Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

NOTÍCIAS DE ARQUEOLOGIA

O Património é um bem comum... Preservá-lo só depende de cada um de nós...



Quarta-feira, 31.10.07

Hallado el "campamento base" de la conquista de Hispania en L'Aldea

legiones delta ebro 1


Debía de ser un espectáculo imponente: cuatro legiones, 25.000 hombres pertrechados para entrar inmediatamente en combate. Marchaban bajo el mando de Publio Cornelio Escipión Africano. Se dirigían a Cartago Nova (Cartagena), en el marco de la Segunda Guerra Púnica (218-206 antes de Cristo) para tomarla, tras una campaña relámpago, a sangre y fuego. En el camino, construyeron un campamento gigantesco, que ahora ha sido localizado en una terraza del río Ebro en el término municipal de la Palma de l'Aldea, en la comarca del Baix Eibre (Tarragona), según el profesor asociado del Departamento de Prehistoria, Historia Antigua y Arqueología de la Universidad de Barcelona (UB), responsable del hallazgo y hombre que ha llevado bajo el brazo en su investigación a Tito Livio y Polibio. El campamento, según explica el propio Noguera en la página web de la UB, ocupaba posiblemente unas 30 hectáreas, aunque el espacio de la excavación es de unas siete. Se trata, advierte, de un campamento típico de campaña, "del que no se han encontrado ni se encontrarán restos de estructuras" al ser todas efímeras (foso, empalizada). Lo que sí ha aparecido es equipo y pertenencias de los legionarios: ánforas, monedas, fragmentos de vajilla, y armamento como puntas de lanza, espadas, o proyectiles de honda. Las monedas incluyen acuñaciones raras sólo explicables por la presencia de un ejército, como un tetradracma ptolemaico, didracmas griegos y muchas piezas cartaginesas tomadas seguramente a las tropas derrotadas en la batalla de Cese (218 antes de Cristo). (J. ANTÓN, El País.com, 30-10-07. Gráfico gentileza de El Periódico.com)


Arqueólogos de la UB excavan junto al Ebro una fortificación de 30 hectáreas. La mayor parte del lugar ha sido cubierta por la AP-7 y una urbanización.

Las legiones romanas llegaron en el año 218 antes de Cristo a la colonia griega de Emporion para quedarse en la península Ibérica. Allí plantarían por primera vez sus tiendas y empalizadas en Hispania, y su campamento, a lo largo del tiempo, se convertiría en la ciudad romana de Empúries. Lo mismo sucedería en Tarraco, convertida inmediatamente en la capital de nuevo territorio. Pero el campamento base de la conquista romana fue posiblemente el que ha hallado en L'Aldea (Baix Ebre) el profesor de la UB Jaume Noguera. Allí, en una terraza junto al Ebro, cerca entonces de la desembocadura, se han localizado los restos de un campamento militar de unas 30 hectáreas, utilizado como base por los Escipiones durante la segunda guerra púnica y el más antiguo excavado en España.


Del emplazamiento, atravesado hoy por la AP-7, solo queda, en las siete hectáreas que se han podido rastrear, la basura abandonada por los soldados o la calderilla que caía de sus bolsas. Las de las tropas derrotados tras la primera campaña romana en Hispania, que se acuartelaron tras el Ebro, de los refuerzos que recibieron por mar en los años siguientes y de los 25.000 legionarios que levantaron apresuradamente el campamento para marchar triunfalmente a Cartago Nova el 209 a.C.


Dentro del óvalo que un día estuvo delimitado por los ya inexistentes taludes y empalizadas que erigieron las legiones, los arqueólogos han localizado monedas griegas, masaliotas, emporitanas y romanas, piezas cartaginesas saqueadas a los enemigos vencidos (una combinación que cuadra con el dinero de bolsillo de los primeros invasores), restos de ánforas lanzados a la orilla del río y fragmentos de armas y estandartes.


Poco más se hallará en una zona trinchada por la Vía Agusta, la vía del tren y la autopista, y que en su mayor parte ha quedado cubierta en los últimos años por la urbanización El Mirador de L'Ebre. Mirador, precisamente, porque se asoma sobre el Delta desde el terraplén que un día fue aprovechado por el campamento de campaña romano.



LOS ESCIPIONES


"Se trata sin duda de uno de los campamentos de Publio Cornelio Escipión el Africano", sostiene Noguera. Situado en la ribera norte del Ebro, el límite del territorio cartaginés, el campamento podría haber sido la base avanzada de los romanos en Hispania entre los años 217 y 209 a.C. Tras desembarcar en Empúries, el padre y el tío de Escipión el Africano vencieron a los cartagineses en Cese (junto a Tarragona), en Tortosa y en una batalla naval frente al Ebro.


Ese punto pudo ser el lugar donde los romanos se concentraron durante varios años mientras la partida se mantuvo en tablas. Y según Noguera, el lugar donde el Africano concentró unas cuatro legiones en el 209 a. C. para lanzar desde allí la campaña relámpago, referida por Tito Livio, en que destruyó Cartago Nova y se lanzó sobre la Bética. Un rastreo con detectores de metales puede haber producido uno de esos momentos mágicos en que la arqueología confirma a los clásicos.


In: Ernest Alós (30 Out 2007). El Periódico.com: http://ww w.elperiodico.com/default.asp?idpublicacio_
PK=46&idioma=CAS&idnoticia_PK=454305&idseccio_PK=1026&h=


ou http://terraeantiqvae.blogia.com/2007/103001-hallado-el-campamento-base-de-la-conquista-de-hispania-en-l-aldea.php

Autoria e outros dados (tags, etc)

por noticiasdearqueologia às 08:19

Terça-feira, 30.10.07

Puerto Rico: Gran hallazgo arqueológico en Ponce

Bajo fuerte presión de la prensa nacional, el Gobierno de Puerto Rico y el Cuerpo de Ingenieros del Ejército de Estados Unidos certificaron ayer que hace varias semanas en Ponce se descubrió uno de los principales yacimientos prehistóricos del Caribe y que estaba siendo destruido por una compañía arqueológica privada.

Pero, al hacer el anuncio, el Secretario de la Gobernación, Jorge Silva Puras, aseguró –ante periodistas que evidenciaban su escepticismo- que se tomarán las medidas para preservar el yacimiento, protegerlo de una represa que se construye a media milla de distancia y se hará una convocatoria al mercado internacional de arqueólogos.





Luego de una reunión ayer, en la que participaron la Oficina de Preservación Histórica, el Departamento de Recursos Naturales, el Instituto de Cultura Puertorriqueña y los ingenieros militares, Silva Puras le certificó a la prensa que es un descubrimiento de una gran importancia “en todo el Caribe”. Ante eso, las obras de construcción de la represa de Tibes para controlar las inundaciones del Río Portugués que afectan más de 10,000 familias en el municipio sureño de Ponce ahora incluirán el desarrollo de algún tipo de dique o estructura que proteja el yacimiento.




Esas mismas inundaciones fueron las que terminaron por enterrar el yacimiento bajo tierra de aluvión. Aunque desde 1985 se sabía que en la zona había piezas prehistóricas, no fue sino hasta hace varias semanas que se descubrió que el lugar, que estaba destinado a depósito de relleno, encerraba un yacimiento extraordinario.




Se trata de una sucesión de asentamientos indígenas que podrían datar de hace cerca de 1,500 años muy bien preservados con estructuras correspondientes a diversas etapas de la prehistoria y hasta petroglifos con técnicas de relieve típicas de las culturas más avanzadas de los Mayas y zonas de Centroamérica.




Es un drama en el que el patrimonio ancestral arqueológico se mezcló con una lucha contemporánea, pues el país fue alertado sobre lo que estaba pasando por reportajes del periodista investigador Obed Betancourt, del periódico El Vocero, al que luego se le sumó el periódico El Nuevo Día. Ante las denuncias, un equipo de arqueólogos del Estado inspeccionó el área el lunes y rindió un informe en el que documentó cómo la compañía arqueológica estadounidense estaba destruyendo el área y llevándose piezas de valor.




Ayer, el Secretario Silva Puras dijo que discrepaba de las conclusiones de ese informe, pero anunció que se prohibiría el uso de maquinaria pesada, además de que la empresa contratada tendría sólo tres semanas para terminar su intervención. Además, José Rosado, del Cuerpo de Ingenieros, reconoció que al momento no se tiene el inventario de lo que se ha sacado de allí, pero que el arqueólogo contratado debe regresar a Puerto Rico la semana próxima y traer los referidos documentos.


In: Jesús Dávila (26 Out 2007). El Diario: http://www.eldiariony.com/noticias/detail.aspx?section=20&desc=Nuestros%20Pa%C3%ADses&id=1742979

Autoria e outros dados (tags, etc)

por noticiasdearqueologia às 20:20

Terça-feira, 30.10.07

Penela: Castelo do Germanelo dá lugar a centro arqueológico

O antigo castelo medieval do Germanelo, em Penela, mandado construir por D. Afonso Henriques, vai ser transformado num centro de actividade arqueológica a partir do próximo Verão.
Actualmente inacessível a todos os cidadãos, devido à forte inclinação e maus acessos, o imóvel, de pequena dimensão, do qual só resta uma muralha, prepara-se para sofrer uma intervenção de requalificação paisagística da autarquia local.
O castelo, propriedade do falecido professor da Universidade de Coimbra Salvador Dias Arnaut, será gerido nos próximos 20 anos pela Câmara de Penela, ao abrigo de um protocolo de cedência assinado com os descendentes do proprietário.
“Pretendemos efectuar uma intervenção paisagística em todo o monte, com a recuperação de um circuito pedonal desde a base até ao cimo, a construção de um miradouro e um parque de lazer”, explicou à Lusa o presidente da Câmara Municipal de Penela, Paulo Júlio.
A intervenção inclui também a valorização e protecção da flora existente, com a retirada de infestantes e introdução das espécies primitivas, colocação de sinalização indicativa e interpretativa e construção de pontos de apoio ao longo do caminho de acesso ao castelo.
Do alto do Germanelo, o olhar estende-se pelo vale do Rabaçal, onde existem as ruínas da vila romana e o Espaço Museu, que até ao final de Setembro recebeu 5.200 visitas, o dobro das registadas em 2006, segundo o presidente da autarquia.
Com esta intervenção, o autarca social-democrata pretende criar um circuito de interesse patrimonial, histórico e arqueológico, envolvendo também o Castelo de Penela, virado para o turismo e para a compreensão da história do concelho e do país.
As obras, orçadas em cerca de 123 mil euros, com comparticipação ainda do III Quadro Comunitário de Apoio, estão a arrancar, prevendo-se que estejam concluídas em finais de Fevereiro do próximo ano.
Para o Verão de 2008, o presidente da autarquia de Penela pretende transformar o local num centro de interesse arqueológico, com a realização anual de um ciclo de actividades, aproveitando o acordo de colaboração com a Universidade de Coimbra.
“Segundo os técnicos da autarquia, existem no local motivos de interesse para a arqueologia. Presume-se que, no passado, o monte fosse habitado, pelo que deve haver vestígios de casas”, sublinhou o autarca Paulo Júlio.
Os achados, segundo o autarca, serão depois expostos na casa do professor Salvador Dias Arnaut, próximo do edifício dos Paços do Concelho, que será adaptada para centro de estudos e investigação, com várias valências, conforme deliberação da câmara em Fevereiro deste ano.
Para a população das aldeias à volta do Germanelo, que desconhece as obras que a autarquia vai realizar, a pequena fortificação, mandada construir ainda por D. Afonso Henriques, entre 1140-1142, pouco representa.
“Desde que o professor Dias Arnaut morreu o castelo tem sido desprezado”, diz Armando Garrido, de 75 anos, que sempre viveu na aldeia da Fartosa, a mais próxima do castelo.
A seu lado, Maria Pereira, de 65 anos, também da Fartosa, recorda que a única muralha de pé foi “arranjada há mais de 40 anos pelo seu proprietário e que nessa altura descobriram um poço dentro do perímetro da antiga fortificação”.
Mais à frente, na aldeia dos Tamazinhos, a segunda mais próxima do castelo, Amaro Fernandes, um dos dois únicos habitantes, desvaloriza a importância do imóvel, desconhecendo as obras previstas.
“Não sei nada sobre aquilo. Às vezes passa aqui muita gente em caminhadas e outras vezes grupos de jovens vão lá acima (castelo)”, refere o morador, de 52 anos, que nasceu no concelho vizinho de Soure e se instalou na localidade há 36 anos.
A cerca de um quilómetro do castelo do Germanelo ergue-se um outro monte cónico, despido de vegetação, a que a população chama Germelo.
Diz a lenda que em cada monte habitavam dois ferreiros irmãos, bastante pobres, que se serviam do mesmo martelo, mas que “um dia, um dos irmãos acordou indisposto e quando o outro lhe pediu o martelo, atirou-lho com tal força que a ferramenta se desencabou no ar”.
“O cabo, feito de zambujo, foi-se cravar no solo, a uns quilómetros para norte, e dele nasceu o Zambujal. A cabeça pesada, caiu mais perto e logo da pancada brotou uma nascente de água férrea”, contou à Lusa Armando Garrido.
António Marques Ventura (29 Out 2007). Agência Lusa: http://www.asbeiras.pt/?area=coimbra&numero=51239&ed=29102007

Autoria e outros dados (tags, etc)

por noticiasdearqueologia às 00:15

Sábado, 27.10.07

“Achados extremamente importantes” em Coriscada (Mêda)

Os achados arqueológicos datados do período romano no século IV detectados no sítio de Vale de Mouro (Coriscada) no concelho de Meda vieram transformar a ideia que havia desta região durante a época de ocupação romana.


Esta é a opinião do especialista em Romanização em Portugal e professor da Universidade de Coimbra, Jorge Alarcão classificou os achados arqueológicos de Vale de Mouro (Coriscada) no concelho de Meda como “extremamente importantes”.
As escavações, orientadas por Sá Coixão, permitiram recentemente a descoberta de um “tesouro” constituído por 4.526 moedas datadas do século IV, um dos maiores achados no género localizados no país que estavam “escondidas” num compartimento ou pequena tulha, de pedra propositadamente colocada para o efeito, situado nas ruínas de um edifício que se atribui ter sido a casa ou oficina de um ferreiro.
O arqueólogo Sá Coixão, que dirige os trabalhos desde 2003, explicou ao DIÁRIO AS BEIRAS que o “tesouro” estava coberto por alguns utensílios em ferro, designadamente uma foice, uma picareta, chaves de grande dimensões, correntes (lares), sob os quais estava uma camada de terra e sob esta as referidas moedas onde foi possível ainda recolher um pedaço de pano, presumivelmente linho, onde teriam sido envolvidas e que se manteve conservado durante cerca d 1.700 anos.
Face às descobertas arqueológicas Jorge Alarcão disse que a ideia que se tinha era a de que esta seria “toda uma zona relativamente atrasada e pobre na época romana e de repente surge-nos aqui uma vila, uma casa de um grande proprietário de uma dimensão extraordinária, com mosaicos, nesta zona da Beira Interior, onde também não se conheciam praticamente mosaicos”.
De facto, foram postos a descobertos mosaicos da habitação romana onde está representado o deus Baco e a mulher, tendo sido possível obter reboco com a matriz do mesmo.
“Dá-nos a ideia que a zona não seria, na época romana, tão atrasada como a gente pretendia. Numa primeira impressão, isto se poderia integrar-se na zona mais próxima de nós, da Meseta Castelhana, onde também há nesta época de fins do século IV, uma época tardia, “vilas” de grandes dimensões”, comentou.
É de opinião que se está em presença de “um rico proprietário cuja exploração se terá desenvolvido mais nessa altura, no final da época romana, no Baixo Império.
É uma casa de uma dimensão extraordinária, com as suas termas próprias aquecidas, o que é raro na zona em todo o país, com aparte de exploração agrária”.
Jorge Alarcão observou o aquecimento da casa, que em Conimbriga não existe nenhuma sala aquecida.
“Temos as termas que eram aquecidas como estas aqui, mas uma sala aquecida como esta aqui que poderia ser uma sala de refeição um Triclínio ou sala de jantar, mas é curioso que isso fosse aquecido, observou.
Para o universitário e autor do “Portugal Romano” os achados são “uma coisa que merece um investimento e além disso está bem conservado e depois de devidamente restaurado pode vir também a ter uma atracção turística desta região”.
Entende, porém, que pode transformar-se num pólo de atracção turístico mas que “estas coisas deveriam ser estudadas não à escala de um Município mas à escala de vários concelhos”
“Não direi que esta seja uma coisa que justifique as pessoas virem aqui. Conimbriga justifica que as pessoas façam uma viagem de propósito, mas é uma “cidade” e além disso está quase junto à auto-estrada, servida por uma rede de estradas de certa importância, como estrada de Tomar, e está bem posicionada”, disse.
Integrar todas estas coisas e fazer um circuito, ver as ruínas, ver as amendoeiras os achados rupestres do Côa, o Vale do Côa e procurar integrar um percurso que justifique que as pessoas se desloquem aqui numas mini-férias é uma das possibilidades avançadas para Jorge Alarcão para potenciar os achados de Coriscada.

In: José Domingos (27 Out 2007). Diário as Beiras: http://www.asbeiras.pt/?area=guarda&numero=51162&ed=27102007

Autoria e outros dados (tags, etc)

por noticiasdearqueologia às 15:11

Sexta-feira, 26.10.07

Convento de Jesus - Setúbal

Conhecer a organização espacial do Convento


Convento de Jesus - Setúbal<br>Conhecer a organização espacial do Convento"Convento de Jesus: Novos documentos" é o título da mostra a inaugurar no sábado, às 18h00, na Igreja de Jesus, em que estão patentes muitos dos recentes achados arqueológicos que mudaram a perspectiva histórica do monumento.


A exposição, promovida pela Câmara Municipal de Setúbal, revela objectos encontrados durante os trabalhos arqueológicos desenvolvidos recentemente no âmbito do acompanhamento das obras de recuperação de que o Convento de Jesus está a ser alvo.
Um dos principais aliciantes da mostra é que pela primeira vez o público tem oportunidade de conhecer a organização espacial do Convento de Jesus, revelando-se, assim, a função de cada uma das divisões deste monumento nacional.
Os novos dados históricos resultam da descoberta de utensílios em determinadas salas, o que permitiu entender a funcionalidade das mesmas durante o período conventual. Com base na rígida orientação arquitectónica dos conventos da Ordem das Clarissas, a que pertencia o monumento setubalense, foi possível ainda interpretar as funções dos restantes espaços do edifício.
"Convento de Jesus: Novos documentos" divide-se em quatro partes, focando o período de construção do edifício, o trabalho quotidiano das freiras, os lugares canónicos e os rituais de oração.
Além dos muitos objectos de uso pessoal das freiras encontrados durante o período de acompanhamento arqueológico, estão também patentes três quadros provenientes da Galeria Quinhentista do Museu de Setúbal, relicários e uma crónica sobre a construção do convento.
A mostra é de entrada livre e pode ser vista, das 14h00 às 19h00, de terça-feira a sábado, até 26 de Janeiro.
In: (23 Out 2007). Rostos, on line: http://www.rostos.pt/inicio2.asp?cronica=130721&mostra=2

Autoria e outros dados (tags, etc)

por noticiasdearqueologia às 21:55

Sexta-feira, 26.10.07

Ânfora romana retirada do Arade no arranque das dragagens

«Cuidado com o Óscar!», exclamou Alberto Machado, enquanto, com a ajuda de Vasco Dantas, segurava com cuidado a ânfora romana acabada de sair da água. «Olha que ele está preso!»


O Óscar, ao contrário do que se possa pensar, não é um mergulhador, que por qualquer razão tenha ficado preso durante a tarefa de trazer à luz do dia a ânfora romana que estava no fundo do estuário do Arade.


Foto


Depois de dois mil anos no fundo do rio Arade, aqui está a ânfora romana


O Óscar é um polvo aí de uns dois quilitos, que durante anos viveu descansado dentro da ânfora milenar, enterrada no leito do rio, a mais de seis metros de profundidade, frente à Praia Grande.
E, com a retirada da ânfora, o pobre do polvo perdeu a sua casa de anos e anos. Mas Alberto Machado descansou os espíritos mais inquietos: «deixámos lá no fundo uns cinco ou seis covos para ele escolher».
«Mas isso é como trocar uma mansão por um T0», alguém gracejou. O Óscar, que veio à tona da água dentro da ânfora, lá acabou por sair, soltar-se do saco de rede em que a milenar peça foi depositada, e, largando um jacto de tinta escura, lá escapou outra vez para dentro de água, desaparecendo no rio.
Com a saúde do inquilino da ânfora devidamente acautelada, Machado e Vasco puxaram a peça para dentro do barco de borracha de apoio, depositaram-na com mil cuidados numa esponja, cobriram-na com um cobertor molhado em água salgada do estuário e transportaram-na para terra.
O levantamento desta ânfora com cerca de 2000 anos foi uma operação levada a cabo pelo Grupo de Estudos Oceânicos (GEO), uma associação com sede em Portimão que há muitos anos colabora na investigação sobre a riqueza arqueológica do Rio Arade.
A operação marcou o início das dragagens no estuário do rio, na zona portuária, que começaram no sábado à tarde, mal a draga dinamarquesa chegou a Portimão, e que, em pleno domingo, continuavam a todo o vapor.
A retirada da ânfora, bem como a colocação de bóias assinalando zonas do estuário onde há importantes vestígios arqueológicos ainda por explorar, foi uma operação decidida entre o Igespar e o Instituto Portuário e dosTransportes Marítimos, responsável pelas dragagens.
A ideia é evitar que os trabalhos de aprofundamento da bacia de manobras e outros no estuário provoquem, como aconteceu em anteriores campanhas de dragagens, sérios danos no património arqueológico subaquático.
Para já, a ânfora romana de cerca de 80 centímetros, intacta, foi retirada e será agora sujeita a um processo lento de dessalinização e depois de conservação.
Tendo em conta que os trabalhos foram pagos pela Câmara de Lagoa, em cuja “metade” do estuário do Arade se situavam os vestígios arqueológicos, a ânfora deverá depois ser depositada neste concelho…ainda que, pelo menos para já, Lagoa não tenha qualquer museu ou estrutura vocacionada para receber a milenar ânfora.
In: elisabete rodrigues (22 Out 2007). O Barlavento, on line: http://www.barlavento.online.pt/index.php/noticia?id=19084&tnid=5

Autoria e outros dados (tags, etc)

por noticiasdearqueologia às 21:25

Sexta-feira, 26.10.07

Águas ameaçam esfinge e pirâmides de Gizé




Ainda não se sabe se a água descoberta perto da Esfinge é fruto de um problema grave que pode vir a atingir a gigantesca estátua, ou se os charcos ultimamente surgidos do solo resultam de uma fuga.
O certo é que o alarme soou no Cairo, quando há quatro meses as águas subterrâneas vieram à superfície, em redor do colosso milenário situado junto às famosas pirâmides de Gizé, desde há 4600 anos.
A apenas meia dúzia de metros dos pés da Esfinge começou a aparecer uma capa de relva, "provando a existência de água na zona", revelou o arqueólogo Bassam el Shammaa. "Vi com os meus próprios olhos grandes charcos de água, com uma profundidade de 30 a 40 centímetros, a poucos metros da Esfinge."
O objectivo do egiptólogo é que os responsáveis "se movam já" para salvar a estátua que em sua opinião "terá apenas 30 a 35 anos de vida se não se resolver o problema".
O Conselho Superior das Antiguidades reconheceu entretanto que existem problemas de que se desconhece a origem. "Pode ser uma fuga dos tubos de água potável, dos canais ou das águas de irrigação. Teremos de descobrir a causa para que não se repita", justificou um dos membros do conselho, Sabri Abdelaziz. Um comité de especialistas começou a estudar há dois meses o novo fenómeno que rodeia a Esfinge, esperando-se que cheguem a uma conclusão no próximo mês de Novembro.
"A Esfinge não corre perigo porque está a um nível mais alto do que as águas subterrâneas. Mas é preciso dar o seu tempo aos estudos que decorrem, antes de lançarmos um projecto para proteger o monumento", acrescentou o responsável.
Outros especialistas independentes estão também preocupados com o futuro da Esfinge, a que os egípcios chamam o "pai do terror". Ayman Ahmed, da Universidade de Sohag, a sul do Egipto, e o hidrogeólogo Graham Fogg, da Universidade da Califórnia, EUA, examinam o movimento das águas subterrâneas em volta da enorme estátua que parece vigiar as pirâmides de Gizé, uma das maravilhas do mundo.

In: L.F. (26 Out 2007). Diário de Notícias: http://dn.sapo.pt/2007/10/26/artes/aguas_ameacam_esfinge_e_piramides_gi.html

Autoria e outros dados (tags, etc)

por noticiasdearqueologia às 08:11

Quinta-feira, 25.10.07

Caminha: Arte rupestre em risco

 Construção da ligação da A-28 à EN-13 já começou envolta em polémica

Já arrancou a construção do polémico troço de ligação entre a A28 e a EN13, nos limites de Caminha e Vila Nova de Cerveira. Autarcas e ambientalistas estão contra a ligação, pois dizem que vai destruir um dos mais importantes sítios arqueológicos da Península Ibérica.
A construção da contestada ligação da auto-estrada 28 à EN-13, nos limites dos concelhos de Caminha e Cerveira, arrancou esta semana, devendo a obra estar concluída até Abril de 2008, num investimento de 14,5 milhões de euros.
A informação foi ontem avançada à agência Lusa por fonte da Euroscut Norte, concessionária daquela via rápida, que acrescentou que a ligação terá uma extensão de 4.600 metros, dos quais 480 dizem respeito a um “falso túnel” no Monte de Góis, em Lanhelas, numa zona onde existe arte rupestre. Esta ligação é contestada pela Junta de Freguesia de Lanhelas e pela associação ambientalista «Corema», que alegam que a sua construção “é ilegal”, por alegadamente não ter sido precedida de consulta pública. Ambientalistas e junta de freguesia interpuseram, a 1 de Junho, uma providência cautelar no Tribunal Administrativo e Fiscal de Braga para tentar suspender a eficácia do despacho que autoriza o avanço da obra. Os contestatários defendem que o traçado da ligação será “extremamente lesivo” para a freguesia de Lanhelas, nomeadamente por “acabar com a água pública” e destruir um “santuário de arte rupestre” existente no Monte de Góios. As duas primeiras propostas de traçado estiveram em consulta pública e foram chumbadas pelos seus impactes ambientais e patrimoniais.
Após algumas “correcções” ao último daqueles traçados, a ligação recebeu finalmente luz verde, sem que tivesse sido posta novamente a consulta pública. “Se há um novo traçado, ele tem de ser obrigatoriamente submetido a discussão pública”, referiu à Lusa o presidente da Junta de Lanhelas, Rui Fernandes, considerando “inadmissível” que a obra avance sem que a providência cautelar tenha sido julgada.
Minimizando as críticas e preocupações de autarcas e ambientalistas, a Câmara de Caminha já se congratulou publicamente com a aprovação do traçado, sublinhando que o aval tanto do Instituto Português do Património Arquitectónico (IPPAR) como do Instituto do Ambiente “indicia a salvaguarda dos impactos paisagísticos e patrimoniais” da região. O município, presidido por Júlia Costa (PSD), acrescentou que, na prática, o traçado será igual ao que foi chumbado, já que “não havia alternativa”. A única diferença em relação à proposta anterior é que o traçado não será tão largo, uma vez que vai ter uma faixa para cada lado, que passa a duas nas zonas de subida mais acentuada, quando inicialmente estavam previstas duas faixas para cada lado, mais uma.
Visão mais pessimista tem o director do Centro Nacional de Arte Rupestre, António Martinho Baptista, que já alertou que aquela via “irá mutilar irremediavelmente” o “santuário” do Monte de Góis, onde diz existir “um dos mais ricos complexos inscultóricos da arte rupestre da pré-história recentes conhecidos na Península Ibérica”. “Só a crónica e secular pobreza do país permite que sítios com as características do Monte de Góis não sejam há muito conhecidos ou valorizados, quer arqueologicamente, quer turisticamente”, criticou.
A directora regional do Norte do IPPAR, Paula Silva, garantiu, por sua vez, que o traçado aprovado para aquela ligação evita a destruição do património arqueológico e minimiza os impactes na envolvente.
Paula Silva acrescentou que a actuação do IPPAR no processo assegurou igualmente a valorização das lajes classificadas e o estudo e identificação de dois “importantes” núcleos de arte rupestre, “praticamente desconhecidos e que podem agora ser investigados e protegidos”. A responsável disse ainda que o traçado da via naquele local foi alterado “para evitar a destruição de qualquer das lajes identificadas”, mas reconheceu que “a redução a zero dos impactes da via sobre os conjuntos rupestres apenas seria possível pela não construção da estrada”. “A actuação do IPPAR permitiu assegurar uma solução que, embora de compromisso é, minimizadora do impacte da via sobre os imóveis classificado e em vias de classificação, bem como sobre o conjunto das lajes insculturadas, permitindo evitar a sua destruição”, referiu Paula Silva.



In: (16 Out 2007). O Primeiro de Janeiro: http://www.oprimeirodejaneiro.pt/?op=artigo&sec=e4da3b7fbbce2345d7772b0674a318d5&subsec=&id=5a1b5e4e03d06226cb7efb5538d9ee3b

Autoria e outros dados (tags, etc)

por noticiasdearqueologia às 21:48

Quinta-feira, 25.10.07

MERIDA:El crecimiento de la ciudad atrapa a la conducción romana de Rabo de Buey


La construcción de 400 viviendas de VPO alrededor del Acueducto levanta la polémica El Consorcio asegura que la conducción no sufrirá daño alguno

No hace falta ser muy mayor para recordar que antes, cuando se hablaba en Mérida del paraje de La Godina, era como si se mentara el quinto pino, algo muy lejano. Ahora las lomas y vaguadas situadas detrás de San Juan están llenas de máquinas, y numerosos carteles informan de la próxima construcción de viviendas, concretamente 400.
El nacimiento de la nueva urbanización podría ser una más de las muchas que están surgiendo en los alrededores de Mérida. Sin embargo, 'Villaemérita', declarado Proyecto de Interés Regional, no pasa desapercibida porque se desarrolla alrededor de un tramo muy bien conservado de la conducción romana de Rabo de Buey.
Esta conducción, que llegaba hasta el Acueducto de San Lázaro, era una de las tres principales que abastecían a la capital lusitana. Y aún sigue en funcionamiento, ya que con los caudales que transporta se riegan los jardines del valle del Albarregas.

Denuncia de Adenex
La construcción de 400 viviendas en la zona ha indignado profundamente a Adenex, que es de las primeras organizaciones que han denunciado públicamente el proyecto. La asociación anuncia medidas legales por atentado contra el patrimonio, e incluso no descarta solicitar la intervención de la Unesco al ser un monumento que forma parte del conjunto declarado Patrimonio Mundial.
Emilio Olivas, responsable en Adenex del área de Patrimonio, califica como «incomprensible» el que el Consorcio de la Ciudad Monumental haya dado el visto bueno a este proyecto, siendo un órgano responsable de velar por el patrimonio emeritense.
Sin embargo, Pedro Mateos, director científico del Consorcio Monumental y director del Instituto de Arqueología de Extremadura, afirma que no entiende la polémica, ya que el proyecto urbanístico fue modificado y consensuado para que respetara de forma escrupulosa el trazado de la conducción.
De hecho, alrededor del Acueducto se ha reservado toda una manzana libre de edificaciones, que se ajardinará y se preparará con un camino perimetral para que los paseantes puedan caminar de forma paralela a la conducción.
En el único punto en el que un vial de la urbanización debía pasar por encima del conducto romano, el Consorcio ha obligado a realizar una estructura de hormigón para que la pasarela que se haga no se apoye en el monumento.
También se ha exigido a los promotores alejar lo máximo posible las edificaciones de la conducción, por lo que la construcción que estará más cerca del Acueducto se situará «a 50 metros de distancia», de modo que se podrá contemplar el trazado sinuoso del 'Rabo de Buey' sin obstáculos.


Autoria e outros dados (tags, etc)

por noticiasdearqueologia às 08:13

Quarta-feira, 24.10.07

Solicitan la protección del asentamiento romano ubicado en el nacimiento del río Salor


La Asociación Amigos del Castillo de Montánchez se ha dirigido a la Consejería de Cultura y Turismo solicitando la protección del asentamiento romano ubicado junto a la fuente que da origen al nacimiento del río Salor, ya que es el único existente en la Sierra de Montánchez, a 800 metros de altitud, sobre una colina desde donde se contempla la ciudad de Cáceres y todo el recorrido del río Salor hasta su desembocadura
Los romanos, que sentían especial predilección por los ríos y las fuentes, a las que rendían culto sagrado, eligieron este lugar para fijar un asentamiento, del que se desconoce si era villa, necrópolis o construcción religiosa; la existencia de tumbas romanas excavadas sobre roca, en una finca cercana, avala la importancia del enclave.

Solicitan la protección del asentamiento romano ubicado en el nacimiento del río Salor


Complejo turístico
La reciente propuesta de construcción de un complejo turístico podría poner en peligro la conservación del yacimiento arqueológico. Para hacer factible el proyecto, según se indica, la Agencia Extremeña de Urbanismo señaló a los promotores dónde podían construir y la distancia de protección que debían mantener del asentamiento romano, ya que el mismo está catalogado en el Plan General de Urbanismo, y por tanto goza de protección legal urbanística.
Sin embargo la Consejería de Cultura y Turismo ha encargado unas prospecciones con la finalidad, a juicio de los representantes de la asociación, de facilitar la urbanización de los terrenos donde se emplaza el asentamiento romano dependiendo de la importancia arqueológica del yacimiento.
Esta actuación, a juicio de los mismos se considera, no sólo una fórmula inusual para vulnerar las leyes urbanísticas, sino un abuso sobre las competencias que la Consejería tiene encomendadas en materia de protección del patrimonio arqueológico de Extremadura, pues no se debe aplicar los principios de intervención de la arqueología urbana o de ciudad, en yacimientos ubicados en terreno rústico, ya que de ser así, se pondría en peligro todos los yacimientos arqueológicos de Extremadura.
El complejo urbanístico que se pretende construir, ocupa una extensión aproximada de 30.000 metros cuadrados, de los cuales el yacimiento ocupa el 15%, que coincide con la superficie que los propietarios deben reintegrar como suelo público, en concepto de recalificación de terrenos, al reconvertir el suelo rústico en urbano.



In: S.E.(19 Out 2007). Hoy: http://www.hoy.es/20071019/prov-caceres/solicitan-proteccion-asentamiento-romano-20071019.html

Autoria e outros dados (tags, etc)

por noticiasdearqueologia às 20:13

Pág. 1/5



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Outubro 2007

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031





Arqueo logos