Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

NOTÍCIAS DE ARQUEOLOGIA

O Património é um bem comum... Preservá-lo só depende de cada um de nós...



Quarta-feira, 06.01.16

Investigadores à procura de “segredos” arqueológicos e históricos em Vouzela

Especialistas, investigadores e historiadores têm até 2019 para descobrir “os segredos” históricos e arqueológicos do concelho de Vouzela. Um projecto que que tem como objectivo estudar e mostrar o património de um território que é a “porta de entrada” entre o Litoral e a Beira desde a pré-história

Uma das fases das escavações está a incidir sobre a época medieval, e em busca da Torre de Bandavises ENRIC VIVES-RUBIO
  • As universidades Nova de Lisboa (UNL) e do Algarve e a Câmara de Vouzela juntaram-se para “dar à luz do dia” muito do património histórico e arqueológico que existe no concelho de Lafões e que ainda é desconhecido. Os especialistas querem tratar o que já existe e descobrir “o que se sabe que existe” mas que ainda não foi encontrado. 

“Vamos fazer uma intervenção para descobrir a Torre de Bandavises, sabemos que existe. Vamos tentar ver se a encontramos”, exemplificou Catarina Tente, investigadora do Instituto de Estudos Medievais da UNL e uma das coordenadoras de um projecto que tem como objectivo, até 2019, fazer o estudo e valorizar o património histórico e arqueológico da região.

Uma das fases desta investigação vai incidir sobre a época medieval, anunciou a historiadora, salientando que se trata de um levantamento que já está a ser feito. “Vouzela tem, de certeza, um dos maiores acervos do país e com documentação dos tempos mais antigos”, sublinhou.

“Esta é uma região muito importante, porque está num ponto fundamental do território que liga o Litoral à Beira. Vouzela foi sempre uma porta de entrada, desde a pré-história. Do ponto de vista científico, este é um território muito atractivo”, justificou a historiadora.

O projecto, que vai ser apresentado à tutela em Maio próximo e é candidato aos fundos comunitários, está dividido em três vertentes. Segundo Catarina Tente, há uma parte que envolve a investigação “pura e dura” com a prospecção do património que já é conhecido dentro do concelho. A ideia “é ter mais e melhor informação”. Numa segunda linha de orientação, além da monitorização do património, a equipa que vai estar no terreno pretende trazer “à luz do dia” novos achados, partindo da investigação e efectuando sondagens em sítios considerados importantes cronologicamente. Por fim, é intenção dos responsáveis dar “especial atenção” ao espólio, nomeadamente ao que já existe no museu local, que “carece de revisão e estudo”.

“O resultado é ter um museu pronto a ser inaugurado com muitos conteúdos, que possa contribuir para a diferenciação que o concelho quer ter”, desejou a especialista.

“Este é um projecto multidisciplinar e multicronológico. Vamos explorar ao máximo a arqueologia e a história, mas chamando outras ciências que nos vão ajudar a obter mais conhecimentos sustentados”, concluiu.
Para os envolvidos neste projecto, o que se vai conseguir no futuro é “aumentar o conhecimento sobre o passado do concelho, revelar património histórico e arqueológico até agora desconhecido, recuperar e valorizar património já conhecido e torná-lo mais acessível a todos através de sinalização, conteúdos explicativos e reconstituições multimédia”, como explicou Rui Ladeira, presidente da Câmara de Vouzela.

Para as instituições de ensino, significa, por um lado, “colocar os alunos em contacto com a realidade da investigação científica e das práticas profissionais”, de acordo com António Faustino, da Universidade do Algarve. Já o seu colega da UNL, Francisco Caramelo, o exemplo de Vouzela “deveria ser seguido por outras autarquias do país”.

“Temos assistido a alguns desvarios, mas as autarquias e as universidades têm sido bons exemplos de responsabilidade para com as comunidades e de boa aplicação dos dinheiros públicos”, salientou.

 

Valorização das torres medievais de Vilharigues, Alcofra e Cambra
O presidente da Câmara de Vouzela anunciou que estão a ser estudadas formas de valorizar as torres medievais de Vilharigues e de Alcofra através de projectos museológicos. “A senhoralização da região de Lafões” e “Quotidianos e vivências da casa medieval” são os projectos previstos para estes dois monumentos, respectivamente.

 Também a torre de Cambra será dotada, à semelhança das duas anteriores, de conteúdos explicativos para o visitante, que poderá ainda aceder, através de dispositivos móveis, a uma reconstituição multimédia. Ainda para Cambra, o autarca anunciou a elaboração de um projecto museológico sobre a freguesia e o seu território. 

Fonte: (04.01.2016): http://www.publico.pt/local/noticia/investigadores-a-procura-de-segredos-arqueologicos-e-historicos-em-vouzela-1718683

Autoria e outros dados (tags, etc)

por noticiasdearqueologia às 10:45



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Janeiro 2016

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31





Arqueo logos