Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

NOTÍCIAS DE ARQUEOLOGIA

O Património é um bem comum... Preservá-lo só depende de cada um de nós...



Terça-feira, 30.03.10

Sorpresa en Oia con forma de barco

Los arqueólogos descubren en el monte de Mougás el único grabado rupestre que representa una embarcación tradicional autóctona de hace más de 4.000 años.


Los montes de Oia han vuelto a dar una sorpresa a los arqueólogos por su riqueza prehistórica. El Instituto de Estudios Vigueses acaba de participar en el descubrimiento de un nuevo petroglifo en forma de embarcación en un área cercana al curro de Mougás y a la casa forestal.


El hallazgo es insólito porque es el único grabado rupestre conocido con esta forma. Bien es verdad que a una distancia relativamente cercana se han encontrado las únicas representaciones de embarcaciones complejas que dan cuenta de una primitiva actividad comercial con el Mediterráneo.


A diferencia de estas, el petroglifo encontrado representa una nave muy simple, una especie de balsa compuesta por un casco estrecho y un mástil con una forma de media luna que podría representar una vela.


Las características del símbolo conducen a pensar que hacen referencia a una nave autóctona empleada por los primitivos pobladores de Oia, hace más de cuatro mil años.


Proa y mástil


El cuerpo de la nave tiene la forma de un pequeño rectángulo con un extremo levantado en forma de proa, con el mástil situado en el centro.


Este curioso petroglifo fue localizado en la zona denominada como Alto das Veigas, en una superficie en la que también pueden contemplarse combinaciones circulares y otros elementos del más remoto repertorio iconográfico.


El estado de conservación del resto prehistórico es bastante bueno en general, pese a estar expuesto a la intemperie sometido a todo tipo de condiciones externas, pero puede apreciarse perfectamente durante las horas de luz rasante.


Autores


El hallazgo fue obra de Cándido Verde Andrés y junto con el arqueólogo y vicedirector del Instituto de Estudios Vigueses Fernando Javier Costas Goberna han publicado el estudio de investigación en el número 14 del boletín Glaucopis de esta institución.


«No podemos encontrar ningún elemento hasta estas fechas en el repertorio iconográfico de los petroglifos del noroeste de la península Ibérica semejante a la figura», manifiestan los autores en la publicación.


El hallazgo se suma a la gran cantidad de restos arqueológicos encontrados en los montes de Oia, un recurso que el Ayuntamiento aún tiene pendiente de explotar para poner en valor su patrimonio e intentar rentabilizarlo para el turismo, ya que no existen políticas para la catalogación, conservación y promoción de los tesoros arqueológicos de sus montes.


Por otro lado, la destrucción de esta riqueza patrimonial ha sido galopante en los últimos años. La degradación de los grabados rupestres pide a gritos, según los ex pertos, medidas para evitar la desaparición de un valioso legado.


Fonte: Alejandro Martínez  (13 Mar 2010). La voz de Galicia: http://www.lavozdegalicia.es/vigo/2010/03/14/0003_8353783.htm

Autoria e outros dados (tags, etc)

por noticiasdearqueologia às 21:19

Terça-feira, 30.03.10

Una especie humana desconocida vivió hace 40.000 años en Siberia






El hallazgo en el sur de Siberia de los restos de una clase de homínido desconocido de hace 40.000 años está destinado a revolucionar algunos de los conceptos clave de la paleontología moderna.

El hallazgo en el sur de Siberia de los restos de una clase de homínido desconocido de hace 40.000 años está destinado a revolucionar algunos de los conceptos clave de la paleontología moderna. De hecho, se trata de una especie contemporánea a la nuestra y de la que no había noticias hasta ahora. Una especie humana, otra, inteligente y que vivió al mismo tiempo que nuestros antepasados y que los neandertales, el otro grupo humano que en aquél momento habitaba en Asia y Europa. El excepcional descubrimiento se publica hoy en Nature.

Un espectacular y poco frecuente descubrimiento acaba de alterar para siempre lo que sabemos (o creíamos saber) sobre cómo el hombre moderno consiguió poblar el mundo a partir de su continente natal, África. Durante largas décadas, los paleontólogos han ido dibujando un cuadro en el que, durante los últimos 40.000 años, aparecían dos únicos protagonistas: los neandertales, que en aquél tiempo ocupaban la mayor parte de Europa y extensas zonas de Asia (hasta que se extinguieron hace unos 15.000 años); y los humanos modernos, nuestros antepasados directos, que tras abandonar África unos veinte mil años antes de esa fecha, se multiplicaban y extendían por toda Eurasia.

En 2003, el panorama cambió tras la aparición de una tercera especie humana, un pequeño homínido aparecido en Indonesia y bautizado como Hombre de Flores. Y ahora, en un estudio que hoy mismo publica la revista Nature, Johannes Krause, del Instituto Max Planck de Antropología Evolutiva, de Leipzig, en Alemania, añade a la «familia» humana una cuarta especie, un nuevo miembro que obligará a replantearse lo que creíamos saber hasta ahora.

Pero el descubrimiento de Krause y sus colegas pasará a la historia, también, por otra razón: se trata de la primera vez que se describe una nueva especie de homínido a partir de su ADN y no de la morfología de alguno de sus huesos fosilizados. Un ADN que procede de un fragmento del hueso de un dedo descubierto en la Cueva de Denisova, en los montes Altai, al sur de Siberia. La cueva fue ocupada de forma intermitente por grupos de humanos desde hace por lo menso 125.000 años pero, a pesar de que han aparecido numerosas herramientas de piedra de diferentes periodos, en ella se han encontrado muy pocos restos humanos, totalmente insuficientes como para realizar los estudios morfológicos habituales.

 

Análisis de las mitocondrias

Es precisamente sobre estos escasos y fragmentarios restos fósiles que Krause ha llevado a cabo sus análisis genéticos. Análisis que han llevado al sorprendente e inesperado descubrimiento de una especie humana totalmente desconocida. El fragmento de dedo procede de una capa de sedimento cuya datación arroja una antiguedad de entre 48.000 y 30.000 años. Y analizar el ADN de una muestra tan antigua es ya, de por sí, todo un reto para la Ciencia, que ha podido ser abordado gracias a las nuevas técnicas que el Instituto Max Planck está utilizando para otro gran proyecto (dirigido por Svante Pääbo, que también ha participado en esta investigación), el de secuenciación del genoma de un hombre de Neandertal.

Para realizar su trabajo, los investigadores se centraron en un tipo muy particular de ADN, el contenido en unos orgánulos del interior de la célula llamados mitocondrias. Para enfrentarse a unas muestras tan escasas y antiguas, el ADN mitocondrial resulta mucho más adecuado, ya que cada célula contiene cerca de 8.000 copias (una en cada mitocondria) frente a las dos únicas copias que posee de ADN nuclear. Utilizando los mismos métodos de secuenciación ya usados con neandertales y mamuts, Krause consiguió ensamblar, a partir de varios fragmentos, una secuencia completa de ADN mitocondrial del dedo de Denisova.

Pero Krause no fue consciente de su hallazgo hasta que comparó esa secuencia con otras análogas de humanos modernos y de neandertales y se dio cuenta de que era única. ¿A quién podía pertenecer ese ADN de hace 40.000 años si no era de un neandertal ni de un Homo sapiens? Una posibilidad era que se tratara de un descendiente directo de Homo erectus, la especie que abandonó Africa hace ya casi dos millones de años y que sobrevivió en Indonesia hasta hace cerca de cien mil... pero nada hacía suponer que esa excepción pudiera aplicarse a Siberia, geográficamente tan alejada de Indonesia.

Los científicos se dedicaron entonces a la tarea de establecer comparaciones genéticas entre su nueva y flamante secuencia de ADN y las de las dos especies humanas que le fueron contemporáneas, la nuestra y los neandertales. El objetivo era buscar relaciones entre las tres especies humanas y construir un árbol evolutivo que las incluyera a todas. El resultado fue que todas ellas tienen (tenemos) un antepasado común que vivió hace cerca de un millón de años.

Pero si los humanos modernos evolucionaron en Africa, entonces este antepasado común de un millón de años de antiguedad también debía proceder del continente negro. Sin embargo, resulta imposible que el antecesor del hombre de Denisova fuera un Homo erectus, especie que comenzó a poblar Europa más de 900.000 años antes... Y la secuencia genética de Denisova tampoco se parecía a la de los antepasados directos de los neandertales, cuyo linaje se separó del que dio lugar a Homo sapiens hace 450.000 años, mucho después que la rama que desembocó en el hombre de Denisova.

Por lo tanto, y descartadas esas posibilidades, la única conclusión lógica era que la secuencia genética de Denisova perteneció a una clase desconocida de homínido que abandonó Africa en un proceso de migración (también desconocido) hace alrededor de un millón de años, y que ese homínido logró sobrevivir (por lo menos) en algunas zonas de Eurasia hasta hace 40.000 años.











ADN nuclear

Ahora, el siguiente reto para los investigadores es el de conseguir ADN nuclear de las muestras de Denisova. Algo, como hemos visto, mucho más complicado de obtener que el ADN mitocondrial, pero que aclararía mucho las relaciones de esta nueva especie con nuestros antepasados y con los neandertales. Por no hablar, claro, de que el método utilizado por Krause y sus colegas podrá ahora ser aplicado a un gran número de muestras fósiles procedentes de yacimientos de todo el mundo.

Con lo que el número de nuevas especies humanas desconocidas por nuestros científicos podría incrementarse de una forma espectacular, aclarando de una vez por todas el complejo y aún misterioso proceso que llevó a que una única especie, la nuestra, sobreviviera a todas las demás variedades humanas y colonizara por completo nuestro planeta.











Autoria e outros dados (tags, etc)

por noticiasdearqueologia às 21:06

Terça-feira, 30.03.10

Barco fenicio más antiguo del mundo podría visitarse bajo el agua en Mazarrón

El barco fenicio más antiguo del mundo, "Mazarrón 2", se podría visitar donde fue encontrado en 1994 si prospera un proyecto municipal que permitirá contemplarlo en el hábitat marino en el que se halló gracias a un acuario subacuático, según ha dicho el alcalde de Mazarrón, Francisco Blaya.


Blaya ha afirmado que si se construye esta especie de delfinario en la playa de la Isla de Mazarrón, donde se halla el pecio, se podría acceder a él a través de un túnel, lo que posibilitaría contemplarlo "en su hábitat".


Para ello, el consorcio turístico Bahía de Mazarrón ha encargado un informe en el que técnicos como arqueólogos submarinos e ingenieros que estudian las corrientes marinas, estudian como podría llevarse a cabo este tipo de infraestructura.


Blaya ha indicado que el informe, con un presupuesto 70.000 euros, tiene como objetivo plasmar los primeros estudios y tener un documento que se remitiría a otras instituciones, como los gobiernos autonómico y central, la Unión Europea e incluso a la Unesco, para que se reconozca la importancia del pecio y conseguir financiación.


Además del "Mazarrón 2" se halló en 1988 parte de la quilla y el mástil de otro barco similar, que fueron trasladados al Museo Nacional de Arqueología Subacuática (ARQUA) de Cartagena, donde se exhiben, y a las que se les hizo la prueba de Carbono 14 que lo fechó en el siglo IV antes de Cristo.


El "Mazarrón 2" está completo a 20 metros de la costa y a cinco metros de profundidad, protegido por una coraza de acero para evitar expoliaciones, y sus 2.820 kilogramos de lingotes circulares de "litargirio", utilizados para la minería de plata, fueron trasladados al ARQUA.


Blaya ha explicado que el hundimiento de estos dos barcos en el municipio murciano "no es una eventualidad", ya que existía una relación comercial con los fenicios que viajaban a Mazarrón para exportar "garum", una salsa a base de desechos de pescado que se producía en la localidad y que comparó al "ketchup" de nuestros días.


En este sentido, ha señalado que en la playa de la Isla hay restos arqueológicos de la casas y otras edificaciones de la época fenicia que demuestran la presencia de esta civilización en el municipio.


Su descubrimiento permitió conocer con exactitud una técnica de construcción de naves conocida como "a casco", según la cual en primer lugar hacían la quilla, a la que luego unían las tracas mediante lengüetas de madera, sistema éste denominado "a caja y espiga". A esta estructura se sumaban las cuadernas cosidas.


La concejala de Presidencia, Turismo, Cultura y Patrimonio de Mazarrón, Alicia Jiménez, ha indicado que el descubrimiento del barco se pudo producir por la reciente construcción del puerto pesquero o del muelle de embarcaciones de recreo ubicado en la bahía de Mazarrón, que produjo un cambio de la marea en la playa de la Isla, arrastrando la arena en esa zona y descubriendo los barcos.


Las condiciones ambientales conservaron el pecio, cuya madera sigue intacta 2.600 años después de su hundimiento debido a una fuerte tormenta.


Tiene 8,20 metros de eslora y 2,20 de manga, y en él navegaban siete tripulantes para adentrarse en lo que antaño fue la primera línea de costa, entre Cabezo del Faro y la desembocadura de la Rambla de las Moreras.


El gerente del Consorcio Turístico de Mazarrón, Pío Garrido Urbano, ha recordado que el municipio adoptó la figura del pecio como imagen corporativa, y que han puesto mucha ilusión en preservarlo para el futuro, por lo que son contrarios a que se saque del agua y se exponga en un museo, ya que opinan que se deterioraría.


El centro de interpretación del barco fenicio de Mazarrón se abrió el 17 de junio de 2009 y en su interior alberga una réplica a escala 1:3 realizada por el artesano maquetista de Alhama José Cerón Munuera, utilizando madera de pino, higuera, olivo y cedro, igual que el barco fenicio.


Además han coronado la proa de la maqueta con una cabeza equina en metacrilato, dado que a este tipo de embarcación los fenicios la denominaban "Hippos" y en los grabados que existen sobre este tipo de naves aparecen ornamentados de esta manera.


Unos 32.000 visitantes recibe cada año "La Factoría Romana de Salazones", la calle romana "Era del Puerto", la Casas Consistoriales y este centro de interpretación del barco, pero se prevé que en el futuro visiten muchas más personas este municipio interesados por el hallazgo.


En febrero de 2009 la editora jefe de National Geographic, Khaty Moran, en su primera visita a España, se interesó por este barco y por la historia que albergaba este municipio murciano.


Fonte: (13 Mar 2010). El Dia.es: http://www.eldia.es/2010-03-13/CULTURA/23-Barco-fenicio-antiguo-mundo-podria-visitarse-agua-Mazarron.htm

Autoria e outros dados (tags, etc)

por noticiasdearqueologia às 21:00

Domingo, 21.03.10

Estudo revela castrações em cavalos há mais de 2000 anos

Um arqueólogo chinês revelou que a maioria dos cavalos de barro desenterrados do mausoléu de Qinshishuang, eram castrados.

O arqueólogo Yuan Jing estudou mais de 600 destas estátuas de barro à escala real do Exército do imperador Qin, localizado nos arredores de Xian. Todos os 520 cavalos de carroças eram castrados, tendo pénis, mas não testículos. Isso era variável nos 116 cavalos da cavalaria, no entanto, uns eram castrados e outros eram inteiros.


“A nova descoberta irá ajudar a nossa investigação acerca de como cavalos por desbastar, eram domados e o papel que desempenhavam no campo de batalha,” disse Yuan. Poderá também ajudar a desvendar mais segredos acerca do Exército de Terracota.”

No entanto, é preciso haver uma investigação dos restos dos cavalos, antes que se possam tirar quaisquer conclusões acerca de os cavalos reais serem ou não castrados.

As descrições mais antigas de castrações em porcos datam de há mais de 3000 anos, indicando que a “castração de animais era prática recorrente há mais de 2000 anos atrás,” disse Yuan.

Fonte: (3 Mar 2010). Portal Equisport: http://www.equisport.pt/noticias/detalhes.php?id=6702

Autoria e outros dados (tags, etc)

por noticiasdearqueologia às 22:52

Domingo, 21.03.10

Duas aras da Aldeia Nova no Ficheiro Epigráfico

 



foto


Suplemento da Revista CONIMBRIGA, dá conhecer peças descobertas na freguesia da Ramela.


Duas aras de Aldeia Nova, na freguesia de Ramela, concelho da Guarda, merecem destaque, no ‘Ficheiro Epigráfico, 87, 2009’, um suplemento da Revista CONIMBRIGA, da Universidade de Coimbra, destinado a divulgar inscrições romanas inéditas de toda a Península Ibérica, que começou a publicar-se em 1982.


Os monumentos epigráficos foram identificados na sequência de um trabalho coordenado pelo arqueólogo Marcos Osório, em 2002 e 2006, mas o seu estudo só agora foi publicado.

O primeiro consiste num altar de granito grosseiro e de cor cinzenta e está guardado numa arrecadação, em Aldeia Nova. Segundo a descrição “trata-se de uma ara de grande tamanho, elegante e de excelente acabamento, apenas danificada no topo e na aresta esquerda do campo epigráfico”. Marcos Osório adianta que “o texto é praticamente ilegível pelo desgaste e pelos danos que sofreu” , “apenas conseguimos ler no cabeçalho o nome do indivíduo dedicante ou defunto”. O arqueólogo refere que “a utilização do antropónimo em nominativo e a raridade das aras funerárias nesta região parecem contribuir para a hipótese de uma epígrafe votiva”.

O outro monumento é uma ara de granito grosseiro amarelado e foi descoberto na capela de Santo Antão, local onde se encontra guardado. “Trata-se de um monumento de razoável tamanho e de excelente acabamento, apenas com ligeiras escoriações e restos de cimento na base, para além da destruição do capitel”. De acordo com a descrição feita “o fuste apresenta-se homogeneamente alisado nas quatro faces, mas sem qualquer vestígio de inscrição”.

No Ficheiro Epigráfico é referido que “estas duas aras podem provir do lugar do Prazo, a cerca de 600 metros para sudoeste de Aldeia Nova, onde um dos autores detectou fragmentos de tegulae, imbrices, dolia e cerâmica comum doméstica, espalhados na berma de um caminho rural que foi aberto sob a A23 (troço Guarda – Belmonte, inaugurado em Agosto de 2002)”.

Os autores escrevem que “as semelhanças entre os dois monumentos e a ausência do texto num deles podem ser sintomas de proveniência de uma oficina epigráfica, onde uma das aras aguardava ainda a gravação encomendada”.

“Estamos perante duas epígrafes em que os critérios paleográficos são insuficientes ou inexistentes para estabelecermos uma proposta de datação rigorosa”, concluem os autores do estudo.

O Ficheiro Epigráfico faz também referência a uma ara votiva encontrada no Sabugal, durante as obras de reabilitação de um edifício no Largo do Castelo, convertido em estabelecimento comercial e turístico, conhecido por “Casa do Castelo”.



Fonte: (19 Mar 2010). JOrnal a Guarda:
http://www.jornalaguarda.com/index.asp?idEdicao=343&id=18667&idSeccao=4624&Action=noticia

Autoria e outros dados (tags, etc)

por noticiasdearqueologia às 22:45

Quinta-feira, 18.03.10

Arqueólogos descobrem cemitério de povo misterioso no Tibete

No meio de um deserto aterrorizante no norte do Tibete, arqueólogos chineses escavaram um extraordinário cemitério. Os ocupantes morreram quase quatro mil anos atrás, mas seus corpos foram bem preservados pelo ar seco. O cemitério fica em território hoje pertencente à província de Xinjiang, noroeste da China, mas os restos encontrados são de pessoas com traços europeus, cabelos castanhos e narizes longos. Embora sepultados em um dos maiores desertos do mundo, os corpos foram enterrados em barcos posicionados de cabeça para baixo. E em lugar de lápides que declarem esperanças pias na mercê de um deus quanto a eles, o cemitério exibe uma vigorosa floresta de símbolos fálicos, sinalizando intenso interesse dos moradores locais quanto aos prazeres ou utilidade da procriação.


O povo há muito desaparecido não tem nome, porque sua origem e identidade ainda não desconhecidas. Mas estão surgindo muitas pistas sobre sua proveniência, modo de vida e até mesmo sobre o idioma que falava. Os sepulcros, conhecidos como Pequeno Cemitério Fluvial Número 5, ficam perto do leito seco de um rio na bacia de Tarim, região cercada por inóspitas cadeias de montanhas. A maior parte da bacia é ocupada pelo deserto de Taklimakan, uma terra tão árida que os viajantes posteriores da Estrada da Seda sempre optavam por contorná-lo ao norte ou ao sul.


Nos tempos modernos, a região foi ocupada pelos uigures, uma etnia de fala turca, e nos últimos 50 anos também recebeu migrantes da etnia chinesa dominante, os han. Recentemente surgiram tensões étnicas entre os dois grupos, com conflitos em Urumqi, a capital de Xinjiang. Grande número de antigas múmias - na verdade cadáveres ressecados- foram localizadas nas areias, e se tornaram mais um objeto de disputa entre os uigures e os han.


As cerca de 200 múmias encontradas têm aparência distintamente ocidental, e os uigures, mesmo que só tenham chegado à região no século 10, as alegam como prova de que a província sempre pertenceu a eles. Algumas das múmias, entre as quais uma mulher bem preservada conhecida como "a beldade de Loulan", foram analistas por Li Jin, conhecido geneticista da Universidade Fudan que afirmou em 2008 que o ADN continha marcadores que apontavam para origens no leste ou até mesmo no sul da Ásia.


As múmias do cemitério são as mais antigas já encontradas na bacia de Tarim. Testes de carbono conduzidos pela Universidade de Pequim dataram as mais antigas delas de 3.980 anos atrás. Uma equipe de geneticistas chineses analisou o DNA das múmias.


A despeito das tensões políticas quanto à origem das múmias, os pesquisadores chineses afirmaram em relatório publicado no mês passado pela revista científica BMC Biology que o povo tinha origens mistas, com marcadores genéticos europeus e siberianos, e que provavelmente tinha vindo de fora da China. A equipe trabalhou sob o comando de Hui Zhou, da Universidade Jilin, em Changchou, e o relatório tinha Jin como co-autor.


Todos os homens que foram analisados portavam um cromossomo Y hoje mais comumente encontrado no leste da Europa, centro da Ásia e Sibéria, mas raramente na China. O DNA mitocôndrico, que é transmitido pela linhagem feminina, consistia de uma linhagem da Sibéria e duas comuns na Europa. Já que tanto o cromossomo Y quanto as linhagens de DNA mitocôndrico são antigas, o Dr. Zhu e sua equipe concluíram que as populações europeia e siberiana provavelmente já haviam começado a se combinar antes de chegar à bacia de Tarim, por volta de quatro mil anos atrás.


O cemitério foi redescoberto em 1934 pelo arqueólogo sueco Folke Bergman, mas passou 66 anos ignorado até que uma expedição chinesa voltou a localizá-lo, usando o GPS. Os arqueólogos começaram a escavar o sítio entre 2003 e 2005. Os relatórios dos pesquisadores foram traduzidos e resumidos por Victor Mair, professor de chinês na Universidade da Pensilvânia e especialista na pré-história da bacia de Tarim.


Enquanto os arqueólogos chineses escavavam as cinco camadas de túmulos, conta Mair, encontraram cerca de 200 estacas, cada qual com quatro metros de altura. Muitas tinham lâminas lisas, pintadas de vermelho e negro, como os remos de alguma grande galera que tivesse naufragado por sob as ondas de areia.


E por sob as estacas existiam de fato barcos, de cascos revestidos de couro animal e posicionados de cabeça para baixo. Os corpos que os barcos abrigavam ainda vestiam as roupas com que foram sepultados - toucas de feltro com penas enfeitando as abas, muito parecidas com chapéus montanheses do Tirol. As múmias portavam grandes mantos de lã com borlas, e botas de couro. Uma espécie de Victoria¿s Secret da Idade do Bronze parece ter fornecido as roupas de baixo - tangas sumárias para os homens e saias feitas de fios soltos para as mulheres.


Dentro de cada barco usado como caixão haviam oferendas de sepultamento, entre as quais cestos de palha muito bem trançados, máscaras rituais entalhadas e ramos de efedra, uma erva que pode ter sido usada em rituais ou como medicamento.


Nos caixões femininos, os chineses arqueólogos encontraram um ou mais falos de madeira em tamanho natural, postados sobre ou ao lado dos corpos. Ao observar de novo o formato das estacas de quatro metros que se estendiam da proa dos barcos femininos, os arqueólogos chegaram à conclusão de que se tratava de gigantescos símbolos fálicos.


Os barcos dos homens todos estavam sob estacas em estilo remo. Mas na verdade não era essa sua função, concluíram os arqueólogos chineses: as peças no topo das estacas eram uma representação simbólica de vulvas femininas, o complemento dos símbolos encontrados nos barcos das mulheres. "O cemitério todo estava decorado com símbolos sexuais explícitos", escreveu Mair. Em sua interpretação, a "obsessão com a procriação" refletia a importância que a comunidade atribuía à fertilidade.


Arthur Wolf, antropólogo da Universidade Stanford e especialista em fertilidade em culturas leste asiáticas, disse que as estacas talvez sirvam como marcos de status social, um tema comum nas tumbas e nas estátuas encontradas em cemitérios. ¿Ao que parece o que a maioria das pessoas deseja levar é o seu status, se esse status é motivo de orgulho¿, disse.


Mair disse que a interpretação dos arqueólogos chineses que definiram as estacas como símbolos fálicos é "uma análise crível". A evidente veneração das pessoas sepultadas no local pela procriação pode indicar que estavam interessadas tanto nos prazeres quanto na utilidade do sexo, se levarmos em conta que os dois são difíceis de separar. Mas parecia haver respeito especial pela fertilidade, disse Mair, porque muitas mulheres estavam enterradas em caixões duplos, com oferendas especiais de sepultamento.


Dada a vida em um ambiente hostil, "a mortalidade infantil deve ter sido muito grande, e a necessidade de procriar, especialmente devido à situação isolada em que viviam, muito intensa", disse Mair. Outro possível risco para a fertilidade poderia ter surgido caso a população praticasse procriação consanguínea. "As mulheres capazes de gerar crianças e garantir sua sobrevivência até a idade adulta devem ter sido especialmente reverenciadas", disse Mair.


Diversos dos itens identificados no cemitério se assemelham a artefatos ou costumes familiares na Europa, ele apontou. Barcos para sepultamento eram comuns entre os vikings. Saias de fios e símbolos fálicos também foram localizados em locais de sepultamento da era do bronze no norte da Europa.


Não há assentamentos populacionais conhecidos perto do cemitério, e portanto é provável que as pessoas vivessem a alguma distância e chegassem ao cemitério de barco. Não foram encontradas ferramentas para trabalho em madeira no local, o que sustenta a ideia de que as estacas tenham sido entalhadas em outro lugar.


A Bacia de Tarim já era bastante árida quanto os moradores responsáveis pelo cemitério chegaram, quatro mil anos atrás. Eles provavelmente viveram lutando arduamente para sobreviver até que os lagos e rios dos quais dependiam por fim secaram, por volta do ano 400. Sepultamentos acompanhados por objetos como chapéus de feltro e cestos de palha eram comuns na região até dois mil anos atrás.


Não se sabe que idioma os moradores da região falavam, mas Mair acredita que possa ter sido tocariano, uma antiga intrigante na família dos idiomas indoeuropeus. Manuscritos em tocariano foram localizados na bacia de Tarim, onde o idioma era falado entre os anos 500 e 900. A despeito de sua presença no leste, o tocariano parece mais aparentado aos idiomas "centum" da Europa que aos idiomas "satem" da Índia e Irã. A divisão se baseia nas palavra usadas para centena em latim (centum) e sânscrito (satam).


Os moradores da região já estavam presentes dois mil anos antes das primeiras provas quanto ao uso do tocariano, mas "existe uma clara continuidade de cultura", disse Mair, comprovada pelo uso dos chapéus de feltro em sepultamentos, uma tradição preservada até os primeiros séculos depois de Cristo.


Uma exposição sobre as múmias da bacia de Tarim será aberta em 27 de março no Bowers Museum, em Santa Ana, Califórnia - a primeira ocasião em que elas são vistas fora da Ásia.


Fonte: (17 Mar 2010). Terra.com: http://noticias.terra.com.br/ciencia/noticias/0,,OI4323110-EI8147,00-Arqueologos+descobrem+cemiterio+de+povo+misterioso+no+Tibete.html

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

por noticiasdearqueologia às 23:33

Quinta-feira, 18.03.10

Peças Arqueológicas são encontradas em Ortigueira

O programa de resgate arqueológico começou em janeiro de 2010 e ainda não tem prazo para terminar.

Técnicos em arqueologia de Erechim, no Rio Grande do Sul, estão realizando um trabalho de pesquisa ao longo do Rio Tibagi, na Área de impacto da Hidrelétrica Mauá, através da Habitus – assessoria e consultoria que tem como arqueólogo responsável Everson Paulo Fogolari.


O programa de resgate arqueológico, no qual se incluem a prospecção, o monitoramento conjunto à execução da obra, o salvamento com escavações em sítios relevantes e a educação patrimonial, começou em janeiro de 2010 e ainda não tem prazo para terminar. O 1° passo foi realizado há três anos, com o levantamento de todas as áreas da barragem. Agora,  está sendo feito o salvamento dessas áreas.


Ao todo são 39 sítios identificados no levantamento. As peças mais encontradas são cerâmicas indígenas e artefatos líticos (ponta de flechas e lâminas de machado), e também uma fogueira com data ainda não determinada. Participam do trabalho oito técnicos em arqueologia.


Fonte: (15 Mar 2010). Bem Paraná: http://www.bemparana.com.br/index.php?n=138131&t=pecas-arqueologicas-sao-encontradas-em-ortigueira


Autoria e outros dados (tags, etc)

por noticiasdearqueologia às 23:27

Quinta-feira, 18.03.10

Estudo aponta que cão domesticado surgiu no Oriente Médio

Pesquisadores analisaram DNA de cachorros e lobos para desmistificar origem asiática






Os ancestrais dos cachorros domésticos provavelmente surgiram no Oriente Médio, contrariando a hipótese de que eles eram originais do leste asiático. A conclusão teve como base um estudo genético divulgado na edição da revista Nature publicada nesta quinta-feira, 18.




Mike Segar/Reuters

Mike Segar/Reuters

Presença de cães em túmulos humanos no Oriente Médio reforçam nova tese sobre a origem



A descoberta sustenta um registro arqueológico que conecta a domesticação dos cachorros no Oriente Médio com a ascensão da civilização humana na região, segundo os cientistas.


"A descoberta é significante porque prova que os cachorros fizeram parte da evolução civilizatória", disse Robert Wayne, professor de evolução biológica da Universidade da Califórnia e principal autor do estudo. A região, que hoje reúne Iraque, Síria, Líbano e Jordânia, também foi uma área onde os gatos e alguns animais pecuários se originaram, diz Wayne.


O estudo é baseado em comparações genéticas entre mais de 900 cachorros que representavam 85 raças (da América do Norte, Europa, Leste Asiático e Oriente Médio) e mais de 200 lobos cinzentos, o parente selvagem mais próximo dos cachorros ainda vivo.


Na mais extensa análise por período, os cientistas usaram técnicas de genética molecular para examinar mais de 49 mil traços de todo a sequência do DNA (genoma) de cada um dos animais incluídos no estudo.


Foi descoberto que a maioria dos cachorros dividem mais traços genéticos únicos com os lobos cinzentos do Oriente Médio do que com qualquer outra população de lobos. Um parentesco com os lobos europeus foi encontrado, mas ainda com menos extensão.


"Melhor amigo do homem"


Os cientistas também investigaram sobre o início da relação dos cachorros com o homem. "Nós sabemos que os cachorros originais do Oriente Médio tinham uma relação mais próxima com os homens porque eles foram encontrados enterrados em áreas de sepultamento humano", explica o pesquisador norte-americano.


Mas os mais antigos laços entre as pessoas e o chamado "melhor amigo do homem" foram possivelmente mais do que uma relação de amor e ódio e que persiste em diversas partes do mundo até hoje, e ajuda a explicar a ambivalência cultural sobre os cães em cada região de onde eles se originaram.


A arqueologia tem registros de cachorros que datam de 31 mil anos atrás, dos vestígios de um animal encontrado na Bélgica. O primeiro cachorro do Oriente Médio data de 12 a 13 mil anos atrás.


Fonte: (18 Mar 2010). Reuters/Estadão.com: http://www.estadao.com.br/noticias/vidae,estudo-aponta-que-cachorros-domesticados-surgiram-no-oriente-medio,526088,0.htm





Autoria e outros dados (tags, etc)

por noticiasdearqueologia às 23:19

Segunda-feira, 15.03.10

Fornos de Algodres: Centro de Interpretação Histórica e Arqueológica divulga património concelhio

foto


O Centro de Interpretação Histórica e Arqueológica de Fornos de Algodres (CIHAFA), que foi inaugurado em 2002, pelo então Presidente da República Jorge Sampaio, para além de expor achados arqueológicos, conduz os visitantes em visitas guiadas aos sítios onde foram encontrados.

Célia Ribeiro, Coordenadora do equipamento que foi criado pela Câmara Municipal de Fornos de Algodres, contou que os visitantes são sempre acompanhados aos locais históricos e só depois é que vêem a exposição permanente.

Os dois circuitos arqueológicos disponibilizados aos turistas, com a duração de cerca de 3 horas, incluem passagem pelo Castro de Santiago (Período do Calcolítico), Fraga da Pena (Idade do Bronze), Anta de Cortiço (Período Neolítico), Necrópole de Vila Ruiva (sepulturas escavadas nas rochas), Dólmen de Matança (Período Neolítico), Necrópole das Forcadas (Idade Média), entre outros.

“É de bom-tom fazer primeiro o roteiro externo, porque a pessoa é envolvida em todo o espaço, e depois ir ao Museu, ao roteiro interno, onde verá tudo o que foi recolhido nos locais que visitou previamente”, disse a responsável.

Célia Ribeiro referiu que faz “sempre questão” de levar primeiro os visitantes ao terreno, mas sublinha que a visita é sempre completada com a deslocação às instalações do CIHAFA onde está patente uma exposição com os objectos que “têm sido recolhidos” naqueles locais.

No espaço museológico existem milhares de achados arqueológicos encontrados em campanhas realizadas nos últimos anos na área do concelho de Fornos de Algodres, como cerâmicas, pontas de setas, esculturas, aras, utensílios de moagem, de caça e de tecelagem.

A Coordenadora do Centro garantiu que o equipamento tem tido “uma boa adesão” por parte dos visitantes, e que já recebeu cerca de 6 mil pessoas desde a sua entrada em funcionamento, incluindo alunos de escolas de todo o país.

O CIHAFA, foi criado pela autarquia com o objectivo de divulgar, preservar e desenvolver actividades no âmbito da riqueza arqueológica do concelho, admitindo o presidente da Câmara Municipal de Fornos de Algodres, José Miranda, que “tem sido um instrumento importante para aumentar o número de visitas” ao concelho. “Também tem sido um instrumento pedagógico importante no sentido de explicar às nossas crianças o que foi o passado desta terra, para que elas conheçam e sintam orgulho na terra onde nasceram e onde vivem”, justificou.

Refira-se que o CHIAFA está instalado no piso intermédio do Palácio da Justiça de Fornos de Algodres, possuindo, para além do Museu com a exposição permanente sobre arqueologia, um espaço para exposições temporárias, uma Biblioteca, um Auditório e um depósito arqueológico.


Fonte: (4 Mar 2010). A Guarda: http://www.jornalaguarda.com/index.asp?idEdicao=341&id=18554&idSeccao=4598&Action=noticia

Autoria e outros dados (tags, etc)

por noticiasdearqueologia às 22:18

Segunda-feira, 15.03.10

Britânicos desvendam mistério de cova com 51 crânios






As ossadas de 51 pessoas decapitadas encontradas no sul da Grã-Bretanha em junho do ano passado foram identificadas como pertencendo a povos vikings que habitaram o país na virada para o segundo milênio.


Desde que a cova foi encontrada em junho de 2009, durante a construção de uma rodovia no condado de Dorset para os Jogos Olímpicos de Londres-2012, arqueólogos vinham tentando desvendar o mistério da identidade daqueles ossos e por que os crânios estavam separados do restante dos corpos.


"Havia muito pouca evidência no local, além de alguns cacos de cerâmica. Para descobrir a data daqueles restos mortais nós enviamos uma amostra dos ossos para uma datação por carbono e espantosamente a data que retornou é do final do período saxônico", disse o arqueólogo David Score, que liderou a equipe do instituto de arqueologia britânico Oxford Archaeology, que desenterrou as ossadas.


A partir do teste do carbono-14, os cientistas concluíram que aquelas pessoas foram mortas entre os anos 910 e 1030.


Nessa época, os anglo-saxões sofriam com as constantes incursões de povos vikings na Grã-Bretanha e conflitos entre líderes dos dois lados por controle da região eram comuns.


"O local do enterro era comumente usado para execuções naquela época", acrescenta Score. A dúvida que permanecia, portanto, era se os executados eram saxões ou vikings.


Análise dentária


Mas as análises dos dentes de dez daquelas ossadas mostraram que aquelas pessoas cresceram em países de clima mais frio do que o britânico. Os cientistas descobriram isso a partir da composição do esmalte dos dentes, influenciada pela água que a pessoa ingeriu quando criança.


O Laboratório de Geociências de Isótopos (NIGL) da agência geológica britânica explica que os países escandinavos, como Noruega e Suécia, possuem um clima mais frio do que a Grã-Bretanha, o que gera um tipo distinto de assinatura dos isótopos no esmalte dos dentes.


Os estudos também mostraram que os donos daquelas ossadas tinham uma alimentação rica em proteínas, que se assemelha a de povos da Suécia


"Trata-se de uma descoberta fantástica. É o maior grupo de estrangeiros que nós já identificamos usando isótopos", disse Jane Evans do NIGL.


"Descobrir que os jovens homens executados eram vikings é uma novidade eletrizante", disse Score.


Execução


Com base nas cerâmicas encontradas na cova, os arqueólogos suspeitaram inicialmente que as ossadas datavam de um período entre 800 a.C. e 43 d.C., ou seja, entre a Idade do Ferro e o início da era romana.


Mas os exames do Carbono-14 provaram que os restos mortais eram muito mais recentes.


Os cientistas sabem também que a maioria dos ossos pertencia a adolescentes e jovens, que seriam altos e teriam boa saúde. Há também a suspeita de que eles tenham sido mortos ou enterrados nús, porque não há vestígio de roupas ou adornos na cova.


A forma como suas cabeças foram separadas de seus corpos revelou que eles não foram executados com um machado apropriado para a tarefa, que faria a decaptação em um único golpe. As vítimas teriam sido mortas com sucessivos golpes de espada.


Fonte: (12 Mar 2010). O Globo: http://oglobo.globo.com/mundo/mat/2010/03/12/britanicos-desvendam-misterio-de-cova-com-51-cranios-916048421.asp


Autoria e outros dados (tags, etc)

por noticiasdearqueologia às 22:13

Pág. 1/2



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Março 2010

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031





Arqueo logos