Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

NOTÍCIAS DE ARQUEOLOGIA

O Património é um bem comum... Preservá-lo só depende de cada um de nós...



Segunda-feira, 24.09.07

El secreto de los mayas

La historia de la cultura de los indígenas mexicanos y las causas de su decadencia continúan apasionando a antropólogos y arqueólogos de todo el mundo. Durante casi cuatro mil años, en el sureste de México y parte de los países centroamericanos, los mayas crearon imponentes ciudades con monumentos que han perdurado y desarrollaron las más avanzadas prácticas astronómicas y lingüísticas del continente americano antes de la llegada de los europeos. Hoy, la cultura maya es objeto de tanta atención como lo fue la egipcia a principios del siglo XX, porque aunque ignoramos tanto sobre ella, lo que sabemos permite vislumbrar una enorme riqueza artística y cultural desde que los conquistadores encontraron en la zona maya gran cantidad de restos arqueológicos que hablaban de una sociedad y una cultura avanzada y compleja. Sin embargo, la destrucción por motivos religiosos de casi la totalidad de los documentos escritos indígenas hizo aún más profundo el misterio, y éste no empezó a desvelarse sino hasta principios del siglo XX. La escritura maya es logosilábica, lo que significa que combina símbolos fonéticos y logogramas o palabras completas, a diferencia de los ideogramas de otras lenguas originarias como el náhuatl, lo que complicó aún más su comprensión, pues no fue sino hasta la década de 1970 cuando el desciframiento se aceleró, permitiéndonos empezar a comprender los textos sobrevivientes mayas, grabados en piedra, unos 10.000 en monumentos, dinteles y estelas.


mayas01


Pintura mural de dignatarios mayas en Bonampak, Chiapas, México.


Los mayas aparecieron hacia el 1800 antes de nuestra era, comenzando su período preclásico o de consolidación, que duró más o menos hasta el 250 de nuestra era. A partir de entonces, con la desaparición de Teotihuacán, que dominó incluso a los mayas pese a su lejanía geográfica, la civilización maya floreció en su etapa 'clásica', sus ciudades-estado crecieron en tamaño y población, y se enfrentaron por la dominación, especialmente las de Tikal y Calakmul, que forjaron alianzas a su alrededor para prevalecer, de un modo que recuerda la dominación alternada de Atenas y Esparta en la Grecia clásica. Uno de los puntos culminantes de esta etapa es el reinado, muerte y enterramiento del rey Pacal entre el 615 y el 683 de nuestra era. El descubrimiento de la tumba de Pacal en la pirámide conocida como Templo de las Inscripciones, realizado por el arqueólogo mexicano Alberto Ruz Lhuillier, cambió radicalmente la idea de que las pirámides mesoamericanas eran únicamente túmulos que cumplían funciones de templo. En el siglo X comienza un período de decadencia en el cual se abandonan primero las ciudades de las zonas bajas centroamericanas y después las del norte de Yucatán.


Este período de decadencia aún no se ha explicado de modo claro. Los más recientes descubrimientos incluyen como explicaciones posibles, al menos en parte, una serie de sequías recurrentes ocasionadas por variaciones de la intensidad solar, provocando escasez de los alimentos principales de los mayas, las judías, el maíz y, según se ha descubierto apenas este año, la mandioca, plantada en campos dedicados sólo a este cultivo, mientras la población crecía en exceso; el enfrentamiento bélico por nuevas tierras de cultivo, el desequilibrio de los sistemas ecológicos, la profundización de la brecha entre la élite del poder y el pueblo, y las presiones de sociedades no mayas. Pero el desarrollo de la cultura maya había creado un importante legado en cuanto al conocimiento, y especialmente en la astronomía y las matemáticas.


La astronomía, la pasión por conocer con exactitud los movimientos de los cielos, es la base de un calendario maya asombrosamente preciso, el Haab, puesto que los mayas utilizaban tres calendarios distintos. El Tzolkin era un calendario de trece meses de veinte días, de carácter esencialmente religioso y ritual, empleado entre otras cosas para intentar predecir el futuro por medios astrológicos. Por su parte, el calendario Katún o 'cuenta larga', que usaba series de veinte años, llamadas katunes, y series de veinte katunes, llamadas baktunes, de 144.000 días. Las 'eras' o ciclos completos estaban formadas por trece baktunes, un total de 5.200 años, al final de los cuales se iniciaba un nuevo siglo. En la cuenta larga, la era actual comenzó el 13 de agosto de 3114 antes de nuestra era y teminará el 21 de diciembre de 2012 para comenzar una nueva cuenta larga o era al día siguiente. Esto ha llevado a la creencia de una especie de 'profecía maya del fin del mundo' para esa fecha, que no sólo carece de bases, sino que se ha utilizado para la venta de una serie de productos. Del mismo modo en que no pasó nada relevante en el 3114 antes de nuestra era, nada indica que los mayas creyeran que ocurriría en el 2012.


El cero


Por su parte, el calendario Haab, que es el que asombra por su precisión, producto de largas y pacientes observaciones del cielo, era originalmente de dieciocho meses de veinte días, más 5 días 'nefastos', los últimos del año, para un año solar de 365 días. Vale la pena señalar que la diferencia entre esta cuenta y el año solar real obligó a los sacerdotes-sabios mayas a reunirse para decretar que cada cuatro años se tendría un día adicional, inventando así el año bisiesto en el 249 antes de nuestra era. El desajuste de este nuevo calendario se hizo evidente también al paso del tiempo, y en el año 775 de nuestra era, una nueva reunión fijó el año solar en 365,242 días. Este desarrollo astronómico no hubiera sido posible sin las matemáticas necesarias para computarlo, especialmente el concepto del cero, concebido hacia el año 36 antes de nuestra.


In: Mauricio José Schwarz (24 Set 2007). El Comercio Digital:


http://www.elcomerciodigital.com/gijon/20070924/sociedad/secreto-mayas-20070924.html


ou http://terraeantiqvae.blogia.com/2007/092401-el-secreto-de-los-mayas.php

Autoria e outros dados (tags, etc)

por noticiasdearqueologia às 21:30

Domingo, 23.09.07

HOBBIT, é uma nova espécie



A revista 'Science' publica estudo que confirma a tese original dos cientistas.
Descoberto há quatro anos na ilha indonésia de Flores, o Homo floriensis, como foi oficialmente baptizado, ficou rapidamente conhecido por hobbit e despertou de imediato uma discussão acalorada entre os antropólogos de todo o mundo.
A estatura diminuta (cerca de 90 centímetros) do "homem das Flores" levou os seus descobridores a classificá-lo na altura como uma nova espécie humana, mas as reacções não se fizeram esperar. A tese foi refutada por outros cientistas, que levantaram a hipótese de se tratar apenas de um exemplar isolado, que poderia inclusivamente ter algum problema genético.
Hoje, um equipa internacional de paleontólogos, liderada Matt Tocheri, do Instituto Smithsonian, nos EUA, publica na revista Science um estudo detalhado sobre os restos fossilizados do Homo floriensis e conclui pela tese original. O hobbit, que viveu há 18 mil anos naquela região do planeta, é afinal um representante de uma das mais antigas migrações humanas para a Ásia.
Decisiva para esta asserção foi o estudo dos ossos do pulso e do polegar do homem das Flores, que é idêntico ao dos primeiros hominídeos originários de África.


In: (21 Set 2007). Diário de Notícias: http://dn.sapo.pt/2007/09/21/ciencia/hobbit_e_mesmo_nova_especie.html


 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por noticiasdearqueologia às 11:02

Domingo, 23.09.07

ALMODÔVAR: Abertura de novo museu no Alentejo

A abertura de um museu dedicado à mais antiga escrita da Península Ibérica, visitas guiadas a monumentos, concertos, conversas e exposições vão marcar o "diálogo" dos alentejanos com o património, entre 28 e 30 deste mês.

As iniciativas são os "contributos" de 14 municípios do Alentejo para as Jornadas Europeias do Património (JEP), que se realizam em todo o país, centradas no tema "Património em Diálogo", para sensibilizar os povos para a importância da salvaguarda dos monumentos.


O Museu da Escrita do Sudoeste abre dia 29, em Almodôvar (Beja), para desvendar achados epigrafados com a mais antiga escrita da Península Ibérica, como uma estela funerária com uma das maiores inscrições da também conhecida como escrita tartéssica.


(cont.) In: (21 Set 2007). RTP: http://www.rtp.pt/index.php?article=299096&visual=16 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por noticiasdearqueologia às 00:06

Domingo, 23.09.07

FÓSSEIS DE HOMINÍDEOS mais antigos na Europa



 



 





Um crânio e esqueletos parciais de três adultos e um adolescente que viveram há 1,77 milhões de anos foram descobertos em Dmanissi, na Geórgia, o que faz deles os fósseis de hominídeos mais antigos encontrados até hoje fora de África.
Como se não bastasse o recorde, os restos fossilizados, que estão bem preservados, de acordo com os cientistas, mostram ainda uma série de características a um tempo primitivas e modernas, que é "surpreendente", e que traz novas peças ao puzzle da evolução humana.
Isso é, pelo menos, o que garante na edição de hoje da Nature o grupo de investigadores liderado por David Lordkipanidze, do museu nacional da Geórgia, que estudou o achado.
Os fósseis encontrados em Dmanissi, a 85 km a sudoeste de Tbilissi, a capital daquele república do Cáucaso, apresentam uma curiosa mistura de características primitivas e modernas. Entre as primeiras contam-se a altura dos indivíduos, entre 1,45 e 1,66 metros, um cérebro pequeno, entre 560 e 632 gramas, idêntica à massa cerebral de um australopiteco (anterior a estes, já que viveu entre há quatro e dois milhões de anos) e a ausência de torção do úmero (osso do braço), o que fazia com que tivesse as palmas das mão voltadas para a frente. As suas características modernas são, por exemplo, as proporções corporais quase idênticas, justamente, às do homem moderno.
Estes aspectos juntos fazem pensar, dizem os cientistas, em características de Homo habilis e Homo erectus (o segundo tendo sucedido ao primeiro no tempo) e na possibilidade de a história desta evolução ser afinal mais complexa, como o estudo de outro achado recente ocorrido no Quénia, e publicado também na Nature, já havia avançado. Num comentário ao artigo de Lordkipanidze e sua equipa, publicado nesta mesma edição da Nature, Daniel Lieberman, antropólogo de Harvard, coloca justamente esta questão, ao afirmar que os fósseis descobertos em Dmanissi "parecem pertencer ao Homo erectus em muitos aspectos", mas a sua variabilidade, que indica "uma estatura mais próxima do habilis do que do erectus", reflectem, assim, "a natureza transitória e variável dos primeiros Homo".


In: Filomena Naves (20 Set 2007). Diário de Notícias: http://dn.sapo.pt/2007/09/20/ciencia/fosseis_hominideos_mais_antigos_euro.html


Autoria e outros dados (tags, etc)

por noticiasdearqueologia às 00:03

Domingo, 23.09.07

VELOCIRAPTOR TINHA PENAS penas e seria parente da avestruz

Paleontologistas norte-americanos resolveram uma suspeita de anos ao demonstrar que o Velociraptor, o dinossauro com 'mau feitio' do filme Jurassic Park, afinal tinha penas, sugerindo que, se estivesse vivo, hoje seria uma espécie de avestruz estranha.


As conclusões dos investigadores de dois museus norte-americanos de História Natural, o American Museum of Natural History e o Field Museum of Natural History, estão descritas num artigo publicado hoje na revista Science.


Os cientistas sabem desde há vários anos que muitos dinossauros tinham penas e suspeitavam de que o Velociraptor seria um deles, provavelmente semelhante às actuais aves que não voam, como a avestruz.



O que os cientistas fizeram agora foi documentar a presença de penas num antebraço fóssil de um velociraptor desenterrado na Mongólia em 1998. Descobriram no espécime claras indicações de protuberâncias de penas grandes e outras saliências de penas pequenas, ancoradas no osso através de ligamentos. As saliências das penas também podem ser vistas em muitas das espécies dos actuais pássaros e são mais evidentes em pássaros com grande capacidade de voo.


"A falta de protuberâncias de penas não significa necessariamente que o dinossauro não tinha penas, mas encontrar protuberâncias de penas num velociraptor significa que ele definitivamente tinha penas", disse Alan Turner, o autor principal do estudo e paleontólogo no American Museum of Natural History e na Columbia University, em Nova Iorque.


"Isso é algo que já suspeitávamos, mas ninguém tinha sido ainda capaz de provar", sublinhou.


Até agora, os cientistas tinham descoberto apenas sinais de penas em fósseis de dinossauros descobertos numa determinada espécie de sedimentos de lagos, que favoreciam a preservação de pequenos animais.


O velociraptor ("Velociraptor mongoliensis", que significa "ladrão veloz") era um dinossauro carnívoro e bípede que caçava em bando.


Os investigadores salientam que "o tamanho deste dinossauro foi muito exagerado no filme 'Jurassic Park'" e que o espécime deste estudo, considerado normal, tinha cerca de 91 centímetros de altura, aproximadamente 1,5 metros de comprimento e pesava 13,5 quilos.


Dado que tinha asas anteriores relativamente pequenas quando comparadas com as de um pássaro actual, os autores sugerem que talvez um seu antepassado tenha perdido a capacidade de voar, mas tenha mantido as penas para proteger os ovos no ninho, controlar a temperatura ou ajudar em manobras como mudar de direcção enquanto corria.


"Quanto mais aprendemos acerca destes animais mais descobrimos que basicamente não há diferença entre os pássaros e os seus relativamente próximos antepassados dinossauros, como o velociraptor", disse Mark Norell, responsável pela secção de paleontologia do American Museum of Natural History e co-autor do estudo.


"Ambos tinham fúrculas ('ossos da sorte'), chocavam os ovos, tinham ossos ocos e eram cobertos de penas", realçou, considerando que "se animais como o velociraptor estivessem vivos hoje, a nossa primeira impressão seria a de que eram uns pássaros com ar muito estranho". O primeiro espécime de velociraptor foi descoberto precisamente pelo Museu Norte-americano de História Natural durante uma expedição à Mongólia, em 1925.


In: (20 Set 2007). Lusa:  http://noticias.sapo.pt/lusa/artigo/RDSXJ8pQ54RUOaAKSzkqIA.html

Autoria e outros dados (tags, etc)

por noticiasdearqueologia às 00:02

Domingo, 23.09.07

Limpeza subaquática leva a descoberta arqueológica

O Clube Subaquático de Portimão e o centro de mergulho Divers Cove, recolheram 200kg de resíduos e dois potenciais achados arqueológicos na limpeza subaquática e em terra das praias dos Caneiros e do Pintadinho.


Os dois potenciais achados arqueológicos foram, entretanto, alvo de declaração de achado junto do Centro Nacional de Arqueologia Náutica e Subaquática (CNANS). Um desses achados tem as características de um cepo romano.


In: (17 Set 2007): http://observatoriodoalgarve.com/cna/noticias_ver.asp?noticia=16318


Autoria e outros dados (tags, etc)

por noticiasdearqueologia às 00:01

Quinta-feira, 20.09.07

Buscan el templo de Augusto bajo la Catedral de Tarragona

Un equipo formado por doce expertos internacionales de las universidades de Palermo, Barcelona y el Institut Català d'Arqueologia Clàssica han iniciado esta semana las prospecciones geofísicas bajo el subsuelo de la Catedral de Tarragona con el objetivo de dilucidar si en él se encuentra el templo dedicado al emperador Augusto.


tarragona catedral


Foto: Comienza la prospección del subsuelo de la Catedral. Jaume Sellart/EFE.



Trabajos en el subsuelo


Durante estos días se recogerán los datos que serán analizados con la finalidad de identificar posibles vestigios conservados de la época posterior a Augusto. No se descarta tampoco realizar, más adelante, prospecciones arqueológicas selectivas.


Los trabajos actuales se realizan mediante la última tecnología y sin interferir en la actividad cotidiana. La prospección se hace hasta diez metros de profundidad con técnicas como la innovadora Tomografía de resistividad eléctrica.


Según el historiador Tácito, en el año 15 d.C. una representación de tarraconenses solicitaron al emperador la construcción de un templo de culto a su antecesor Augusto, que había muerto un año antes y que fue quien otorgó a Tarraco la capitalidad de la provincia.


Sería el primer templo que tendría dedicado fuera de Roma y tendría unas dimensiones similares al Partenón.


Posteriormente, a finales del siglo V o inicios del VI, se edificó la catedral de Tarragona. Se cree que bajo ésta se encuentra el templo de Augusto y es por ello que se llevan a cabo estas prospecciones, de las que se espera tener algunos resultados a finales de año.


De momento, según la directora del ICAC, Isabel Rodà, se puede certificar que en el subsuelo, bajo la nave central, existen restos bien delimitados. Estos pertenecerían a distintos tipos de estructuras, así como de varias épocas. A pesar de ello, se quiere prudencia hasta tener los resultados definitivos para poder asegurar si se trata o no del templo de Augusto.



Detectan en el subsuelo de la Catedral estructuras que podrían ser romanas


La construcción de la seo en los siglos XII y XIII se hizo en un solar que con anterioridad pudo albergar edificios vinculados, casi con toda seguridad, a antiguas creencias religiosas.


Las prospecciones geofísicas realizadas por un grupo de expertos en la nave central de la Catedral y la utilización de una tecnología basada en la fotografía térmica, han evidenciado la presencia de «muchas estructuras de gran potencia en el subsuelo de casi toda la superficie estudiada», anunció ayer Pietro Cosentino, catedrático de Geofísica de la Universidad de Palermo.


El profesor italiano, junto con el Arzobispado, la Facultat de Geologia de la Universitat de Barcelona y el Institut Català d'Arqueologia Clàssica, ha iniciado un proyecto de investigación dirigido a saber si en el mismo espacio se levantó el templo de Augusto.


Una red de electrodos distribuidos a lo largo de cincuenta metros han permitido «detectar formas geométricas que ahora deberán ser estudiadas», dijo Albert Casas, profesor de la Facultat de Geologia de la Universitat de Barcelona.


En las prospecciones se ha utilizado un sistema muy innovador, «que ha facilitado llegar a una profundidad de diez metros». Esta metodología facilita obtener una imagen tridimensional de espacios enterrados sin afectar a las estructuras existentes.



El resultado, por Navidad


El análisis de las imágenes captadas esta semana por un grupo de doce personas informará de las características geométricas de las estructuras localizadas. «Conocer las formas será el punto de partida para saber cómo tenemos que actuar en el futuro si finalmente se hace una excavación», dijo Cosentino, para añadir que «tendremos datos muy fiables». «Hemos hecho en tres días lo que con otra tecnología se hubiera realizado en cuarenta».


El profesor Casas anunció que en Navidad podría conocerse el resultado de la investigación. No descarta que, en función de los datos obtenidos, se haga una excavación «muy selectiva, levantando dos o tres baldosas del suelo de la Catedral».


In: (13 Set 2007). Europa Press: (http://www.20minutos.es/noticia/275566/0/
prospeccion/catedral/tarragona//)


Carles Gosálbez (14 Set 2007). Diário de Tarragonahttp://www.diaridetarragona.com/dtgn/noticia.php?id=21415&sec=1 


Terrae Antiquae: http://terraeantiqvae.blogia.com/2007/091401-buscan-el-templo-de-augusto-bajo-la-catedral-de-tarragona.php

Autoria e outros dados (tags, etc)

por noticiasdearqueologia às 00:22

Quarta-feira, 19.09.07

ALMODÔVAR reclama apoio do governo para estudo e valorização de Mesas do Castelinho


O município de Almodôvar (Beja) reclamou hoje o apoio do governo, suspenso por falta de verbas, para o estudo e valorização do sítio arqueológico das Mesas do Castelinho, um povoado fortificado da II Idade do Ferro do Sul.



"Seria importante que o Estado respeitasse o compromisso assumido de financiar o programa de intervenção nas Mesas do Castelinho, que é indispensável para a continuação do estudo e da valorização do sítio", disse à agência Lusa o presidente do município, António Sebastião.



De acordo com o autarca, em 2006, o então Instituto Português do Património Arquitectónico (IPPAR) "cancelou" o programa de intervenção no Povoado das Mesas do Castelinho e "suspendeu todos os financiamentos previstos".



"Isto, depois de o próprio IPPAR ter aprovado o programa e apresentado uma candidatura, também aprovada, para financiamento através do Programa Operacional da Cultura", co-financiado pelo terceiro Quadro Comunitário de Apoio para Portugal, no período 2000-2006, lembrou.



Para justificar a decisão, segundo António Sebastião, o IPPAR "alegou falta de verbas para garantir a comparticipação nacional no financiamento".



"É fácil abrir a boca para defender a valorização do património histórico, mas quando é preciso abrir os cordões à bolsa para jogar as mãos à obra, não há dinheiro", ironizou o autarca.



A decisão do IPPAR, lamentou António Sebastião, "bloqueou" o programa de intervenção, que contempla campanhas de escavações e a construção de um núcleo de interpretação do povoado, localizado na herdade do Monte Novo do Castelinho, na freguesia de Santa Clara-a-Nova, concelho de Almodôvar.



Desde então, a construção do núcleo, que "chegou a ser adjudicada", foi "suspensa", precisou o autarca.



As duas escavações realizadas em 2006 e a primeira deste ano, em Julho, "foram possíveis com reminiscências de financiamentos de campanhas anteriores", explicou hoje à Lusa o arqueólogo Amílcar Guerra, um dos responsáveis científicos das escavações.



Salientando a "relevância histórica" e "importância patrimonial" do povoado, classificado em 1990 como Imóvel de Interesse Público, António Sebastião reclamou o "apoio do Estado" para "garantir a aplicação efectiva do programa".



Neste sentido, o autarca apelou ao Instituto de Gestão do Património Arquitectónico e Arqueológico (IGESPAR), que resultou da fusão do IPPAR e do Instituto Português de Arqueologia, para "contemplar o financiamento do programa de intervenção no próximo Quadro de Referência Estratégico Nacional (QREN)", a vigorar a partir deste ano e até 2013.



A Lusa contactou hoje a Direcção Regional de Cultura do Alentejo, mas os serviços informaram que o director regional, José Nascimento, estava ausente.



A segunda campanha de escavações deste ano e a 17/a no povoado, disse António Sebastião, "está a decorrer com o apoio da autarquia, que comparticipou os trabalhos de campo através de uma verba de cinco mil euros".



No terreno estão dois arqueólogos e seis estudantes de arqueologia da Universidade de Lisboa, apoiados por 10 trabalhadores locais e coordenados por Amílcar Guerra e Carlos Fabião, os responsáveis científicos das escavações.



"Até dia 29 deste mês, a equipa vai continuar a escavar a zona das estruturas e a estudar o espólio recolhido", explicou Amílcar Guerra, adiantando que, após a actual campanha, as escavações "deverão continuar em Julho de 2008, se houver condições financeiras".



Apesar de conhecido como local de "interesse arqueológico" desde o século XIX, o Povoado das Mesas do Castelinho só foi alvo dos primeiros estudos com carácter sistemático em 1987, após uma "violenta destruição" por parte do seu antigo proprietário.



Desde então, por iniciativa da Câmara Municipal de Almodôvar e da Junta de Freguesia de Santa Clara-a-Nova, em parceria com o IPPAR, a equipa da Universidade de Lisboa, através de duas campanhas de escavações por ano, uma em Julho e outra em Setembro, tem vindo a coordenar os estudos no sítio, bem como a sua recuperação e valorização.



Os estudos efectuados até ao momento, frisou Amílcar Guerra, permitem afirmar que o povoado terá sido fundado por volta dos séculos IV ou V A.C, época a que remontam os mais antigos vestígios recolhidos até à data, sendo que os mais abundantes são de origem romana e os mais recentes de origem árabe.



As diversas campanhas arqueológicas realizadas colocaram a descoberto várias fortificações, construídas entre a Idade do Ferro e o período omíada.



A idade do ferro "é identificada pela presença de um conjunto de grandes recipientes cerâmicos de fabrico manual, decorações estampilhadas, ânforas de tipologia ibero-púnica e cerâmicas pintadas com bandas".



Já o período omíada é identificado pelo "grande número de exemplares de cerâmica fina, sobretudo de cariz utilitário".



As peças de maior interesse arqueológico encontram-se sob a guarda dos responsáveis científicos das escavações e, segundo Amílcar Guerra, o espólio até agora recolhido "é apenas uma pequeníssima parcela do muito que o Povoado das Mesas do Castelinho tem para oferecer aos investigadores".


In: LL. (19 Set 2007). Lusa / Expresso: http://expresso.clix.pt/gen.pl?p=stories&op=view&fokey=ex.stories/120409


Autoria e outros dados (tags, etc)

por noticiasdearqueologia às 23:36

Quarta-feira, 19.09.07

POVOADOS CASTREJOS candidatos à UNESCO



Os mais importantes povoados castrejos do Noroeste Peninsular vão ser integrados numa rede que será candidata a Património Europeu, classificação recentemente criada pela UNESCO, revelou hoje Armando Coelho, um dos promotores da iniciativa.


«Na área abrangida pelo norte de Portugal, Galiza e Astúrias existem mais de seis mil castros, mas apenas vão ser propostos para integrar esta rede os mais importantes, que são cerca de quatro dezenas», afirmou o especialista em cultura castreja, em declarações à Lusa.


Segundo Armando Coelho, a rede que será proposta para classificação deverá incluir cerca de duas dezenas de castros no norte de Portugal, uma dezena e meia na Galiza e uma dezena na zona ocidental das Astúrias.


O especialista admitiu que o processo de candidatura dos castros do Noroeste Peninsular possa ser entregue «até final de 2008».


A ideia de avançar com a candidatura surgiu em 2004, na sequência de um colóquio realizado pelo Centro de Estudos de Arqueologia Castreja, instalado na Citânia de Sanfins, em Paços de Ferreira.


Na altura, foi formado um grupo de trabalho, envolvendo também a Sociedade Martins Sarmento, de Guimarães, que procedeu a um levantamento dos castros existentes e contactou com as autoridades envolvidas.


«Nesta altura, temos quase concluído o processo de criação desta rede à classificação de Património Europeu», revelou Armando Coelho, numa referência a uma classificação criada em 2006 pela UNESCO.


«Optamos pela classificação de Património Europeu por considerarmos que é mais adequada aos objectivos que pretendemos, o que não invalida que alguns dos locais que constam da rede não possam mais tarde a ser candidatos a Património Mundial», salientou.


Segundo o especialista, a iniciativa pretende «mostrar que o norte de Portugal, a Galiza e as Astúrias têm uma história comum, que começou no primeiro milénio antes de Cristo».


Nessa perspectiva, os cerca de 40 povoados castrejos que serão candidatos à classificação pela UNESCO «são os que apresentam maior potencial científico e cultural, que é necessário defender e estudar».


Armando Coelho defendeu também que a valorização dos povoados castrejos pode funcionar como «alavanca de desenvolvimento», já que permitirá criar postos de trabalho, prestigiar a região e rentabilizar o património cultural através do aproveitamento turístico.


«A classificação dos castros numa rede integrada permitirá criar uma espécie de rota castreja», salientou. A candidatura dos castros do noroeste peninsular será apresentada numa cerimónia que se realiza sexta-feira à noite na Casa de Cultura da Trofa.


A escolha deste município resulta no facto de ter no seu território o Castro de Alvarelhos, considerado por Armando Coelho como de «excepcional importância patrimonial».


«O Castro de Alvarelhos era a capital da antiga Terra da Maia, que ia do mar até à Serra da Agrela», frisou.


In: (19 Set 2007). Lusa/SOL: http://sol.sapo.pt/PaginaInicial/Cultura/Interior.aspx?content_id=56176


Autoria e outros dados (tags, etc)

por noticiasdearqueologia às 23:35

Quarta-feira, 19.09.07

Vila Real de S. António: trabalhos arqueológicos em túmulo megalítico


Decorrem, desde o passado dia 2 de Julho, por iniciativa do Centro de Investigação e Informação do Património de Cacela da Câmara Municipal de Vila Real de Santo António, trabalhos arqueológicos num túmulo megalítico localizado junto à aldeia de Santa Rita.


Este importante sítio arqueológico, identificado no âmbito do levantamento do património histórico e arqueológico da freguesia de Vila Nova de Cacela, representa um dos últimos túmulos megalíticos bem conservados existentes na região.
Estas escavações arqueológicas têm como objectivo o estudo da pré-história e do fenómeno megalítico da região, aspecto suportado por uma política patrimonial que vem sendo defendida pelas autoridades locais e que assenta em cinco pilares fundamentais: investigação, protecção, divulgação, valorização e musealização do património arqueológico da região.
A primeira fase dos trabalhos decorre até Setembro e visa caracterizar a estrutura arquitectónica do túmulo megalítico, bem como recolher amostras que possibilitem uma primeira aproximação cronológica, através da datação por radiocarbono, e à paisagem paleo-vegetal da área envolvente.
Depois, uma equipa de arqueólogos, geólogos e antropólogos irá estudar as evidências arqueológicas.



In: (11 Set 2007). Rádio Horizonte: http://www.algarvenoticias.com/noticias/artigo.php?op=a87ff679a2f3e71d9181a67b7542122c&id=cb953f6ca5923f7517125db46ed1293d

Autoria e outros dados (tags, etc)

por noticiasdearqueologia às 23:13



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Setembro 2007

D S T Q Q S S
1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
30