de canhões de bronze. Entretanto foram

encontradas mais de 2300 moedas em ouro do século XVI, muitas em

prata, 13 toneladas de lingotes de cobre, dezenas de presas de

elefante e cerca de 600 quilos de objectos como instrumentos de

navegação e espadas. Uma descoberta cujo valor de mercado poderá

ascender aos 70 milhões de euros mas cujo valor cultural é

"inestimável", segundo Francisco Alves, que viajou para a Namíbia a

convite do consulado português na África do Sul e numa missão

coordenada entre o Igespar e o Ministério dos Negócios Estrangeiros.

Francisco Alves traça o perfil de uma descoberta que define como

verdadeiramente extraordinária: "Este navio é o mais bem preservado da

sua época fora de Portugal e há tantas moedas em ouro que talvez seja

mesmo a mais importante descoberta africana à excepção do Egipto".

Em termos históricos, os arqueólogos ainda não têm a certeza sobre o

tipo de navio em causa, pois "parece ser de uma tonelagem bem maior do

que uma caravela". "Nos próximos tempos este achado vai tornar mais

legíveis outros anteriores", frisa Francisco Alves ao PÚBLICO.

Fonte: Leonete Botelho (29 Set 2008). Público.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por noticiasdearqueologia às 21:57

Sábado, 04.10.08

Galerias romanas da Rua da Prata ganham vida e reconstroem a história

Longa fila e grande entusiasmo à entrada, mas um ar de desilusão à

saída pelo pouco que há para ver

Numa iniciativa associada às comemorações das Jornadas Europeias do

Património, a Câmara Municipal de Lisboa reabriu ontem as galerias

romanas da Rua da Prata. Com acesso gratuito, até ao meio da tarde

cerca de 800 visitantes já por ali tinham passado. Porém, à saída,

muitos confessavam-se desiludidos.

Clara Antunes disse que foi atraída ao local pelas "notícias que foi

vendo", mas, ao regressar das entranhas da Baixa lisboeta, a jovem

revelou que "esperava mais, pois tinha expectativas muito elevadas".

Clara queixava-se, sobretudo, "do pouco que havia para ver" e do facto

de no interior "haver muita água, o que tornou a visita

desconfortável".

Muitos outros visitantes, jovens e adultos, acrescentavam outras

queixas. João Martins lamentava o "intenso cheiro no interior",

enquanto Ana Paula Ventura, comerciante na Rua dos Correeiros, que fez

a visita pela manhã, disse "não valer a pena o tempo de espera", para

depois "ver nada".

A fila para a entrada, cujo acesso se faz pela Rua da Conceição,

estendia-se até à Rua dos Correeiros. Mas em outras ocasiões já foi

bem pior. Conta uma das responsáveis pela visita, Isabel Cameira,

arqueóloga do Museu da Cidade, que no ano passado, "durante o

fim-de-semana, a fila chegou a ter cinco horas de espera", e houve

quem para ali se deslocasse às cinco da manhã para serem os primeiros

a entrar". Muitos turistas também são atraídos à visita simplesmente

pela confusão que observam naquele local.

Em grupos de pouco mais de 20 pessoas, os visitantes descem à história

de Lisboa de forma calma. Começam por ver pequenos espaços dispostos

lateralmente utilizados na época romana como compartimento, passam por

arcos em cuidada cantaria de pedra almofadada e abóbadas, onde são

visíveis as marcas das tábuas de madeira que serviram para a sua

construção. O ponto alto da visita é a "Galeria das Nascen-

tes", também chamada "Olhos de Água", que ostenta a fractura a partir

da qual brota a água que invade o recinto.

No interior, uma guia do Museu da Cidade descreve durante pouco mais

de dez minutos a história do local, "construído pelos romanos na

primeira metade do século I a.C., e redescoberto em 1771 durante a

reconstrução da cidade de Lisboa na sequência do terramoto de 1755".

A funcionalidade da obra durante a época romana esteve ligada às

"actividades portuárias e comerciais", explica a guia, acrescentando

que "propostas mais recentes indicam tratar-se de um criptopórtico",

construção empregue "em terrenos instáveis ou de topografia irregular

para criar uma plataforma de suporte a outras edificações.

O monumento abre durante os três dias pela primeira e única vez este

ano devido às condições de acessibilidade do local e às "fissuras

existentes nas quais não se pode prever o impacto de visitas

constantes", explicou a arqueóloga.

Fonte: Ana Nunes (27 Set 2008). Público

Autoria e outros dados (tags, etc)

por noticiasdearqueologia às 21:50

Pág. 3/3



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Outubro 2008

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031





Arqueo logos