Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


O Património é um bem comum... Preservá-lo só depende de cada um de nós...

Sábado, 27.02.10

Bronze Age shipwreck found off Devon coast

One of the world's oldest shipwrecks has been discovered off the coast of Devon after lying on the seabed for almost 3,000 years.

Bronze Age shipwreck found off Devon coast

In total, 295 artefacts have so far been recovered, weighing a total of more than 84kg

Archaeologists have described the vessel, which is thought to date back to around 900BC, as being a "bulk carrier" of its age.

The copper and tin would have been used for making bronze – the primary product of the period which was used in the manufacture of not only weapons, but also tools, jewellery, ornaments and other items.

Archaeologists believe the copper – and possibly the tin – was being imported into Britain and originated in a number of different countries throughout Europe, rather than from a single source, demonstrating the existence of a complex network of trade routes across the Continent.

Academics at the University of Oxford are carrying out further analysis of the cargo in order to establish its exact origins.

However, it is thought the copper would have come from the Iberian peninsular, Alpine Europe, especially modern day Switzerland, and possibly other locations in France, such as the Massif Central, and even as far as Austria.

It is first time tin ingots from this period have ever been found in Britain, a discovery which may support theories that the metal was being mined in the south west at this time.

If the tin was not produced in Britain, it is likely it would have also come from the Iberian peninsular or from eastern Germany.

The wreck has been found in just eight to ten metres of water in a bay near Salcombe, south Devon, by a team of amateur marine archaeologists from the South West Maritime Archaeological Group.

In total, 295 artefacts have so far been recovered, weighing a total of more than 84kg.

The cargo recovered includes 259 copper ingots and 27 tin ingots. Also found was a bronze leaf sword, two stone artefacts that could have been sling shots, and three gold wrist torcs – or bracelets.

The team have yet to uncover any of the vessel's structure, which is likely to have eroded away.

However, experts believe it would have been up to 40ft long and up to 6ft wide, and have been constructed of planks of timber, or a wooden frame with a hide hull. It would have had a crew of around 15 and been powered by paddles.

Archaeologists believe it would have been able to cross the Channel directly between Devon and France to link into European trade networks, rather than having to travel along the coast to the narrower crossing between modern day Dover and Calais.

Although the vessel's cargo came from as far afield as southern Europe, it is unlikely it would have been carried all the way in the same craft, but in a series of boats, undertaking short coastal journeys.

The wreck site is on part of the seabed called Wash Gully, which is around 300 yards from the shore.

There is evidence of prehistoric field systems and Bronze Age roundhouses on the coast nearby and it is thought the vessel could have sunk while attempting to land, or could have been passing along the coast.

The coastline is notoriously treacherous and there is a reef close by which could have claimed the vessel.

The recovery work took place between February and November last year but the discovery was not announced until this month's International Shipwreck Conference, in Plymouth.

The finds have been reported to both English Heritage and the Receiver of Wreck, which administers all shipwrecks. The artefacts are due to be handed over to the British Museum next week.

They will be independently valued and the museum will pay the team for the items.

Mick Palmer, chairman of the South West Maritime Archaeological Group, said: "For the British Isles, this is extremely important. This was a cargo trading vessel on a big scale.

"There is more down there and we will carry on searching for it. We anticipate a lot more will be found."

Dave Parham, senior lecturer in marine archaeology at Bournemouth University and a member of the team, said: "What we are seeing is trade in action.

"We are not stuck with trying to work out trade based on a few deposits across a broader landscape. We are looking at the stuff actually on the boat being moved.

"Everything that is in the ship sinks with it and is on the seabed somewhere. What you would call this today is a bulk carrier. It was carrying what was for the time a large consignment of raw materials."

Dr Peter Northover, a scientist at the University of Oxford who has been analysing the find, said: "These are the produce of a multitude of countries, scattered right around Europe, up and down the Atlantic coast and inland.

"It came from a combination of places. It is showing the diversity of the trade.

"Metal traders and workers would have traded parcels of metal with each other. The metal would have moved in steps, along networks of contacts exchanging metal as and when they need it."

Dr Stuart Needham, a Bronze Age archaeologist, said: "This is genuinely exciting.

"Everyone knows that man has been walking around on land since time immemorial, but I think people now will be surprised to know how much they were plying the seaways at this time, up and down the Atlantic seaboard and across the Channel.

"There's a complex lattice of interactions across Europe happening throughout this period.

"A lot of stuff may have moved across land, but it is eminently possible at this stage that there were quite sophisticated maritime networks with specialist mariners – people who know how to read the tides and the stars and who are not just casually going out on the sea to do some deep sea fishing.

"If you have got specialist mariners plying the Atlantic seaways, there is every possibility they could be picking up material in different locations and stockpiling it.

"The mainstay of this exchange network might have been a number of vessels undertaking short journeys. It doesn't mean there weren't occasional vessels and people going longer distances."

One other Bronze Age vessel has previously been found near Salcombe, where just 53 artefacts were recovered. Another eight Bronze Age items have also been found at a third nearby spot, indicating another possible wreck.

The only other Bronze Age wrecks found in the UK have been located on land, or on the foreshore, at Dover and North Ferriby, on the Humber.

Ben Roberts, Bronze Age specialist at the British Museum, said: "It is an incredibly exciting find. What we have here is really, really good evidence of trade. We don't get many shipwreck sites.

"It is very rare to get a snapshot of this level of activity. It is very possible there were also animals and people going across the Channel too.

"We hardly ever get to see evidence of this cross Channel trade in action. It is a huge amount of cargo."

Fonte: Jasper Copping (13 Fev 2010). The Telegraph.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por noticiasdearqueologia às 17:39

Sábado, 27.02.10

Inuk tinha os olhos castanhos e uma propensão para a calvície

Foi graças a um tufo de cabelo, conservado durante milénios no permafrost do Árctico, que uma equipa internacional de investigadores conseguiu, pela primeira vez, reconstituir 80 por cento do genoma de um ser humano pré-histórico e determinar alguns dos seus traços físicos, bem como alguns elementos da origem geográfica dos seus antepassados.


Eske Willerslev, da Universidade de Copenhaga, e os seus colegas, que publicam os seus resultados na revista Nature, baptizaram com o nome Inuk este velho humano – que os seus genes dizem ser do sexo masculino. Inuk, que viveu há uns quatro mil anos na Gronelândia, pertencia à cultura saqqaq, hoje extinta, conhecida como sendo a primeira a ter habitado aquela região do mundo. Trata-se de um povo sobre o qual pouco se sabe, porque pouco resta da sua cultura.

Os restos de cabelo – e também de osso – provêm da localidade de Qeqertasussuk. Mas, ironicamente, como conta também na Nature Rex Dalton, num perfil de Willerslev, não foi ele que os encontrou. O cientista já tinha procurado, em 2006, cabelos humanos no permafrost da tundra do norte da Gronelândia. Mas em vão. Qual não terá sido o seu espanto quando, dois anos mais tarde, deu com o cabelo de Inuk... numa cave do Museu de História Natural da Dinamarca, a escassos quarteirões de distância do seu próprio laboratório. Estava lá guardado há 20 anos.


Genómica último modelo

Utilizando a mais avançada geração de máquinas de sequenciação genética, os investigadores conseguiram, no ano passado, extrair e sequenciar o ADN do cabelo de Inuk. A operação demorou dois meses e meio e custou meio milhão de dólares. Graças a isso, puderam repetir a sequenciação 20 vezes, o que lhes permitiu obter resultados de grande precisão, com muito poucos erros de leitura dos seis mil milhões de bases do ADN (metade vinda da mãe de Inuk, metade do seu pai). “A nossa sequência”, disse Willerslev durante uma conferência telefónica com jornalistas, “é comparável em qualidade à dos genomas sequenciados até agora de indivíduos actuais”.

A seguir, os cientistas fizeram, basicamente, o que faz hoje qualquer uma daquelas empresas que, por algumas centenas de euros, nos propõem analisar o nosso genoma para determinar a nossa ancestralidade, características físicas e os nossos riscos perante diversas doenças: estudaram os chamados SNP de Inuk – mais precisamente, 350 mil destes marcadores genéticos. Os SNP, ou single nucleotide polymorphisms, são variações pontuais, numa única letra do ADN, distribuídas por todo genoma e que permitem deduzir este tipo de informações comparando os indivíduos.

Concluíram assim, entre outras coisas, que Inuk tinha provavelmente os olhos e a pele castanha, que tinha os dentes “em forma de pá” (uma morfologia característica dos povos asiáticos) e que estava geneticamente adaptado ao clima frio do seu habitat. Que a cera dos seus ouvidos era seca, que o seu grupo sanguíneo era A+ e que tinha uma tendência para a calvície. A este propósito, Willerslev salienta que “este tipo tinha ainda muito cabelo, portanto deve ter morrido jovem...”

Mas a grande surpresa veio do estudo da ancestralidade de Inuk. “Descobrimos que as populações actuais geneticamente mais próximas de Inuk”, acrescenta Willerslev, “são três populações da Sibéria”. Os nganasans, os koryaks e os chukchis. Embora Inuk possa não ser representativo da cultura saqqaq, isto sugere que, ao contrário do que se pensava, terá havido, há uns 5500 anos, uma migração do Velho Mundo para o Novo Mundo até agora desconhecida e independente da dos antepassados dos inuit e dos índios da América do Norte. Inuk tem, ao que tudo indica, antepassados diferentes destas duas outras populações. Trata-se de uma migração “substancial e relativamente recente que atravessou o estreito de Bering da América do Norte até a Gronelândia”, escrevem por seu lado dois especialistas, David Lambert e Leon Huynen, da Universidade Griffith, na Austrália, num comentário que acompanha a publicação dos resultados.

Naquela altura, frisa ainda Willerslev, “terão tido de atravessar o mar de Bering de barco ou de passar por cima do gelo aproveitando o Inverno”.

Desta vez, os investigadores utilizaram o melhor material imaginável para extrair o ADN: um espécimen congelado – e portanto pouco degradado ou contaminado com ADN de outras espécies. Mas os cientistas confiam que, mesmo com outro tipo de restos, vindos de latitudes mais amenas, será possível fazer o mesmo. Morten Rasmussen, um dos co-autores do trabalho, explicou aos jornalistas que para isso, bastará que os fragmentos de ADN sequenciados “sejam suficientemente compridos para encaixar sem ambiguidade numa dada localização do genoma humano”.

“Vamos ver aparecer muitos mais resultados destes nos próximos cinco anos”, garante Willerslev. O seu próximo objectivo: fazer o mesmo com múmias. “Há, um pouco por toda a América do Sul, múmias que têm entre 8000 anos e uns séculos.

Fonte: Ana Gerschenfeld (10 Fev 2010). Público. 

Autoria e outros dados (tags, etc)


por noticiasdearqueologia às 17:29

Sábado, 27.02.10

Arqueologia: Zona do Alqueva é "uma das mais bem conhecidas" do ponto de vista arqueológico - IGESPAR

A zona de influência do Alqueva é "uma das mais bem conhecidas" do ponto de vista arqueológico em Portugal, graças a "uma das maiores intervenções arqueológicas" realizadas no país e no âmbito das obras associadas à barragem alentejana.

A zona, que abrange 20 concelhos dos distritos de Beja, Évora, Portalegre e Setúbal, "é uma das regiões do país mais bem conhecidas do ponto de vista arqueológico", disse hoje à Agência Lusa o subdiretor do Instituto de Gestão do Património Arquitetónico e Arqueológico (IGESPAR), João Ribeiro.

A intervenção de minimização dos impactes das obras da barragem e do plano de rega de Alqueva sobre vestígios arqueológicos, desenvolvida pela Empresa de Desenvolvimento e Infraestruturas do Alqueva (EDIA), é "exemplar, uma das maiores do país e vai ficar nos anais da arqueologia portuguesa", frisou.

Fonte: (23 Fev 2010). Expresso:

Autoria e outros dados (tags, etc)


por noticiasdearqueologia às 17:23

Quarta-feira, 17.02.10

Sarcófago pode esclarecer fim da civilização maia

Um sarcófago de pedra com mais de mil anos, que foi descoberto no Sul do México, poderá ter a chave para resolver o mistério do desaparecimento da civilização maia.

É essa a opinião do arqueólogo responsável pela escavação do local, Juan Yadeum, que descobriu que o sarcófago foi aberto em 1490. O estudo dos vestígios deixados por esses intrusos poderá ajudar a identificar que grupo dominava a região nessa época, marcada pelo estertor da cultura maia.

Sarcófago pode esclarecer fim da civilização maia

O túmulo milenar foi descoberto em Novembro por especialistas do instituto mexicano de antropologia e de história (INAH), na antiga vila maia de Tonina, no estado de Chiapas, junto à fronteira com a Guatemala. De acordo com o INAH, este tipo de sarcófago é "único no México antigo".

O sarcófago e a pedra tumular foram construídos entre os anos 840 e 900. De acordo com Juan Yadeum, os restos mortais no interior do sarcófago serão de uma mulher ou de um adolescente.

Quanto às pistas sobre o fim da civilização maia, Juan Yadeum explicou que o sarcófago poderá conter novos elementos "sobre os seus responsáveis", uma vez que ele foi aberto entre 1490 e 1495. O estudo dos vestígios ali deixados poderá ajudar a perceber se "esses responsáveis" eram gente local influenciada por um grupo do altiplano andino ou se vinham da América Central ou de regiões limítrofes do actual México.

A civilização maia nasceu há quatro mil anos e prolongou-se até 1546, sobrevivendo meio século à chegada dos conquistadores espanhóis.

Fonte: (30 Jan 2010). Diário de Notícias:

Autoria e outros dados (tags, etc)

por noticiasdearqueologia às 22:56

Quarta-feira, 17.02.10

Piso romano musealizado na Prebenda

Um piso de ladrilhos romanos vai ser musealizado num imóvel que a Câmara Municipal está a requalificação, na Prebenda, no âmbito das acções que foram atribuídas à SRU – Sociedade de Reabilitação Urbana de Viseu. Os trabalhos foram visitados pelos presidentes desta sociedade, Américo Nunes, e da autarquia viseense, Fernando Ruas, numa fase em que se ultimam os toscos para dar início aos trabalhos mais ‘finos’.

Tudo deverá ficar concluído no início de 2010. O achado obrigou a reanalisar todo o processo do imóvel. O arqueólogo Pedro Sobral, disse que faria parte de um piso pertencente à sala de uma casa da época romana. As obras, orçadas em 430 mil euros, tiveram uma ‘derrapagem assumida’ de 89 mil euros, elevando os custos finais para mais de meio milhão de euros. ‘É mais um contributo para a regeneração do Centro Histórico’, frisou Américo Nunes, também vice-presidente da Câmara Municipal de Viseu. Para o arqueólogo Pedro Sobral, que não tem dúvidas em afirmar que a cidade romana se localizava nesta zona da cidade, estamos perante ‘um casamento feliz entre o passado e o futuro. Um investimento na memória’.

O piso em questão ‘é composto por um ladrilho em cerâmica que é pouco comum encontrar-se’. Esta ‘pequena amostra permita que seja feita a reconstituição de todo o ladrilho’, o que vai acontecer. ‘As peças que faltam para que o pavimento fique completo, vão ser feitas numa olaria típica’, adiantou. Sem dúvida que estamos perante ‘mais uma peça do puzzle que nos permite conhecer a cidade de Viseu na época romana’, defendeu o arqueólogo. O imóvel vai ter duas componentes distintas: habitacional e serviços. A primeira, com três apartamentos; a outra, destinada a serviços. Quando as obras o permitirem será ali instalada a sede da AHRESP - Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal.

Fonte: (28 Jan 2010). Notícias de Viseu:

Autoria e outros dados (tags, etc)

por noticiasdearqueologia às 22:45

Quarta-feira, 17.02.10


Os pés de Tutankamon


A fotografia mostra os pés do jovem faraó Tutankamon, cujo corpo está exposto num túmulo no Vale dos Reis, Egipto. De acordo com um estudo genético realizado em 16 múmias daquela época, entre as quais a do próprio Tutankamon, o rapaz-faraó terá morrido de malária. O estudo revela ainda que Tutankamon sofria de uma doença óssea, a doença de Köhler, tinha lábio leporino e pé boto.

Fonte: Mike Nelson (17 Fev 2010). Foto@EPA.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por noticiasdearqueologia às 22:38

Quinta-feira, 11.02.10

Braga: Município divulga cerâmica produzida no período romano na antiga Bracara Augusta

O Gabinete de Arqueologia da Câmara Municipal de Braga está a promover uma ação de divulgação dos diferentes tipos de cerâmica produzidos e utilizados no período romano na antiga cidade de Bracara Augusta, disse hoje fonte da autarquia.

O vereador Hugo Pires adiantou que a iniciativa, intitulada 'Sentir o Barro', envolve a promoção de ateliês de modelagem num espaço integrado no Núcleo Museológico das Termas Romanas da Cividade, no centro histórico da cidade.

'Sentir o Barro' prolonga-se até final de março e, embora esteja aberta à participação geral, dirige-se particularmente ao público infanto-juvenil.

'A cerâmica é um elemento particularmente importante na história de Braga, contribuindo muito para o estudo do passado romano da cidade, as
sinala Hugo Pires, enfatizando 'o valioso espólio já reunido sob coordenação dos arqueólogos da Universidade do Minho'.

O autarca socialista sublinha, a propósito, 'a importância das escavações coordenadas nas últimos 30 anos pela Unidade de Arqueologia da Universidade, que puseram a descoberto um abundante e diversificado espólio arqueológico, designadamente de origem cerâmica'.

Este espólio - integrado na coleção do Museu de Arqueologia D. Diogo de Sousa, também ele situado na Colina da Cividade - é constituído, em grande parte, por cerâmicas de diferentes tipos e qualidades, produzidas localmente ou importadas de outros pontos do Império Romano.

Fonte: (10 Fev 2010) Correio do Minho:

Autoria e outros dados (tags, etc)

por noticiasdearqueologia às 22:11

Quinta-feira, 11.02.10

Instituto Terra e Memória nasce em Mação para promover a investigação científica

O Instituto Terra e Memória – Centro de Estudos Superiores de Mação nasceu para promover a investigação, a formação pós-graduada e a formação profissional avançada nos domínios da arqueologia e da gestão do património cultural. Na génese da nova associação científica estão a Câmara de Mação, o Instituto Politécnico de Tomar (IPT), o Centro Europeu de Investigação da Pré-História do Alto Ribatejo (CEIPHAR) e o Centro de Interpretação de Arqueologia do Alto Ribatejo (CIAAR).

 Entre os objectivos do Instituto Terra e Memória (ITM) estão a organização de cursos, seminários, conferências, reuniões e publicações, bem como a participação em projectos de parceria. Às entidades fundadoras podem agora juntar-se instituições, académicas ou outras, nacionais ou internacionais, que prossigam objectivos convergentes com os do ITM.

 A nova entidade vai funcionar nas instalações da antiga escola primária de Mação, disponibilizadas pelo município, onde já labora um pólo de referência no mundo da investigação da Arqueologia e Arte Rupestre.

A cerimónia de escritura pública de constituição da associação decorreu dia a 9 de Fevereiro na Câmara Municipal de Mação. A representar as quatro entidades fundadoras estiveram Saldanha Rocha (presidente da Câmara Municipal de Mação), António Pires da Silva (presidente do Instituto Politécnico de Tomar), José da Silva Gomes (CIAAR) e Luiz Oosterbeek (CEIPHAR).

Fonte: (11 Fev 2010). O MIrante:

Autoria e outros dados (tags, etc)

por noticiasdearqueologia às 22:06

Quinta-feira, 11.02.10

Arqueologia: Povoado de Porto Torrão é o maior do calcolítico achado em Portugal

O povoado de Porto Torrão, que está a ser escavado perto de Ferreira do Alentejo, é o maior do período calcolítico achado em Portugal e vai "revolucionar" e "reescrever" a pré-história do Baixo Alentejo, asseguram arqueólogos.

O sítio arqueológico, com cinco mil anos e uma área de cerca de 100 hectares "superior" à vila de Ferreira do Alentejo (Beja), "é o maior do calcolítico" em Portugal, disse à Agência Lusa a arqueóloga Ana Rodrigues.

As escavações no povoado, conhecido desde os anos 80 do século XX, começaram em 2008 através de uma intervenção de emergência para salvaguarda dos vestígios através de registo e graças a achados durante obras do Alqueva.

Fonte: (10 Fev 2010). Lusa/Visão.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por noticiasdearqueologia às 22:01

Terça-feira, 09.02.10

Construção de residência universitária revela a muralha mais antiga do Porto

Os vestígios vão ser preservados no local, incorporando o projeto de uma residência universitária que deverá estar pronta dentro de dois anos.

“Sabíamos que existia ocupação deste período, mas nunca tínhamos encontrado nenhuma estrutura. É uma muralha castreja, da idade do Ferro.

Segundo os especialistas, será do século II antes de Cristo”, explicou à Lusa Vítor Fonseca, da empresa Arqueologia e Património, responsável pelos trabalhos arqueológicos da obra da empresa Novopca no morro da .

À custa desta e de outras descobertas, o projeto de arquitetura foi revisto quatro vezes: das 150 camas inicialmente previstas, apenas vão ser instaladas 140, e aos cinco mil metros quadrados de construção somaram-se mais dois mil, porque as escavações deixaram a descoberto o piso -1 do edifício.

“Os custos aumentaram e a rentabilidade diminuiu. Mas temos a noção de que estes achados têm de ser mantidos. É uma articulação complicada. Por um lado valorizam o edifício, por outro condicionam”, descreve Patrícia Santos, da Novopca.

Este é um dos casos em que a importância da descoberta obriga à sua musealização, ajustando o projeto sem destruir a estrutura e permitindo a sua fruição pública, explica Belém Campos Paiva, arqueóloga da Direção Regional de Cultura do Norte (DRCN).

A entidade, tutelada pelo Instituto de Gestão do Património Arquitetónico e Arqueológico (IGESPAR), é responsável por acompanhar de perto os trabalhos no centro histórico portuense.

E não tem tido mãos a medir: desde que a SRU foi constituída, em 2004, já foram feitas intervenções em cerca de 200 prédios (150 através de contratos e cerca de 40 através de parcerias que incluem os quarteirões de Carlos Alberto, Corpo da Guarda, Cardosas ou Morro da Sé), revelou à Lusa Rui Quelhas, administrador executivo da Porto Vivo.

Na DRC Norte, tanta intervenção obrigou a um trabalho acrescido e à criação de uma “linha verde, com mais reuniões e marcadas em menos tempo”, admite a diretora Paula Silva.

“Foram encontradas muitas coisas, muito interessantes, porque o Porto é uma cidade sobreposta, é um sítio com muita história”, acrescenta.

Dependendo da avaliação feita pela tutela aos vestígios encontrados, eles podem ser transferidos para museus ou pode criar-se uma espécie de memorial no local.

“No caso das estruturas (muros, alicerces, lageados), sempre que o projeto permite opta-se por não desmontá-las. Depois dos registos, é colocada uma proteção, e a obra prossegue como planeado. Caso a importância patrimonial o justifique, pode optar-se por deixar uma memória visível ou contar a história do lugar criando um espaço adequado”, descreve Belém Campos Paiva.

A preservação pelo registo é outra das hipóteses, esclarece João Pedro Cunha Ribeiro, subdiretor do IGESPAR.

“A lei do património exige, como princípio único, a preservação pelo registo. Muitas vezes, o material encontrado é volátil e não exige preservação no local. Os achados podem não ter a monumentalidade que exija a sua musealização e, nesses casos, fica o seu registo”, nota.

Fonte: (8 Fev 2010). LUSA.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por noticiasdearqueologia às 23:05

Pág. 1/2

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Pesquisar no Blog  


Fevereiro 2010


Arqueo logos