Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

NOTÍCIAS DE ARQUEOLOGIA

O Património é um bem comum... Preservá-lo só depende de cada um de nós...



Quarta-feira, 28.11.07

Escorpião marinho era duas vezes maior do que um humano



Escorpião marinho era duas vezes maior do que um humano



Cientistas encontraram o fóssil da garra de um escorpião marinho com 2,5 metros de comprimento, uma criatura assombrosa que viveu antes da era dos dinossauros.


A descoberta da espécie, com 390 milhões de anos, ocorreu numa pedreira da Alemanha. Os cientistas da Universidade britânica de Bristol afirmaram, com base na descoberta, que os aracnídeos, insectos e crustáceos pré-históricos eram muito maiores do que se poderia pensar.


«Esta é uma descoberta incrível», declarou à Reuters o cientista Simon Brady, «há já algum que os registos fósseis nos mostravam centopeias monstruosas, escorpiões gigantescos, baratas colossais e libélulas enormes, mas ainda não tinhamos visto o tamanho de alguns desses bichinhos rastejantes e assustadores»


O resultado da pesquisa foi publicado na revista Biology  Letters, assinado por Brady e pelos seus colegas.


A garra do escorpião marinho, de nome Jaekelopterus rhenaniae, mede 46 cm. Não se sabe o motivo do crescimento desmesurado dos artrópodes pré-históricos, criaturas com esqueleto externo e corpos segmentados.


Alguns cientistas acreditam que o processo foi despoletado pela elevada concentração de oxigénio na atmosfera, como acontecia na época.


Outra teoria, mais darwinista, sustenta que os animais se envolveram numa «corrida ao armamento» contra as suas possíveis presas: os peixes pré-históricos, que têm carapaça.


In: (21 Nov 2007). SOL/Reuters: http://sol.sapo.pt/PaginaInicial/Vida/Interior.aspx?content_id=67737


Autoria e outros dados (tags, etc)

por noticiasdearqueologia às 21:32

Quarta-feira, 28.11.07

Brasil: exposição "Lusa - A Matriz Portuguesa" regista recorde de visitantes


Patente ao público desde 11 de Outubro, no Centro Cultural do Banco do Brasil (CCBB), um dos principais espaços de exposição do Rio de Janeiro, a mostra estará patente até 10 de Fevereiro de 2008.


Depois do Rio de Janeiro, a exposição seguirá para Brasília, onde ficará entre 25 de Fevereiro e Abril, com a possibilidade de ser exibida posteriormente em São Paulo, indicou Marcelo Dantas, produtor do evento.


A mostra inclui 147 peças de 38 instituições portugueses, algumas das quais nunca atravessaram o Atlântico e outras nunca deixaram Portugal.


Entre o acervo da exposição, estão cerca de 40 peças consideradas verdadeiros tesouros portugueses, como um guerreiro em granito e um colar de ouro celtas.


Um dos principais objectivos da exposição é assinalar o bicentenário da chegada do príncipe regente D. João e da família real portuguesa ao Brasil.


Notícia continua in: 28 Nov 2007. Lusa: http://noticias.sapo.pt/lusa/artigo/9WrbQT9w3TFq%2FBdDt0gDHw.html

Autoria e outros dados (tags, etc)

por noticiasdearqueologia às 19:12

Quarta-feira, 28.11.07

Caminha: Obras hipotecadas por extinção do DGEMN

As obras de reabilitação da ponte românica de Vilar de Mouros, consideradas "urgentes" desde há três anos, ainda não avançaram devido à extinção da Direcção-Geral de Edifícios e Monumentos Nacionais (DGEMN), explicou hoje a Câmara de Caminha.



Em comunicado, a Câmara lembra que a tutela daquela obra pertencia à DGEMN, que desenvolveu o respectivo projecto, já concluído.


A extinção daquele organismo veio suspender uma obra que, directamente, até nem terá custos para o Estado, uma vez que a Câmara está disposta a pagar os trabalhos de reabilitação, estimados em cerca de 20 mil euros", refere o comunicado.


Acrescenta que a Câmara está agora "a fazer todos os esforços" para assinar um protocolo com o Instituto de Gestão do Património Arquitectónico e Arqueológico (IGESPAR), sem o qual a obra não pode avançar uma vez que a ponte está classificada como monumento nacional.


O IGESPAR resultou da extinção e fusão do Instituto Português de Arqueologia (IPA) e do Instituto Português do Património Arquitectónico (IPPAR). "Com a nova organização, falta agora apenas definir quem fica responsável pela obra", sustenta a Autarquia.


Datada do século XIII, a ponte românica de Vilar de Mouros "aguarda desde há cerca de três anos por obras, já nessa altura consideradas urgentes, como é o caso do arranjo do pavimento, também de uma parte das guardas e dos aquedutos".


A Câmara reconhece que a inauguração do troço da A-28, entre Viana do Castelo e Caminha, "veio pressionar ainda mais a ponte, que agora está sujeita a um tráfego acrescido, embora a travessia tivesse sido proibida à circulação de pesados e limitada a velocidade aos 10 quilómetros por hora para os ligeiros".


No Outono de 2004, o presidente da Junta de Vilar de Mouros, Carlos Alves, alertou para o "perigo iminente" em que se encontra a ponte românica da freguesia e exigiu "medidas urgentes" para evitar a ruína daquele monumento nacional.


"A ponte apresenta um abatimento significativo no pavimento e uma série de fissuras nos arcos e aquedutos, pelo que inspira muitos cuidados. Não tenho dúvidas de que, se nada for feito, ela acabará por cair", disse o autarca comunista.


Carlos Alves reivindica mesmo a construção de uma nova ponte em Vilar de Mouros, ficando aquela, "de elevado valor sentimental" para as gentes da freguesia, destinada apenas a peões.


A ponte românica de Vilar de Mouros é, neste momento, o único elo de ligação entre os diversos lugares da freguesia, que está dividida pelo rio Coura.


"A única alternativa seria atravessar o rio pela ponte de Caminha, o que obrigaria a uma volta de cerca de sete quilómetros", referiu o autarca.


Há cerca de quatro anos, a Direcção-Geral dos Monumentos Nacionais fez uma intervenção na ponte que, segundo Carlos Alves, "não passou de uma pequena operação de cosmética".


"Fizeram a limpeza do local e o enchimento das juntas e pouco mais", criticou o autarca, sublinhando que a solução passa por uma "intervenção de fundo, que não poderá demorar muito", sob pena de se perder um dos 'ex-libris' da freguesia.
In: (26 Nov 2007). TVNET/Lusa: http://www.tvnet.pt/noticias/detalhes.php?id=14807 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por noticiasdearqueologia às 19:02

Quarta-feira, 28.11.07

Rosto do menino do Lapedo (24 mil anos)

Tinha uns quatro anos quando morreu, há 25 mil anos. Em 1998, descobriram o esqueleto. Mas só víamos ossos ou visões artísticas. A primeira reconstituição forense revela-lhe o rosto.


 Brian Pierson trabalhou mais de dez anos em Hollywood, como artista de efeitos especiais em filmes como o Titanic, O Último Samurai, Alien: o Regresso ou Star Trek: Insurreição. Não lhe faltam monstros e seres fantásticos no currículo, mas procurava outros desafios intelectuais, pelo que decidiu fazer um doutoramento em antropologia e especializar-se em reconstituições faciais forenses na Universidade de Tulane, em Nova Orleães. Foi assim que, este ano, um artista de efeitos especiais se cruzou com a criança do Lapedo e lhe reconstituiu a cara com técnicas forenses. Tal e qual como faz o FBI.



          

            

 É esse rosto que pode ver-se agora pela primeira vez. O arqueólogo português Francisco Almeida apresenta hoje esta reconstituição facial à comunidade científica, no Simpósio sobre Realidade Virtual, Arqueologia e Património Cultural em Brighton, no Reino Unido.
Brian Pierson aparece nesta história por causa de Francisco Almeida, do Instituto de Gestão do Património Arquitectónico e Arqueológico (Igespar), que tem participado, como comissário científico, na criação de um pequeno museu no local onde se descobriu o esqueleto da criança - o Abrigo do Lagar Velho, no Vale do Lapedo, perto de Leiria.
No início do próximo ano, o museu deverá abrir ao público num terreno sobranceiro ao vale, onde há 25 mil anos alguém sepultou a criança, de quatro a cinco anos, com todo o cuidado, seguindo um ritual. Purificaram a sepultura com fogo e embrulharam a criança numa mortalha, com oferendas e ocre vermelho.
Mestiça ou não
Em Novembro de 1998, espeleólogos que procuravam arte rupestre no vale encontravam o esqueleto, deixado à vista por uma máquina que abriu uma estrada. Numa escavação de emergência, os arqueólogos Cidália Duarte, Ana Cristina Araújo e João Zilhão, então do Instituto Português de Arqueologia (agora integrado no Igespar), recuperaram o esqueleto da primeira e ainda única sepultura paleolítica encontrada na Península Ibérica. Nem no dia de Natal pararam de escavar, afinal, na altura, aquele era também o único esqueleto quase completo de uma criança do Paleolítico Superior na Europa, o que, só por si, já era um achado arqueológico de relevância mundial.
Só que a história da criança do Lapedo teria um picante adicional: podia ser mestiça. Erik Trinkaus, um antropólogo norte-americano a quem João Zilhão (então presidente do Instituto Português de Arqueologia) falou da descoberta, detectou nos ossos características morfológicas resultantes de um cruzamento reprodutivo entre dois tipos de homens. Tal implicava a ocorrência de sexo entre dois grupos humanos distintos: o homem moderno, a espécie da criança do Lapedo, que é a mesma do que a nossa, e o homem de Neandertal, extinto há 28 mil anos.
Assim, o esqueleto passou a estar no meio de um debate intenso sobre evolução humana, já que o relacionamento destes dois grupos humanos estava (e continua a estar) envolto em polémica. Fizeram amor e tiveram filhos? Ignoraram-se, e por alguma razão os Neandertais desapareceram? Ou guerrearam-se, até à chacina completa dos Neandertais pelos homens modernos?
Fizeram amor - foi a resposta da equipa que estudou o esqueleto, pelo que a criança do Lapedo se tornou notícia mundial. Apresentava, por exemplo, as pernas curtas como os Neandertais e as ancas estreitas como os homens modernos. Também possuía queixo, um traço dos humanos modernos, inexistente nos Neandertais, só que estava metido para dentro de
forma invulgar.
Descendência Neandertal
Não há dúvidas de que os dois humanos coexistiram alguns milhares de anos no espaço e no tempo (os humanos modernos chegaram à Europa há cerca de 40 mil anos, enquanto os Neandertais sempre só cá estiveram, desde há 300 mil anos).
Mas, além de sexo, outro pormenor apimentava a história: a criança nasceu três mil anos depois da extinção dos últimos Neandertais, na Península Ibérica, para onde vieram recuando do Médio Oriente e do resto da Europa. Portanto, seria um descendente longínquo desses híbridos de humanos modernos e Neandertais, que poderia resolver o mistério sobre o relacionamento de ambos. Punha em causa, na interpretação da equipa, a ideia dominante de que os Neandertais se extinguiram sem descendência: continuaram a existir, só que através de nós. Uma ideia que, no entanto, outros cientistas não aceitam. Só quando surgirem novas provas esmagadoras um dos lados da discussão poderá ceder. Até lá, esgrimem argumentos, com uma nova frente de debate, agora centrada no ADN de Neandertais e de homens modernos.
Depois da descoberta da criança, fizeram-se mais escavações no Vale do Lapedo, coordenadas por Francisco Almeida. Ao mesmo tempo, ia tomando forma a ideia de criar um Centro de Interpretação do Abrigo do Lagar Velho, com a Câmara Municipal de Leiria, até porque durante as escavações o local recebia muitas visitas de cientistas e curiosos. "Uma das perguntas frequentes era: mas onde está o menino?", conta Francisco Almeida.
Estava em Lisboa, no Igespar, onde vai continuar guardado numa caixa construída para o efeito. É frágil demais para estar num museu pequeno, onde o controlo ambiental é complicado, por isso Francisco Almeida foi pensando em alternativas ao esqueleto para pôr no Centro de Interpretação. Uma réplica do esqueleto na sepultura, em tamanho real? Por que não?
Para isso, bastava recuperar os ficheiros das tomografias axiais computorizadas (TAC) feitas, em tempos, ao esqueleto e ao crânio no Hospital Curry Cabral, em Lisboa: tinham sido enviados ao neurologista Christoph Zollikofer e à antropóloga Márcia Ponce de León, especialistas em reconstituições tridimensionais da Universidade de Zurique (Suíça). Foram eles que reconstituíram, em computador, o crânio da criança a três dimensões (para ver se havia sinais de mestiçagem, por exemplo). Desde então, passou a haver imagens tridimensionais de como seria a cabeça da criança, porque o crânio está muito fragmentado (só cerca de cem fragmentos se conseguem montar em pauzinhos de bambu e outros cerca de 240 estão tão partidos que nem se podem colar). Com essas imagens virtuais, construíram-se também as primeiras réplicas em resina translúcida.
O caso do enforcado
Foi a partir daquelas imagens tridimensionais, reenviadas da Suíça para Portugal, que o Instituto Politécnico de Leira fez uma réplica do esqueleto, através de impressão tridimensional (uma técnica que deposita gesso por camadas, banhado depois com resina). A ideia é, no final, colocar os ossos pintados numa réplica da sepultura, construída com silicone e sedimentos.
Ao mesmo tempo, Francisco Almeida ia enviando imagens deste trabalho a Trent Holliday, um antropólogo da Universidade de Tulane que tem participado em escavações no Vale do Lapedo. "Ele disse-me: "Tenho um estudante de doutoramento que se está a dedicar a reconstituições faciais"", conta Francisco Almeida.
Brian Pierson já tinha feito a reconstituição forense do rapaz de Turkana (ou de Nariokotome), o fóssil de um Homo erectus com 1,6 milhões de anos, descoberto no Quénia. Também ajudou a identificar o esqueleto de um homem encontrado enforcado na zona de Nova Orleães: depois de a reconstituição forense do rosto ter passado na televisão, a família reconheceu-o.
Agora, as capacidades de Brian Pierson na indústria cinematográfica e na reconstituição facial forense permitiram revelar como seria o rosto da criança do Lapedo. "Se a família do puto fosse viva, também ia reconhecê-lo", remata Francisco Almeida.
In: Teresa Firmino (28 Nov 2007). Público: http://jornal.publico.clix.pt/default.asp?url=%2Fmain2%2Easp%3Fdt%3D20071128%26page%3D8%26c%3DC ou edição impressa do Público, Quarta 28 de Nov 2007, p. 8-9.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por noticiasdearqueologia às 18:32

Segunda-feira, 26.11.07

Una exposición sobre el Imperio Romano reúne 500 piezas de 29 museos en Madrid

Roma SPQR 01


"La civilización de Roma no es una ruina, es algo que vive en nuestras culturas: las leyes, la lengua, las costumbres... Todos nos sentimos romanos", dijo ayer la catedrática de la Universidad Autónoma de Barcelona Isabel Rodá, comisaria científica de Roma SPQR (Senatus Populusque Romanus). Se trata de una exposición sobre el Imperio Romano que se adueña a partir de hoy de los 2.000 metros cuadrados del gran depósito del Canal de Isabel II en la plaza de Castilla, y a buen seguro conquistará al público.
Los fondos de la muestra proceden de España, Italia, Francia y Croacia


Más de un millón y medio de personas visitaron las anteriores exposiciones de la Fundación Canal dedicadas a las grandes civilizaciones: China y Los guerreros de Xi'an y Faraón, sobre el antiguo Egipto. Auguran el éxito las previsiones de la Comunidad y de su presidenta, Esperanza Aguirre, que recorrió ayer la escenografía romana concentrada "en uno de los espacios expositivos más singulares de Madrid, España e incluso de Europa".


El público lo comprobará a partir de hoy, hasta el 2 de marzo de 2008. Los ciudadanos del siglo XXI se sumergirán en un túnel del tiempo que recorre los 300 años que duró el Imperio Romano, desde su comienzo con Augusto (siglo I antes de Cristo) a su final con Constantino (siglo IV después de Cristo). La exposición se centra en la Roma imperial, la que ya en el siglo I se extendía desde las costas atlánticas del Noroeste (finis terrae) hasta las actuales Siria y Egipto, con el mar Mediterráneo como cauce expansivo.


Economía, leyes, artes, simbología, ejército, arquitectura y paisaje, religión, vida cotidiana, juegos y espectáculos y ritos funerarios son los ejes que estructuran la muestra. Se detiene especialmente en Hispania, el territorio que hoy ocupan los espectadores de esta recreación.


"Aprovechando las posibilidades del depósito del Canal (con atmósfera de catacumba gigante) hemos planteado la exposición como si se tratara de un yacimiento arqueológico, al que el público puede descender y contemplar los hallazgos", explicó ayer Manuel Blanco, comisario artístico de Roma y catedrático de la Universidad Politécnica de Madrid.


Y los hallazgos que contemplarán los curiosos son más de 500 piezas, procedentes de 29 museos nacionales e internacionales. Importantes fondos de Italia, Francia y Croacia, así como de centros españoles como el Museo del Prado, el de Arte Romano de Mérida, el Arqueológico Nacional, los arqueológicos de Cataluña y Ampurias y los de Córdoba, Cartagena y Sevilla.


Foto: Este rostro de Caracalla antoniniano de Roma( 215 d.C.) sirve de cartel a la exposición.


Junto a la experiencia contemplativa de las obras de hace tantos siglos, Roma SPQR incluye técnicas audiovisuales actuales. Hologramas y proyecciones recrean la vida cotidiana. Incluso hay un combate virtual de gladiadores. La existencia de cuerpo de bomberos (vigiles), el uso de construcciones desmontables, las tabernas como lugar de negocios, la moda de los spas (sanus per aqua) o los puestos de comida para llevar figuran entre las curiosidades de las urbes romanas que salen a relucir en la exposición madrileña.


Roma SPQR. Centro Arte Canal. Paseo de la Castellana, 214. Madrid. De 9.00 a 21.00, de lunes a domingo.


In R. RIVAS (21 Nov 2007). El País.com: http://www.elpais.com/articulo/madrid/
Catacumbas/rascacielos/elpepucul/20071121elpmad_10/Tes ou
http://terraeantiqvae.blogia.com/2007/112301-una-exposicion-sobre-el-imperio-romano-reune-500-piezas-de-29-museos-en-madrid.php

Autoria e outros dados (tags, etc)

por noticiasdearqueologia às 21:04

Segunda-feira, 26.11.07

Rede Portuguesa de Museus recebeu 25 pedidos de adesão em seis meses


Depois de três anos de encerramentos a candidaturas


A Rede Portuguesa de Museus (RPM), entidade tutelada pelo Ministério da Cultura que se dedica à credenciação e qualificação na área museológica, recebeu 25 pedidos de adesão nos últimos seis meses, revelou fonte oficial.
De acordo com fonte do Instituto dos Museus e da Conservação (IMC), desde 18 de Maio de 2007, Dia Internacional dos Museus, quando foi anunciada a reabertura das candidaturas à RPM, depois de três anos de encerramento, um total de 25 entidades pediram a entrada na rede.
Desde a sua criação, em 2000, a RPM - organismo certificador da qualidade e funcionamento dos espaços museológicos - tem vindo a promover a partilha de conhecimento, serviços, recursos e "boas práticas" nesta área.
A rede conta actualmente com 120 museus, incluindo museus nacionais, tutelados pelas delegações da cultura dos Açores e da Madeira, da administração local e central, de empresas públicas, privados, fundações, da Igreja Católica e das Misericórdias.
As candidaturas à RPM foram encerradas em 2004 para reavaliação dos parâmetros de credenciação dos museus, na sequência da publicação da Lei Quadro dos Museus, recordou a mesma fonte do IMC.
Questionada sobre o número de museus existentes actualmente em Portugal, a fonte do IMC indicou que ascende a um milhar, "o que não quer dizer que correspondam todos a museus, pois existem desde pequenas salas com espólios de todo o tipo a casas-museus, e outros espaços de carácter local ou regional"
.


Notícia continua in: (26 Nov 2007). Lusa / Público: http://ultimahora.publico.clix.pt/noticia.aspx?id=1311942


Autoria e outros dados (tags, etc)

por noticiasdearqueologia às 19:05

Domingo, 25.11.07

«Las recientes excavaciones de O Burgo no aportan datos ni a favor ni en contra de Turoqua»

La aparición del miliario de Adriano en la excavación de O Burgo de 1988 obligó a revisar todas las teorías anteriores sobre el origen de Pontevedra. El arqueólogo del Museo Provincial, Antonio de la Peña, identificó entonces la ciudad como la antigua mansión Turoqua de la vía romana XIX. Diecinueve años después, De la Peña subraya que esta es la teoría «más lógica» y extendida, aunque reconoce que también «es algo peligroso». «Cuando hablamos de historia antigua tenemos que estar con la mente muy abierta a que cualquier hallazgo puede modificar todo, pero Turoqua es la teoría de datos objetivos, no creencias», indicó.


El arqueólogo habló ayer de todas estas hipótesis sobre la ciudad, incluyendo la de Duos Pontes y la vía XX Per Loca Maritima, y explicó los anteriores hallazgos de O Burgo. «Ahora casi nadie se acuerda de las otras teorías -señaló-. En el 88 se dio un giro de 180 grados y no porque la excavación diese los datos que obligasen a cambiar la historia, sino que propició el ambiente. Al contextualizar el miliario se hizo una criba de datos y se pudo elaborar una teoría más acorde con lo que debió haber pasado. Turoqua es la teoría más lógica de entre varias posibilidades, es la que se basa en datos arqueológicos objetivos y no en creencias. Y si aplicamos el sentido común, y los romanos lo tenían, y había una vía de Tui a Padrón, lo lógico es que no pasase por Tourón. Tenían la depresión meridiana para trazar esta vía toda recta».


Eso sí, falta todavía un testimonio definitivo para darla como la única acertada. «Pues un miliario que ponga esto es Turoqua, pero es bastante difícil», ironiza De la Peña. «Lo que sí está claro es que no es Duos Pontes», añade.


Las recientes excavaciones en el mismo lugar de Pontevedra no han aportado datos «ni a favor ni en contra» de esta teoría, según el arqueólogo. «Quizá un pelín a favor de que la vía romana pasaba por aquí cerca -explica-, por el hecho de que aparezcan más miliarios. Por muy fuera de lugar que estén, son unas piedras suficientemente voluminosas como para andar llevándolas de un lado a otro. Esa concentración de miliarios quiere decir que la vía estaba cerca».


In: M. C. (22 Nov 2007).

 La voz de Galicia. es:
http://www.lavozdegalicia.es/pontevedra/2007/11/23/0003_6341920.htm

Autoria e outros dados (tags, etc)

por noticiasdearqueologia às 21:19

Quinta-feira, 22.11.07

Por primera vez muestran al público el sarcófago de "Geheset" en Egipto

La gran conservación del sarcófago de "Geheset", de 3.800 años de antigüedad, y sus decoraciones están dispuestas por primera vez al público en el Museo de Luxor ciudad donde fue encotrado en 2004 por arqueólogos alemanes, en la necrópolis de Dra' Abu el-Naga.

Fotos: EFE




"Geheset" fue la esposa de "Imeni", un juez faraónico. El sarcófago originalmente se hizo para el juez faraónico "Imeni", pero fue usado para su esposa y se adornó con textos religiosos e inscripciones en los que se puede leer "querida esposa Geheset".
In: (19 Nov 2007). La cronica de hoy. com: http://www.cronica.com.mx/nota.php?id_nota=333744

Autoria e outros dados (tags, etc)

por noticiasdearqueologia às 23:19

Quinta-feira, 22.11.07

ARQUEOLOGIA DE FAMALICÃO NA INTERNET

Os vestígios arqueológicos do povoado da Idade do Ferro que foram descobertos no Castro das Eiras, em Pousada de Saramagos, assim como, da Villa Romana achada na Estação Arqueológica de Perrelos, em Delães, no concelho de Vila Nova de Famalicão, já podem ser visitados e conhecidos virtualmente. Através do acesso ao novo portal arqueologia.vilanovadefamalicao.org (alojado no site do município em www.vilanovadefamalicao.org), qualquer pessoa pode ficar a conhecer melhor as civilizações que passaram pelo concelho de Famalicão há vários milhares de anos, e que por lá deixaram os seus vestígios, e se transformaram em achados arqueológicos.


Notícia continua in: (22 Nov 2007): http://ecultura.sapo.pt/NoticiaDisplay.aspx?ID=1098

Autoria e outros dados (tags, etc)

por noticiasdearqueologia às 23:03

Quarta-feira, 21.11.07

Rede Portuguesa de Museus vai contar com 580 mil euros

Instituto dos Museus e da Conservação


Trinta e um museus de diversas tutelas integrados na Rede Portuguesa de Museus (RPM) vão receber cerca de 580 mil euros para 57 projectos no âmbito do Programa ProMuseus, ao abrigo de protocolos que hoje serão assinados em Lisboa

Autoria e outros dados (tags, etc)

por noticiasdearqueologia às 22:47

Pág. 1/5



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Novembro 2007

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
252627282930





Arqueo logos